Menu

Sete Lagoas > Notícias > Cidades

Grupo luta por área verde da cidade

  • Categoria: Cidades
Preocupados com a intensa especulação imobiliária em relação a extenso terreno no entorno da Lagoa da Chácara, localizada entre o bairro Canaã e o Jardim Arizona, grupo de ambientalistas e sociedade civil se mobilizam para evitar o fim de uma das principais áreas verdes do perímetro urbano de Sete Lagoas. Com privilegiada vegetação, em que predomina o Cerrado, o terreno é parte adjacente da Área de Proteção Ambiental (APA) da Serra de Santana Helena, mas não desfruta do mesmo grau de defesa. Localizada às margens da avenida Prefeito Alberto Moura (Perimetral), está a poucos metros da APA e, desta forma, vulnerável. De olho nisso, voluntariado composto por atualmente 15 pessoas, denominado SOS Serra de Santa Helena, busca mobilizar o poder público a fim de inibir que o local vire mais um empreendimento imobiliário.

 
O empresário e ambientalista Marcelo França, que encabeça o movimento, afirma que o terreno é o único existente em Sete Lagoas localizado em área nobre do município. “Toda cidade tem que ter um pulmão. Áreas verdes estão em extinção em Sete Lagoas. Não podemos sucumbir aos interesses de grupos imobiliários. O local é propício para a criação de um parque ecológico, como existe em grandes cidades e até mais populosas do que aqui, caso de Campinas”, conta. Segundo o ambientalista, milhares de pessoas estão sendo mobilizadas para participarem de um “abraço simbólico” em torno da mata no entorno da Lagoa da Chácara.

A área intercepta a avenida Otávio Campelo até o entroncamento com avenida Nações Unidas, seguindo o cruzamento entre as ruas Jair Sales com Manoel dos Santos.  Morador do Bairro Jardim Arizona, o dentista Davisson Andrade considera que preservar o terreno da Lagoa da Chácara não é importante somente para o bairro, mas para toda a cidade. “A temperatura em Sete Lagoas está cada vez mais alta. Se acabar com aquela mata, o impacto ambiental será muito grande, o clima vai tornar-se insuportável. Está na hora da cidade, através de uma parceria público-privada, fazer um parque ecológico naquele local, nos moldes do Parque das Mangabeiras, em Belo Horizonte”, sugere.

Bosque Municipal - No município já existe Projeto de Lei, sancionado, que dispõe sobre a implantação do Bosque Municipal de Sete Lagoas na área que vem sendo objeto de preocupação por parte dos ambientalistas. De autoria do vereador Caio Dutra (PMDB), foi aprovado em 2007. A proposta é incorporar todo o terreno da Lagoa da Chácara à APA Serra de Santa Helena. “O bosque terá uma comissão consultiva, com finalidade de contribuir para a gestão desta unidade de conservação da natureza, opinando ou elaborando propostas sobre a manutenção e as atividades a serem ali desenvolvidas”, prevê o projeto. Segundo o vereador, “busca-se desta forma a preservação, proteção integral e permanente dos ecossistemas e recursos naturais existentes na área, especialmente como reserva genética da flora e fauna para fins de estudos científicos, culturais e educacionais”.

Procurado pela reportagem, o secretário municipal do Meio Ambiente, Lairson Couto, conta que oficialmente não existe qualquer proposição na prefeitura para se criar um loteamento ou desmembramento no local. “Há dois anos, durante a gestão da administração passada, foi iniciada a negociação do terreno com os proprietários, que tinham como objetivo lotear. No entanto, embasado em estudo ambiental, o Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Codema), barrou a iniciativa”, explica. Segundo Lairson, a área é contemplada por diversas nascentes, com grande abundância de água em seu lençol freático.  “Hoje não se autoriza facilmente abertura de loteamentos em Sete Lagoas. Antes de qualquer obra, a proposição tem que ter aprovação do Conselho do Plano Diretor e também pelo Codema”, completa.
 
Da redação
Celso Martinelli

Definida programação de Carnaval em Sete Lagoas

  • Categoria: Cidades

Em entrevista coletiva realizada quarta-feira, o secretário municipal de Cultura de Sete Lagoas, Fredy Antoniazzi, divulgou a programação do Carnaval na cidade. Sem grandes investimentos, já avisou que será uma festa bem caseira, sem a pretensão de atrair turistas. “Teremos uma estrutura simples, aquém da grandeza de Sete Lagoas e de seus talentos”, afirma. Segundo ele, sem dinheiro em caixa e tempo hábil para a captação de recursos estaduais e federais, o Carnaval se resumirá no desfile de blocos caricatos na orla da Lagoa Paulino e show com banda local no Bairro Nova Cidade.

Muito cobrado pelos blocos locais, que esperavam liberação de recursos para promoverem um desfile requintado e colorido, Fredy Antoniazzi afirmou que o grande impedimento para a utilização de dinheiro público foi de ordem jurídica. “Os blocos não tinham qualquer amparo legal, como CNPJ, para receberem dinheiro do município. A solução foi a Prefeitura Municipal viabilizar junto à iniciativa privada uma verba. A título de ajuda, uma empresa se dispôs a doar R$ 5 mil para cada bloco. É bem abaixo do que desejavam, mas é o que foi possível fazer”, explica. Segundo o secretário, ele reconhece a legitimidade dos blocos caricatos de Sete Lagoas, mas enfatizou que, para receber incentivos, é preciso estar legalizado.

Na cidade quatro escolas ensaiam. Dependendo da reposição de instrumentos e novo figurino, os blocos Império Verde e Branco, Piratas do Samba, Boka Loca e Bloco do Boi, esperam resgatar o tradicional Carnaval de rua, realizado com brilhantismo pela última vez em 1889. No entanto, não será desta vez. “A secretaria está à disposição da sociedade organizada e de todos promotores de eventos culturais para dar todo amparo no que diz respeito à regularização de entidades incentivadoras da cultura. É preciso se organizar”, recomendou. Este ano o município vai investir apenas R$ 30 mil na festa do “Rei Momo”.

Nesta sexta-feira, dia 20, será a abertura do Carnaval, na Feira de Artesanato (Feirinha), com show da banda de samba Nós Três, previsto para começar às 19h. De sábado a terça-feira, 24, o Carnaval prossegue na orla da Lagoa Paulino. Está programado desfile dos quatro blocos caricatos, a partir das 17 horas e eles farão rápido desfile no entorno da lagoa até a Feira de Artesanato. No Bairro Nova Cidade também haverá Carnaval. De sábado a terça-feira, sempre de 17h30 às 22h, som mecânico, marchinhas e show com a Banda União do Samba.

CLUBE NÁUTICO
– O Clube Náutico de Sete Lagoas também vai realizar Carnaval. A programação está definida: animação de Ricardo Pieroni Banda Show, na noite de sábado (dia 21) e domingo (dia 22) a partir das 23 horas no salão nobre. Haverá matinê no domingo (dia 22) às 14 horas.  Nos dias 23 e 24 será realizado o projeto “Samba na Piscina”, a partir das 13 horas até às 18 horas, com animação da Banda Samba Gol, na orla das piscinas. Também foi definido pela Diretoria executiva, o valor dos convites para os dois dias de baile noturno. O convite custará R$40,00 por noite e é individual. Mais informações: 3774-5005.

SESC - No domingo e na terça-feira de carnaval o Sesc realiza o Carna-Forró na sua Unidade sete-lagoana. Na parte da manhã na área das piscinas os freqüentadores poderão participar de aulões de hidroginástica, jogos e brincadeiras aquáticas e a partir das 15 horas o já tradicional baile de carnaval e forró com música ao vivo no salão de festas, animação Dayan. Mais informações : 3773-2764.

CLIQUE AQUI e conheça as opções nos municípios vizinhos!

 

Da redação
Celso Martinelli

Links patrocinados