Menu

Através de Audiência, Câmara viabiliza acordo entre moradores e empreendimento

A Audiência Pública realizada nessa quarta-feira (3), na Câmara Municipal, possibilitou um acordo entre moradores vizinhos ao loteamento Village da Serra e responsáveis pelo empreendimento. O impacto ambiental, principalmente a emissão de esgoto dos esperados 500 moradores do local, foi o ponto principal dos debates. A vereadora Gislene (PSD) foi a requerente da sessão e afirmou: “saio daqui com o coração em paz porque o objetivo foi alcançado”.

Responsáveis pelo loteamento que fica na área rural após o bairro Padre Teodoro, moradores vizinhos, compradores dos lotes de 360 m² do Village da Serra, vereadores e ambientalistas promoveram um amplo debate sobre a possibilidade de poluição do córrego do Machado com a emissão dos resíduos. A principal queixa de vizinhos do loteamento é o local de instalação da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do empreendimento em um nível abaixo dos lotes.

Foto: Ascom CâmaraFoto: Ascom Câmara

“Ficamos indignados com o emissário de esgoto apontado para o córrego do Machado. O lançamento vai matar 800 metros do córrego”, disse o representante dos moradores Ângelo Ribeiro. Ele entende também que os dejetos “vão matar a possibilidade de no futuro produzirem água na região”.

Especializada em esgotamento sanitário, a empresa Igiene foi contratada pelo empreendimento para tratar os resíduos dos futuros moradores. O engenheiro responsável pela ETE do local, Marcel José, tranquilizou todos. “A questão do esgoto do condomínio está resolvida. Mesmo assim se acontecer alguma coisa vocês saberão aonde cobrar. O sistema é licenciado e homologado”, concluiu.

Diante das cobranças e questionamentos dos moradores e do presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas, Marcos Vinícius Polignano, o responsável pelo loteamento assumiu o compromisso em redirecionar o local de lançamento dos resíduos. O empresário Haroldo Rodrigues cobrou. “Vou ter gastos, mas assumo o compromisso de tomar providências. Mas espero que todos aqui se unam para contribuir”, pediu.

O secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Nadab Abelin se colocou à disposição para dialogar e “buscar alternativas”. O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) esteve representado e confirmou que o empreendimento foi aprovado pela autarquia.

Vereadores atuantes

Na busca de um consenso entre as partes, os vereadores fizeram ponderações. O presidente da Câmara, Claudio Caramelo (PRB), valorizou o espírito da sessão. “Todos aqui vieram desarmados e estão dispostos a resolver”, disse antes de parabenizar o empresário pelo compromisso assumido na Audiência Pública.

Rodrigo Braga (PV) também ressaltou o acordo, mas questionou a demora na resolução do impasse. “Me preocupa esperar uma Audiência para resolver. Precisava chegar até aqui?”. Renato Gomes (PV) prometeu uma visita ao local para “tomar pé” da situação de perto.

Antes de encerrar o evento, a vereadora Gislene comemorou o resultado da Audiência e parabenizou o empresário pela coragem. “Não estamos do lado de um ou do lado de outro, estamos do lado da vida que nesse momento é a água porque dependemos dela para sobreviver”, disse.

Como encaminhamentos ficaram definidas três ações. A Câmara vai acompanhar todo o trabalho que foi assumido. A ata da sessão também será encaminhada ao Ministério Público. Por fim, o Legislativo se comprometeu em mover gestões junto ao Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas na busca por soluções para o tratamento de esgoto da cidade.


Da Redação com Ascom Câmara




Publicidade
Publicidade

Comentários   

Renato - 7 Lagoas
+1 #1 Renato - 7 Lagoas 04-05-2017 17:26
Acho ótima a iniciativa! E gostaria de sugerir aos vereadores que passem a trabalhar em cima da despoluição dos demais córregos da cidade e lagoas, quase todos poluídos. Seria importante que os senhores mobilizassem população, empresários, entidades de proteção ao meio ambiente e, principalmente, o SAAE, maior poluidor desta cidade. Não é possível que, em pleno século XXI, continuemos jogando esgoto sem qualquer tipo de tratamento em nossos córregos e lagoas.
Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar