Menu

Cruzeiro desafia índices positivos do Santos, líder do Brasileirão, buscando novo modelo de jogo

Em sua apresentação no Cruzeiro, Rogério Ceni ressaltou a pretensão de encaixar um esquema no qual o time jogasse sempre buscando o ataque. Nos três primeiros dias, na parte da atividade aberta à imprensa, ele cobrou movimentação, agilidade nos passes e marcação alta. Já os trabalhos táticos foram realizados sem a presença de jornalistas. Tudo para armar a melhor estratégia visando ao duelo contra o Santos, domingo, às 16h, no Mineirão, pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Rogério Ceni quer que Cruzeiro tenha proposta de jogo ofensiva (Foto: Alexandre Guzanshe/EM D.A Press)Rogério Ceni quer que Cruzeiro tenha proposta de jogo ofensiva (Foto: Alexandre Guzanshe/EM D.A Press)

O próximo adversário da Raposa é referência para Rogério, que, em outubro de 2016, fez estágio com Jorge Sampaoli, à época comandante do Sevilla. No Santos, o técnico argentino colhe os frutos do estilo corajoso de jogar futebol com a liderança da competição: 32 pontos em 14 partidas (10 vitórias, dois empates e duas derrotas).

Dados do Footstats ajudam a corroborar o bom momento santista. O time da Vila Belmiro é recordista em finalizações na Série A, com 217 tentativas (97 certas), e na posse de bola, com média de 58%. Também chamam a atenção o segundo ataque mais positivo, com 25 gols, e a quarta colocação entre as equipes que exigem defesas difíceis dos goleiros rivais (20 vezes).

Nem o fato de jogar fora de casa intimida o grupo de Sampaoli. Em sete partidas, são quatro vitórias, um empate e duas derrotas, com 61,9% de aproveitamento. E ainda de acordo com o Footstats, o Peixe apresenta média de 12,1 finalizações por jogo como visitante, ao passo que o Cruzeiro, dentro de seus domínios, tem índice ligeiramente superior: 12,7.

Individualmente, o venezuelano Soteldo é o mais participativo no ataque alvinegro, com 27 finalizações e 19 assistências para chutes e/ou cabeceios. Quem aproveita mais as chances é Eduardo Sasha, autor de sete gols. No lado celeste, Thiago Neves é o artilheiro, com três gols, e o que mais conclui, com 17 tentativas. Robinho, por sua vez, colaborou com 19 passes para finalizações.

A mudança da maneira de jogo se faz necessária principalmente pelo momento do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro. O time venceu pela última vez há mais de três meses: 2 a 1 sobre o Goiás, em 5 de maio, no Mineirão. De lá para cá, foram 11 partidas, com cinco empates e seis derrotas. A campanha teve 'peso' para o técnico Mano Menezes se desligar do clube.

Segundo o volante Ariel Cabral, Rogério Ceni espera um time rápido na transição ofensiva. “É diferente do que estávamos fazendo. Ele já falou que vai ser desse jeito. Acho que nessa semana deu para perceber o trabalho dele. Tomara que peguemos rápido o jeito e a ideia do treinador para, no domingo, fazer o que ele tem como ideia”.

Apesar do curto período de preparação até o duelo contra o Santos, o camisa 5 já vê sinais de melhora. “Claro que o tempo é muito curto, mas estamos trabalhando para fazer o melhor jogo, pois precisamos da vitória. Acho que alguma mudança vai acontecer no domingo”.

Ceni só divulgará a escalação do Cruzeiro no Mineirão. Uma possível formação teria Fábio; Orejuela, Dedé, Leo e Egídio; Henrique e Ariel Cabral; Robinho (Marquinhos Gabriel), Thiago Neves e Pedro Rocha; Sassá (Fred).

A reação cruzeirense no Brasileiro precisa ser rápida, pois a distância para o Vasco, 15º colocado, é de seis pontos, e o Fluminense, 16º (12 pontos), enfrentará em casa o penúltimo CSA, também às 16h de domingo, no Maracanã.

Com Superesportes




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados