Menu

Fotógrafo denunciado por estupro é ouvido pela polícia e liberado

O fotógrafo suspeito de abusar sexualmente de uma vendedora prestou depoimento nessa quinta-feira (19) na Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher. Segundo a Polícia Civil, ele foi ouvido e liberado em seguida.

Foto: Reprodução/InstagramFoto: Reprodução/Instagram

A delegada responsável pelo caso vai ouvir as testemunhas que estavam na casa no dia do suposto crime nos próximos dias.

A Polícia Civil instaurou um inquérito para investigar a denúncia de estupro sofrido pela jovem de 26 anos durante uma sessão de fotos no bairro Santa Lúcia, região Centro-Sul de Belo Horizonte.

A vítima também foi ouvida na terça-feira (17) após registrar um boletim de ocorrência. Ela contou que "apagou" após ingerir uma bebida alcoólica servida pelo fotógrafo na casa dele. Eles teriam se conhecido pela internet e combinado a parceria fotográfica.

A moça afirmou à polícia que, por volta das 15h da última segunda-feira (16), chegou ao local combinado para o trabalho. O homem teria oferecido um drink para que ela pudesse "relaxar e se soltar". Após a ingestão da bebida, a jovem afirmou que foi acordada na própria casa pela mãe.

Ela contou aos agentes que notou hematomas pelo corpo e uma lesão na boca. Além disso, ela disse ter sentido "cheiro de látex" (da camisinha) em suas "partes íntimas". Disse ainda que, conforme a mãe, havia sangue pelo corpo e as roupas que vestia não eram dela.

A reportagem ligou várias vezes para o fotógrafo, mas o telefone esteve constantemente desligado.

Veja o relato da vítima em uma rede social:

"Galera ontem fui tirar umas fotos profissionais (...) cheguei lá por volta de 15:00 hrs eu estava muito tímida de começo e ele me ofereceu um drink pra me soltar mais para fazer as fotos. Começamos a fotografar e tudo estava indo bem, eu tinha bebido pouco e não estava alterada mas enquanto ele tirava as fotos eu comecei a sentir minhas vistas escurecendo e simplesmente apaguei. A família dele me deixou na minha casa com outra roupa a qual não eram minhas e toda suja de sangue. Minha família não soube conduzir a situação e eu só fui pra delegacia quando eu acordei e vi o que ele tinha feito comigo. A família dele tentou abafar o caso mas eu não vou deixar isso impune pois graças a Deus estou viva e eu poderia estar morta uma hora dessas. Eu não quero que isso aconteça com mais nenhuma mulher! #naovoumecalar"

Com Hoje em Dia




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados