;
Menu

Sete Lagoas > Notícias > Concursos e Vagas

BDMG Cultural abre inscrições gratuitas para músicos no programa Jovem Instrumentista

Com uma rica sonoridade baseada em instrumentos, o estilo rítmico da música instrumental passeia pelos mais variados aspectos da música brasileira. O mergulho nessas diferentes esferas musicais, que torna possível um trabalho de caráter intimista, explorando dinâmicas sonoras diversas, unindo o simples ao rebuscado, o popular ao erudito, é a proposta do programa Jovem Instrumentista, realizado pelo BDMG Cultural. 

Músicos mineiros ou residentes no Estado há mais de dois anos poderão se inscrever, gratuitamente, até o dia 31 de maio de 2016, e concorrer a bolsas de estudo, durante seis meses. O regulamento e a ficha de inscrição estão disponíveis no site da instituição, clicando aqui.

A “música instrumental”, também conhecida como “jazz brasileiro”, principalmente no cenário internacional, é o gênero da música popular brasileira que, além de ser instrumental, tem como característica fundamental aspectos do jazz norte-americano e da MPB. 

Durante o período clássico (da música), compreendido entre os anos de 1750 e 1810, a música instrumental passou a ter importância maior do que a vocal, devido ao aperfeiçoamento dos instrumentos e ao surgimento das orquestras.

Atualmente, a música instrumental compõe umas das cenas mais importantes da música brasileira. O Jovem Instrumentista estimula a criação e o aperfeiçoamento artístico apoiando os jovens talentos da música mineira. O BDMG Cultural proporciona um espaço para novas experiências e aprendizado, em recitais e nas aulas ministradas por ícones da música instrumentista mineira. 

Cena instrumental

Desde 2002, o BDMG Cultural, por meio do Jovem Instrumentista BDMG, promove a expansão da música instrumental. Pelo programa, já passaram músicos que hoje são consagrados no cenário, como Thiago Delegado, Rodrigo Torino, Warley Henrique, Lucas Telles, Frederico Heliodoro, entre outros.

O músico Lucas Telles, hoje consagrado na cena instrumental mineira, foi um dos participantes do Jovem Instrumentista / Foto: Élcio ParaísoO músico Lucas Telles, hoje consagrado na cena instrumental mineira, foi um dos participantes do Jovem Instrumentista / Foto: Élcio Paraíso

“Para mim foi uma enorme alegria e motivo de muito aprendizado participar do Jovem Instrumentista. Primeiramente, pelo contato com Juarez Moreira, que admiro há anos e tive a oportunidade de fazer aulas. E segundo, pela experiência de tocar com outros participantes e professores. Muitos dos amigos que fiz no programa são meus parceiros de trabalho, como Bruno Vellozo e Lucas Ladeia, que participaram comigo no mesmo ano, em 2011”, explicou o violonista e compositor Lucas Telles, que venceu o Prêmio BDMG Instrumental em 2013 e hoje realiza diversos trabalhos na cena instrumental, inclusive com seu grupo Toca de Tatu.

Alguns deles, como Rodrigo Torino, foi selecionado para a bolsa de estudos no programa Jovem Instrumentista, em 2003, se tornando vencedor do Prêmio BDMG Instrumental, em 2010, revelando a continuidade das iniciativas e sua importância nas carreiras dos participantes.

“Minha trajetória nos programas do BDMG Cultural começou bem antes, quando fui selecionado pelo Jovem Instrumentista e recebi uma bolsa de estudos com Ivan Corrêa, fundamental para a minha profissionalização", rememora o músico.

Rodrigo Torino, vencedor do Jovem Instrumentista / Foto: agenciaminas.mg.gov.brRodrigo Torino, vencedor do Jovem Instrumentista / Foto: agenciaminas.mg.gov.br

Rodrigo conta, ainda, que essas premiações passaram a ser objetivos. "Tentei o BDMG Instrumental em 2007 e não ganhei. Em 2010, me inscrevi novamente e alcancei mais uma meta, como vencedor. Isso consagrou a minha carreira”, explicou o compositor e instrumentista.

O músico foi consagrado, posteriormente, em 2014, pelo Prêmio Marco Antônio Araújo, também realizado pelo BDMG Cultural, pelo melhor CD do ano, com o grupo Senta a Pua. “Este trabalho foi composto e dirigido por mim. Isso pontuou mais uma etapa e mostrou a evolução da minha música. Esse suporte e incentivo servem de inspiração para quem quer seguir essa caminhada”, completou Rodrigo Torino.

Avanço artístico

O contato com artistas, de reconhecimento no país e no exterior, permite o aprimoramento técnico e artístico de suas carreiras. Aliar conhecimento à experiência de aprender com o artista que é referência e inspiração pode proporcionar um importante crescimento e amadurecimento na trajetória de jovens estudantes de música, alavancando suas carreiras profissionais.

Cada candidato poderá se inscrever com apenas um instrumento. Os músicos serão avaliados por uma comissão julgadora, em uma audição na qual apresentarão um programa de música popular brasileira com até 10 minutos.

Serão selecionados 10 candidatos, que receberão bolsas de estudo de 30 horas/aula, com professores indicados pelos próprios alunos, em comum acordo com o BDMG Cultural e com os instrumentos com os quais concorreram.

Ao final do período de aulas, alunos e professores participarão de um show a ser realizado em dezembro. Esta é uma oportunidade de apresentar o resultado dos seis meses de aprendizado e de tocar ao lado de seus mestres e referências musicais.


Com Agência Minas