Menu

Vereadores aprovam fim da verba indenizatória criada há quase duas décadas

Foi por unanimidade a aprovação do Projeto de Resolução (PRE) 28/2017 que extingue a verba indenizatória que era paga aos vereadores desde junho do ano 2000. O fim do benefício conclui o processo de modernização da máquina administrativa que foi implantado pela atual Mesa Diretora no início do ano. Com a retirada da indenização o poder Legislativo vai economizar, a partir de agora, mais de R$ 900 mil todos os anos.

A Mesa Diretora da Câmara apresentou o PL que acabou com a Verba Indenizatória/Foto: Ascom CãmaraA Mesa Diretora da Câmara apresentou o PL que acabou com a Verba Indenizatória/Foto: Ascom Cãmara

Tecnicamente, o PRE 28, aprovado durante a Reunião Ordinária dessa terça-feira (12), “revoga as resoluções nº 992/2005, 1100/2014, 1020/2007, 1122/2015, 1129/2015, 1141/2016, e 1145/2017 que disciplinam a aplicação de verba indenizatória em razão de atividade inerente ao exercício do mandato parlamentar no âmbito da Câmara Municipal de Sete Lagoas”. A verba indenizatória foi criada em junho de 2000 pela Resolução 892 com o objetivo de conceder uma “ajuda de custo” aos parlamentares para a manutenção do mandato.

Com o fim da verba de gabinete, como é conhecido o benefício, a Câmara vai fornecer todos os instrumentos para o vereador desenvolver o seu mandato. Como já faz desde o meio do ano quando reduziu a verba de R$ 8,5 mil para R$ 2,5 mil e passou a licitar e a oferecer veículo, combustível e material de escritório para os gabinetes.

A extinção do tradicional benefício encerra as variadas interpretações sobre o uso da verba indenizatória. O reembolso sempre gerou grandes questionamentos, não só dos meios de controle como Ministério Público e Tribunal de Contas, mas também da população. “Estamos dando um grande exemplo de gestão, transparência e responsabilidade com o recurso público. É possível sim fazer um grande trabalho para Sete Lagoas sem a verba”, acredita o presidente da Câmara, Cláudio Caramelo (PRB).

Caramelo valoriza ainda o entendimento de todos os vereadores que compreenderam e apoiaram a proposta. “Foi um processo de construção e convencimento importantes. Mas todos compreenderam a necessidade da aprovação e tenho certeza que daremos um salto de qualidade na prestação do serviço, além de colocarmos, mais uma vez, a Câmara da cidade como referência”. Por fim o presidente reforçou a participação e empenho da Mesa Diretora composta pelos colegas Pr. Alcides (1°vice-presidente), Marli de Luquinha (1° secretária), Renato Gomes (2° vice-presidente) e Euro Andrade (2° secretário).

Da Redação com Ascom Câmara




Publicidade
Publicidade

Comentários   

Cristiane Fonseca
0 #3 Cristiane Fonseca 19-12-2017 14:58
Boa tarde! Informamos que o NOVO 7Lagoas preparou um documento sobre a redução da Verba Indenizatória na Câmara dos Vereadores. Fizemos os cálculos, a fim de comprovar a propaganda oficial enganosa junto a sociedade local. Leia e nos conte o que achou! Obrigado pela atenção!

http://minas.novo.org.br/index.php/noticia-sete-lagoas/o-novo-denuncia
Citar
julio Marques
+3 #2 julio Marques 13-12-2017 13:24
E a redução dos salários quando vai ser tratado?, temos vários municípios Brasileiros que quer acreditem ou não os vereadores reduziram seus próprios salários . A pergunta é por que não aqui em sete lagoas também ? É muito dinheiro pra muito Blá -Blá ba .. e outra imaginem quem paga estes salários abusivos na grande maioria é assalariado.... .
Citar
Anderson Luiz Clemente
+10 #1 Anderson Luiz Clemente 13-12-2017 07:23
Por que a câmara ainda paga carro e gasolina para os vereadores. O trabalhador não vai trabalhar de carro próprio e paga a própria gasolina. Deveriam utilizar o transporte publico, que sabe assim ele melhoraria.
Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar