Menu

Bombeiros de MG trabalham em vila afetada por cólera em Moçambique

Os bombeiros de Minas Gerais, que participaram dos trabalhos no desastre da Vale em Brumadinho, estão em Moçambique, país africano atingido pelo Ciclone Idai, atuando em diversas missões. Em uma vila de Dondo, onde a população foi afetada por cólera, os militares realizam ajuda humanitária. Eles também trabalham na retomada do abastecimento de água para as cidades afetadas.

Foto: Reprodução/InternetFoto: Reprodução/Internet

Vinte bombeiros saíram do Brasil para atuar em operações de salvamento e gestão do desastre nas áreas devastadas pelo ciclone, incluindo as cidades de Beira e Dondo.

Os bombeiros foram a uma comunidade carente de Dondo que vive da pesca. Muitas pessoas estavam com cólera e a água acabou contaminada, de acordo com o major Rafael Cosendey.

Os militares distribuíram aos moradores purificador de água e remédio repositor de flora intestinal. Eles ainda passaram instruções à comunidade sobre o uso dos remédios e sobre os dias de entrega. Os moradores afirmam estar com diarreia.

“Nossa equipe está preparada para atuar não só nas ações de busca e salvamento, mas nas ações de ajuda humanitária. A ajuda humanitária faz parte também da última fase da Defesa Civil que é a fase de recuperação”, afirmou o major Cosendey.

Por causa do risco de contaminação, os militares se alimentam com uma espécie de ração trazida do Brasil. Eles ainda precisam fazer um trabalho de prevenção contra doenças.

“Nós estamos trabalhando com muita prevenção, muita prevenção mesmo. A alimentação nossa, é a alimentação que a gente trouxe. É uma ração, né? Agente consome essa ração para não ter que fazer a cocção dos alimentos aqui, que já é um risco. A gente faz a prevenção depois. A gente precisa de entrar na água, tem que ter o contato. Não tem jeito", afirmou o sargento Leonardo.

A gente não pode fugir da nossa profissão”, completou o sargento.

Na missão para manter o abastecimento, os bombeiros levam, em barcos, óleo diesel para o bombeamento da água até uma estação de tratamento. A estação abastece as cidades próximas, que chegaram a ficar sem água após o ciclone. Os trabalhos são feitos em conjunto com bombeiros de Moçambique.

“Aqui é a estação que tem a bomba de sucção. Alimentando o gerador com combustível, que faz a sucção de água, para ser enviada para estação de tratamento principal, que manda água para todas as cidades aqui adjacentes. Então eles estavam com essa necessidade. Aí tinha falta de água para a população, devido à falta de combustível”, explicou o sargento Leonardo.

O programa "Profissão Repórter" da Rede Globo foi até Moçambique para mostrar como o país está após a passagem do furacão Idai. O programa vai ao ar nesta quarta-feira (17) à noite, após o futebol.

Com G1




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados