Menu

Presidente da Cemig afirma que atual situação da estatal só pode ser resolvida com privatização

Ao apresentar um diagnóstico de uma dívida de R$ 6 bilhões, uma média de gasto anual de R$ 222 mil com cada funcionário e uma folha de aposentados e pensionistas que corresponde a praticamente o dobro dos ativos, o presidente da Cemig, Cledorvino Belini, deixou claro aos deputados estaduais que a melhor alternativa hoje para a empresa é a privatização.

Foto: Guilherme Dardanhan/ALMG/ Em sabatina promovida pela Assembleia, Cledorvino Belini afirmou que projetos para melhoria da eficiência, produtividade e racionalização de custos esbarram em limitações legais impostas a estataisFoto: Guilherme Dardanhan/ALMG/ Em sabatina promovida pela Assembleia, Cledorvino Belini afirmou que projetos para melhoria da eficiência, produtividade e racionalização de custos esbarram em limitações legais impostas a estatais

O discurso segue a cartilha do governador Romeu Zema (Novo) que recentemente afirmou que a estatal é um “entrave” para o desenvolvimento de Minas Gerais e já avisou que em breve enviará à Assembleia Legislativa um projeto de lei prevendo a negociação.

Durante discurso aos parlamentares, Bellini afirmou que o grande problema é sanar o déficit de R\$ 6 bilhões e ainda garantir os R\$ 15 bilhões necessários para investimentos em infraestrutura, redes, postes nas ruas e zona rural. Ao chegar ao comando da Cemig com o objetivo de aumentar a eficiência e a produtividade e racionalizar os custos, mas tem esbarrado nas limitações legais impostas a estatais.

“Precisa ser feito um investimento na companhia. Não sei se o estado conseguirá fazer esse aporte (R\$ 21 bilhões). E se não tiver, eu só vejo um outro caminho, que seria a privatização”, afirmou o presidente da Cemig, que participou nesta segunda-feira de sabatina na Comissão de Assuntos Municipais e Regionalização do Legislativo, dentro da série de reuniões da iniciativa Assembleia Fiscaliza.

De acordo com o executivo, que contou ter uma experiência de 45 anos na iniciativa privada – parte deles na direção da montadora Fiat –, a eficiência no setor é muito maior que nas estatais. O que para ele também pode explicar o fato da conta de luz em Minas ser a segunda mais cara do país. “Nós não somos competitivos, e ser competitivo requer passos muito ousados e que uma empresa estatal não pode dar”, lamentou.

Questionado sobre o gasto elevado com a folha de pagamentos – a média anual dos salários é de R\$ 222 mil –, Cledorvino justificou que o valor elevado se deve ao grande número de inativos, que chega a 11 mil pessoas, além do plano de saúde arcado pela estatal para esses ex-funcionários e pensionistas. Para se ter uma ideia, o quadro de ativos hoje não passa de 5,6 mil funcionários.

Usinas

O presidente da Cemig apelou ainda aos deputados estaduais para que ajudem nas negociações para que continue com a outorga de três usinas hoje nas mãos da Cemig: Sá Carvalho, Nova Ponte e Emborcação – com outorgas previstas para vencer em 2024 e 2025.

"Temos de um lado a regulação, e de outro uma necessidade real de manter essas usinas. Já foi um pecado perdermos aqueles 3 GW de São Simão, Jaguara, Miranda e Volta Grande", afirmou, referindo-se às quatro usinas privatizadas em 2017.

A legislação brasileira define uma alternativa que autoriza a prorrogação sem licitação dos contratos em caso de privatização de ativos, o que permitiria à Cemig se manter sócia minoritária das usinas. Segundo Cledorvino, há um grupo de empresários mineiros interessados em participar dessa privatização, com a compra de 51% dos ativos.

“Se não conseguirmos adiantar a outorga, a outra alternativa é essa, senão em cinco anos perderemos essas usinas”, disse.

Com Estado De Minas




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados