Menu

Segundo estudo da OMS, uma a cada três pessoas não tem acesso a água potável

Apesar de o nosso planeta ter quase 75% de sua superfície coberta por água, infelizmente nem todo tipo desse líquido vital pode ser usado para matar a sede e solucionar problemas básicos da humanidade. Além disso, boa parte da população possui pouco ou nenhum acesso a água de acordo com um levantamento recente da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Foto: ReproduçãoFoto: Reprodução

A pesquisa apontou que água tratada não chega para 2,2 bilhões, e mais de de 3 bilhões não têm sequer água e sabão para lavar as mãos, por exemplo. Esses números são expressivos, uma vez que, respectivamente, representam 28,5% e 38,9% da população mundial, que é de 7,7 bilhões de pessoas, atualmente.

Apesar de assustadoras, essas estatísticas já foram piores. Segundo a OMS, no período entre os anos 2000 e 2017, cerca de 1,8 bilhão de pessoas passaram a ter acesso a água tratada e 2,1 bilhões a saneamento básico.

Entretanto, mesmo com essa melhoria, a entidade admite que há muito a ser feito. "Os países precisam dobrar os esforços em saneamento ou nós não alcançaremos o acesso universal até 2030", disse a Dra. Maria Neira, diretora do departamento de saúde pública da OMS, ao site da organização.

A situação no Brasil também é preocupante. Segundo dados do Ministério das Cidades, cerca de 100 milhões de brasileiros não possuem coleta de esgoto nas suas casas e 35 milhões não têm acesso a água potável. Os nossos indicadores de acesso à água, saneamento e higiene são piores do que de outros países da América Latina, como Chile, Peru e México.

Mesmo sendo reconhecida pela ONU como um direito universal, o acesso a água e ao saneamento básico para todos ainda está longe de se tornar uma realidade. A diretora associada do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Kelly Ann Naylor, alertou, também em entrevista para o site da OMS, que, com esse quadro alarmante, "as famílias pobres que vivem em comunidades rurais são as que correm mais riscos de serem esquecidas".

Com Revista Encontro




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados