Menu

Com 15 abstenções, Câmara de BH rejeita cassação de ex-presidente da casa

Em votação realizada nessa quinta-feira (9) na Câmara Municipal de Belo Horizonte, a cassação do ex-presidente da casa Wellington Magalhães (PSDC) foi rejeitada. Ele continuará afastado das funções políticas, devido a uma determinação judicial em vigor, embora esteja recebendo regularmente o salário, superior a R$ 16 mil. Apesar de nenhum vereador ter votado pela absolvição de Magalhães, os 28 votos necessário não foram alcançados. A cassação foi apoiada por 23 parlamentares e houve 15 abstenções.

Foto: Jair Amaral/EM/DA PressFoto: Jair Amaral/EM/DA Press

Wellington Magalhães é acusado pelo Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) pela prática de corrupção, enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro e fraudes em licitações e na contratação de serviços de publicidade do legislativo da capital mineira.

Segundo a denúncia, os crimes teriam ocorrido entre 2011 e 2016, quando ocupava a presidência da Câmara. Ele teria se beneficiado de esquemas para recebimento de propina envolvendo contratos de publicidade irregulares na Câmara em valores próximos a R$ 30 milhões.

O vereador chegou a ser preso em abril deste ano, depois de ser considerado foragido. No final de maio, porém, foi beneficiado por um habeas corpus. Atualmente, ele tem liberdade monitorada, devendo usar tornozeleira eletrônica e se recolher ao domicílio às 22h. Ele acompanhou a votação. Em sua defesa, o advogado se pronunciou no plenário da Câmara e acusou ilegalidades no processo que levou Wellington Magalhães à prisão.

Vereadores que votaram pela abstenção:

Arnaldo Lula Gody (PT)

Autair Gomes (PSC)

Bim da Ambulância (PSDB)

Catatau (PHS)

Edmar Branco (AVANTE)

Elvis Côrtes (PHS)

Gilson Reis (PCdoB)

Flávio dos Santos (PODEMOS)

Léo Burguês de Castro (PSL)

Hélio da Farmácia (PHS)

Jair Di Gregório (PP)

Nely Aquino (PRTB)

Pedrão do Depósito (PPS)

Pedro Lula Patrus (PT)

Preto (DEM)

 

Com EBC




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados