Menu

Dia D da Campanha de Vacinação contra a Raiva Animal será neste sábado

A Prefeitura de Sete Lagoas promove neste sábado, 22 de setembro, o Dia D da campanha de vacinação contra a Raiva, com o objetivo de controlar a circulação do vírus da raiva animal através da vacinação de cães e gatos para prevenir a ocorrência da doença na cidade.

Foto: AsCom PMSLFoto: AsCom PMSL

A meta estabelecida pelo setor de Vigilância Epidemiológica é imunizar 46.178 animais em todo o município. Cães e gatos a partir de 3 meses de idade devem ser imunizados. Animais que tenham entre 3 meses e 1 ano, ou que estão sendo vacinados pela primeira vez, deverão, dentro de 30 dias, tomar uma segunda dose.

De acordo com Vanessa Bahia, médica veterinária do Centro de Controle de Zoonoses, somente após 21 dias da vacinação se verifica desenvolvimento de imunidade. “A vacinação é o único meio de prevenção contra a raiva em cães e gatos e ela deve ser feita a partir do terceiro mês de vida do animal, devendo ser reforçada anualmente. Por esse motivo, é importante manter a vacinação sempre em dia”, explica.

Desde a inauguração do Centro de Controle de Zoonoses no ano de 2003 não houve registro de raiva canina, felina e humana no município de Sete Lagoas. Dados epidemiológicos, no entanto, apontam que casos da doença não são registrados na cidade desde 1990.

A médica veterinária afirma que, nos cães, o período de incubação do vírus é, em geral, de 15 dias a dois meses. “Quando a doença começa a se manifestar, os animais apresentam mudança de comportamento, escondem-se em locais escuros ou mostram uma agitação inusitada. Após 1 a 3 dias, ficam acentuados os sintomas de excitação”, conta. Desta forma, o cão se torna agressivo, com tendência a morder objetos, outros animais, o homem, inclusive o seu proprietário, e também a si mesmo, muitas vezes provocando graves ferimentos.

Outro sintoma da raiva, segundo Vanessa, é a salivação em excesso, uma vez que o animal é incapaz de deglutir sua saliva, em virtude da paralisia dos músculos da deglutição. “Há também alteração do seu latido, que se torna rouco ou bitonal, em virtude da paralisia parcial das cordas vocais. Os cães infectados pelo vírus rábico têm propensão de abandonar suas casas e percorrer grandes distâncias, durante a qual podem atacar outros animais, disseminando, desta maneira, a raiva”, detalha.

Na fase final da doença, é frequente observar convulsões generalizadas, que são seguidas de incoordenação motora e paralisia do tronco e dos membros. A paralisia começa pela musculatura da cabeça e do pescoço; o animal apresenta dificuldade de deglutição e suspeita-se de “engasgo”, quando então seu proprietário tenta ajudá-lo, expondo-se à infecção. A seguir, vêm a paralisia e a morte. Nos felinos, raiva também tem sintomas semelhantes.

A especialista afirma que a forma mais comum de transmissão da Raiva é através do contato com a saliva do animal raivoso, através de mordeduras, arranhaduras e lambeduras. Assim, o vírus da raiva pode infectar todos os mamíferos, incluindo o homem, provocando a morte em quase todos os casos.

Vacinação na zona urbana

Neste sábado, 22 de setembro, a vacinação ocorrerá das 8h às 17h em diversos pontos espalhados pela cidade. Veja AQUI  a lista completa.

Na zona rural, serão montados postos volantes, de 26 de setembro a 10 de outubro. Confira o cronograma AQUI.

 

Com AsCom PMSL




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados