Menu

Câmara nomeia vereadores que irão investigar o contrato firmado entre a Prefeitura e a TURI

Os vereadores Milton Martins (PSC), Ismael Soares (PP), Rodrigo Braga (PV), Gilberto Doceiro (MDB) e Beto do Açougue (PSD) foram nomeados os membros efetivos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai investigar o contrato firmado entre a Prefeitura e a concessionária do transporte coletivo, TURI. A nova frente de trabalho foi necessária depois que o Requerimento 85/2018, de autoria do vereador Milton Martins, foi aprovado por unanimidade durante a última Reunião Parlamentar do mês de fevereiro.

Foto: Alan JunioFoto: Alan Junio

Para justificar a nova averiguação aos documentos, o autor, no Requerimento, revela que é “necessário a abertura de uma nova CPI, uma vez que nas diligências realizadas na CPI de 571/2017, ficaram evidenciados pontos que merecem análise, pois deles podem decorrer irregularidades não abarcadas na CPI supracitada”. O trabalho revelou a existência de prováveis inconstâncias nas planilhas de custo e valor de tarifas. As ordens de serviço de operação e a execução do contrato também serão alvo da nova Comissão.

O Ato 25.116/2018, publicado no Diário Oficial do Legislativo em 28 de fevereiro, constitui a CPI que, a partir de agora, tem um prazo prorrogável de 120 dias para verificar todo o contrato e as planilhas de custo e valor de tarifas. Os componentes da CPI foram indicados pelos blocos partidários existentes na Câmara.

O bloco parlamentar composto por PDT/PP/PV indicou como efetivos Ismael Soares e Rodrigo Braga. Como suplente foi escalado o vereador Renato Gomes (PV). Pelo bloco parlamentar PSDB/PSC/PRB/PMDB ficaram como efetivos Milton Martins e Gilberto Doceiro e como suplente Fabrício Nascimento (PRB). Por fim, o bloco parlamentar PSD/PSL indicou como efetivo Beto do Açougue e como suplente Zé do União (PSL).

Depois de oficialmente instituída a CPI passa agora a se reunir para programar o cronograma de trabalho dos vereadores efetivos. A formalização de uma Comissão garante aos membros total acesso a documentos e a tudo o que se refere o escopo previsto no Requerimento aprovado em Plenário que prevê a frente de trabalho.

Da redação com Ascom CMSL




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados