Menu

Protesto pede saída de Temer e a realização de eleições diretas

Milhares de pessoas protestaram contra o presidente Michel Temer (PMDB) e por convocação de eleições diretas nessa quinta-feira (18) na Praça Sete, no Centro de Belo Horizonte. Segundo os organizadores, mais de 50 mil pessoas estavam presentes.

A mobilização foi motivada pela delação à Procuradoria Geral da República (PGR) feita pelos empresários da JBS, Joesley e Wesley Batista. Joesley gravou Temer dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Manifestação no centro de BH pede saída de Temer da presidência e eleições diretas / Foto: G1Manifestação no centro de BH pede saída de Temer da presidência e eleições diretas / Foto: G1

Representantes de movimentos estudantil e sindical, partidos e grupos de esquerda participaram do protesto no centro de Belo Horizonte. Além de se manifestarem contra o presidente Michel Temer (PMDB), a operação contra o senador mineiro Aécio Neves (PSDB) também foi comemorada pelos participantes do ato, assim como a prisão da irmã do tucano, Andrea Neves, detida na manhã de ontem na Região Metropolitana da capital mineira.

Pouco depois das 18h, milhares de pessoas saíram em passeata pela Avenida Afonso Pena. O ato seguiu pela Rua da Bahia e a Avenida Augusto de Lima. Por volta das 19h, a manifestação pegou a Avenida Amazonas e seguiu novamente para a Praça Sete.

Em todo o trajeto, os manifestantes entoaram gritos de "fora Temer" e pediram "diretas já". Ocupantes de motos, carros e ônibus que passavam pelas vias e pessoas que estavam em prédios também apoiaram o ato.

Depois de passar pela Praça Sete, parte da passeata seguiu para a Praça da Estação, ainda no Centro de Belo Horizonte. Às 20h, as pessoas já se dispersavam. A Polícia Militar não divulgou estimativa de presentes.

O presidente disse em pronunciamento nessa quinta-feira que não vai renunciar. Parlamentares da oposição protocolaram pedidos de impeachment na Câmara dos Deputados.

Participantes de ato em Belo Horizonte pediram "diretas já" / Foto: Humberto Trajano/G1Participantes de ato em Belo Horizonte pediram "diretas já" / Foto: Humberto Trajano/G1

Aécio Neves

O senador Aécio Neves (PSDB) também está envolvido na delação. Nela, ele aparece pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista para pagar a defesa dele na Lava Jato.

A irmã dele, Andrea Neves, o primo deles Frederico Pacheco de Medeiros e o assessor parlamentar e cunhado do senador Zeze Perrella (PMDB-MG), Mendherson Souza Lima, foram presos em cumprimento de mandados da Operação Patmos, deflagrada pela Polícia Federal nessa quinta-feira (18).


Da Redação com G1



Publicidade
Publicidade

Comentários   

Creso Viana Sales
0 #1 Creso Viana Sales 19-05-2017 16:31
O maior protesto do povo é o na hora de voto. Na hora de votar vote certo.
Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar