Menu

Entenda os momentos que o VAR pode ser usado durante a Copa do Mundo

Aprovado pela Fifa para a Copa do Mundo da Rússia, o uso VAR não é tão simples quanto parecia. Primeiramente, para que a novidade tecnológica seja usada, é preciso que o árbitro principal, tenha dúvida de sua prórpia marcação em campo e peça a revisão, fazendo aquele sinalzinho representando um monitor com as mãos.

Foto: Nackstrand/AFP

Prova de que o uso do sistema não é tão simples aconteceu em duas oportunidades na partida entre Portugal e Espanha, quando os dois primeiros gols saíram em lances no mínimo polêmicos, mas como o árbitro italiano Gianluca Rocchi não teve dúvida sobre suas marcações, o sistema permaneceu inativo.

No primeiro gol da partida, marcado por Cristiano Ronaldo, de pênalti, pela televisão ficou a impressão de o craque português cavou a penalidade, mas como o árbitro marcou a falta sem ter dúvidas, o lance acabou não sendo revisado.

Já no gol da Espanha, o centroavante Diego Costa dividiu com Pepe, acertanto o zagueiro português com o braço, antes de finalizar para o fundo das redes. Novamente o árbitro preferiu não pedir a revisão e confirmou o gol de empate.

Como funcionará

Porém, caso o árbitro tivesse solicitado o VAR em qualquer um dos lances, a decisão sai de suas mãos por alguns minutos para ser tomada por um árbitro de vídeo, que fica em uma central de vídeo fora do estádio acompanhando por vários monitores de TV toda partida.

Após revisar o lance ele informa o árbitro principal o que viu, e ele volta a ficar com o poder para tomar a decisão final, podendo ratificar a marcação inicial ou mudá-la após consultar a tecnologia.
O árbitro da partida pode pedir o auxilio do VAR em quatro situações: marcação de gol, cartão vermelho, marcação de pênalti e identificação errada de jogador punido. As jogadas de cunho interpretativo (mão na bola ou bola na mão) serão analisadas dentro do campo, através de um monitor, pelo juiz. Não há limite para solicitações.

Brasileiro

Serão 13 árbitros responsáveis por comandarem a engrenagem do VAR. Entre eles está Wilton Pereira de Carvalho, da Federação Goiana de Futebol. Sandro Meira Ricci, que será o quarto árbitro da partida de abertura da Copa, é considerado "híbrido": poderá ser escalado tento para atuar dentro de campo, como na sala do VAR.

Com O Tempo




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados