Menu

Sete Lagoas > Notícias > Cidades

Câmara dá parercer favorável ao veto para criação do Parque Lagoa da Chácara

  • Categoria: Cidades
Com 8 votos a 0, a Câmara Municipal de Sete Lagoas manteve o veto do projeto que prevê a criação do Parque Lagoa da Chácara. O projeto havia sido
aprovado na Casa e após ser encaminhado pela o poder Executivo recebeu um parecer negativo quanto a execução da matéria. Em seguida o projeto voltou para a Câmara e nessa terça-feira também recebeu o aval negativo dos vereadores. O família proprietária do local onde seria construído o parque ficou de se pronunciar quanto ao assunto.
 
 
da redação

Sete Lagoas se prepara para nova política de operação dos cartões de crédito

  • Categoria: Cidades
A partir do dia 1° de julho, todas as bandeiras de cartão de crédito, como Visa, Mastercard, American Express dentre outras, passarão a operar em uma única máquina apta a receber seus serviços. Com a nova medida os lojistas é quem passarão a escolher
com que bandeira deverão trabalhar. Segundo dados da Câmara de Dirigentes Lojista de Belo Horizonte, a decisão vai gerar uma economia de R$ 120 milhões para o comércio do Estado, sendo R$ 19,2 milhões somente para a capital. Ainda de acordo com o órgão, o a fiscalização poderá ficar a cargo do Banco Central, que atuaria na regulamentação do mercado para que sejam definidas “regras claras sobre taxas e tarifas”. Os juros do cartão de crédito no Brasil hoje variam de 10% a 15% ao mês, enquanto a inflação anual tem ficado em torno dos 4,5%. Segundo a CDL-BH, na grande maioria dos países, o lojista recebe o valor da compra dois dias após ter sido efetuada pelo consumidor. No Brasil, o repasse só é feito ao comércio 33 dias após a compra.

Em Sete Lagoas, o Gerente Executivo da CDL, Tarcísio Magalhães informou que fará uma orientação aos comerciantes e empresários lojistas da cidade para que eles saibam avaliar os diferentes contratos oferecidos na hora de escolher a empresa prestadora dos serviços. “A fidelização precipitada pode ser um erro fatal, como aconteceu recentemente nos casos de portabilidade das linhas telefônicas. Os lojistas devem fechar posição em questões como o aluguel de máquinas, taxa de desconto em transações em débito e antecipação de receitas nos pagamentos em crédito. Quem deve dar as cartas é o lojista”, avalia.

Ainda de acordo com Tarcísio, a nova determinação poderá ser muito vantajosa para os donos de empresas, tendo em vista que ele poderá negociar melhores condições na hora de realizar o contrato com a prestadora de serviços. “A mudança deve dar ao lojista maior poder de barganha na hora de firmar contratos, o que irá possibilitar reduzir as margens de lucro do setor de cartões, que hoje chegam em média a um ganho próximo de R$1 bilhão por ano”, explica.
 
da redação

Links patrocinados