Menu

Aécio Neves desiste do Senado e vai ser candidato a deputado federal

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) tomou a sua decisão para as eleições de 2018. Ele desistiu de ser candidato ao Senado e vai disputar uma vaga na Câmara dos Deputados. Aécio já avisou o senador Antonio Anastasia, candidato do PSDB ao governo de Minas Gerais.

Foto: Cristiano Mariz/VEJAFoto: Cristiano Mariz/VEJA

Em carta divulgada, Aécio justificou sua decisão, afirmando que pretende “ampliar o campo de apoio à candidatura que melhor atende ao projeto de reconstrução de Minas”. Ele relembrou sua passagem como presidente da Câmara entre 2001 e 2002 e líder do governo de Fernando Henrique Cardoso. “A gravidade da situação do nosso estado exigirá uma bancada forte e unida na defesa dos interesses de Minas no Congresso e junto ao Governo Federal”, completou.

Adiante, o tucano trata do tema que, de fato, influenciou em seu ocaso político, o levando dos 51 milhões de votos para a Presidência da República até a desistência de entrar em qualquer disputa majoritária neste ano. Ele criticou “os ataques violentos e covardes de que tenho sido alvo” e afirmou que estará “lutando para que a verdade prevaleça”.

Acusações

Aécio é réu na Operação Lava Jato pela acusação que corroeu a sua reputação: o áudio em que conversa com o empresário Joesley Batista e pede 2 milhões de reais, pagos em encontros gravados entre intermediários do senador e executivos da JBS na sede da empresa, em São Paulo. Em sua defesa, o senador afirmou ter pedido um empréstimo ao empresário, a quem tentava vender um apartamento que a sua mãe possui no Rio de Janeiro.

O caso lhe rendeu uma denúncia por corrupção passiva e obstrução à Justiça, que foi aceita pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em abril. Quando a delação dos irmãos Batista veio à público, Aécio Neves era o presidente nacional do PSDB. Ele foi afastado e, posteriormente, renunciou à posição.

Senado

Apesar da desistência, Aécio ressaltou que “todas as pesquisas realizadas até aqui apontam meu nome entre os mais bem avaliados na disputa para o Senado”. Pesquisa do instituto MDA a pedido da Confederação Nacional do Transporte (CNT), divulgada nesta semana, mostra que ele se reelegeria na segunda posição, ficando atrás apenas, ironicamente, da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

No entanto, nomes como o apresentador Mauro Tramonte (PRB) e o empresário Josué Gomes (PR) se aproximariam dele considerada a margem de erro. Sem Aécio na disputa, a expectativa é que o PSDB feche a chapa de Anastasia com o nome do jornalista Carlos Viana (PHS), que aproxima o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), da coalizão tucana. A outra vaga já havia sido destinada ao ex-deputado Dinis Pinheiro, do Solidariedade.

Leia a íntegra da carta divulgada por Aécio Neves

“Belo Horizonte, 02 de agosto de 2018

Caras amigas e caros amigos,

Nos últimos 30 anos, seja no Congresso Nacional ou à frente do governo do nosso Estado, dediquei minha vida a defender os interesses de Minas e dos mineiros.

Por isso, nos últimos meses, refleti muito sobre qual a melhor forma de contribuir para que Minas supere a dramática situação que enfrenta hoje e reencontre o caminho do desenvolvimento econômico e social vivenciado nos anos em que governamos o Estado.

Com o objetivo de ampliar o campo de apoio à candidatura que melhor atende ao projeto de reconstrução de Minas, a do senador Antonio Anastasia, informei a ele, hoje, minha decisão pessoal de não disputar, este ano, a eleição para o Senado, colocando meu nome como pré-candidato à Câmara dos Deputados, Casa que já presidi e onde, como líder partidário, à época do governo Fernando Henrique, ajudei a implementar algumas das principais reformas feitas no Brasil contemporâneo.

A gravidade da situação do nosso Estado exigirá uma bancada forte e unida na defesa dos interesses de Minas no Congresso e junto ao Governo Federal.

Estou certo de que poderei contribuir para isso.

Não foi, como podem imaginar, uma decisão fácil.

Por um lado, porque todas as pesquisas realizadas até aqui apontam meu nome entre os mais bem avaliados na disputa para o Senado.

Por outro, porque estão vivas na minha memória as inúmeras manifestações de estímulo que tenho recebido de lideranças dos mais variados setores e de todas as regiões de Minas.

Mas tomo essa decisão com a responsabilidade daqueles que sempre colocaram os interesses de Minas acima de qualquer projeto pessoal. Os que me conhecem sabem que foi assim que sempre agi e assim continuarei agindo.

Meus amigos,

Todos conhecem os ataques violentos e covardes de que tenho sido alvo. Diariamente as falsas versões engolem os fatos. Mas apesar de todas as injustiças, estou seguro de que, ao final, a verdade prevalecerá e com ela restará provada a correção de todos os meus atos.

Até lá, estarei lutando para que a verdade prevaleça.

Farei isso, em respeito à minha trajetória política, à minha família e a todos que me levaram a conduzir o que muitos consideram o mais exitoso governo da nossa história recente.

E farei isso, especialmente, em respeito a todos aqueles que sempre me honraram com a sua confiança.

Continuarei minha caminhada com o mesmo entusiasmo e determinação, e movido pelo mesmo sentimento que, há tantos anos, me trouxe para a vida pública: o amor a Minas e aos mineiros.

Aécio Neves”

Com Veja




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados