Menu

Secretários de governo em Minas serão escolhidos por meio de processo seletivo

No primeiro dia após ser eleito governador de Minas Gerais, o empresário Romeu Zema (Novo) passou a segunda-feira (29) em reuniões com sua equipe de campanha e dirigentes partidários para dar início à transição de governo.

Foto: Repodução Folha de São Paulo/ Romeu Zema (Novo) durante votação no segundo turno das eleições de 2018, em Araxá (MG)

Zema foi eleito em segundo turno, no domingo (28), com 71,8% dos votos contra 28,2% de Antonio Anastasia (PSDB), que retomará seu mandato no Senado por mais quatro anos. O empresário de Araxá (MG), dono de uma rede de lojas, concorreu a uma eleição pela primeira vez.

Nas tratativas com o diretório nacional do Novo em Belo Horizonte, inclusive com a presença de João Amoêdo, que concorreu à Presidência, e Moisés Jardim, presidente do partido, ficou definido que haverá um processo seletivo para escolher os secretários de governo.

Juntamente com uma comissão de seleção formada por integrantes do Novo, uma empresa de recursos humanos será contratada para indicar e selecionar nomes técnicos e profissionais para cada área. A ideia é ter os primeiros nomes escolhidos em até sete dias.

Zema afirmou que irá reduzir o número de secretarias de 21 para 9. Mencionou, por exemplo, a união das secretarias de Administração Prisional e de Segurança Pública, e também as secretarias de Meio Ambiente e de Agricultura.

O economista Gustavo Franco, que foi presidente do Banco Central e é responsável pelas propostas econômicas do Novo, não aceitou o convite para assumir a Fazenda em Minas por já ter outros compromissos firmados em sua consultoria.

Franco, porém, vai auxiliar na escolha da equipe econômica do novo governo mineiro e dará consultoria aos secretários. A expectativa é tê-lo em Belo Horizonte para reuniões ao menos uma vez por semana.

A equipe de transição terá como integrante o vereador de Belo Horizonte Mateus Simões (Novo), que foi coordenador político da campanha. Até terça (30), Zema quer definir outros nomes para a equipe e comunicar ao atual secretário de Planejamento, Helvécio Magalhães.

Até o início da tarde, Zema ainda não tinha tido contato com o governador Fernando Pimentel (PT) para tratar da transição. O petista tentou a reeleição, mas terminou em terceiro.

Conforme os secretários de Zema forem definidos no processo seletivo, também farão parte da transição. O objetivo é obter com o governo Pimentel um diagnóstico da situação financeira de Minas Gerais com dados mais precisos.

Para o ano que vem, a Lei Orçamentária prevê déficit de R$ 11,4 bilhões, mas Zema acredita que o rombo pode ser maior. Em entrevista à CBN, disse que pode haver artifícios contábeis que mascarem os números. No domingo, afirmou à imprensa que pediria ajuda ao Tribunal de Contas do Estado para traçar um diagnóstico e evitar surpresas ao assumir em janeiro.

O déficit do estado é gerado pela Previdência, e Zema afirmou que caberá ao Congresso Nacional aprovar uma reforma para que haja mudanças também no estado. Ele afirmou que vai sentar com deputados e entidades de classe para discutir especificidades e aprovar algo justo, mas que obrigatoriamente haverá mudanças.

Desde 2016, Minas Gerais está em calamidade financeira. Os servidores estaduais recebem salário de forma parcelada e atrasada. O governo Pimentel deve às prefeituras cerca de R$ 9 bilhões, segundo a Associação Mineira de Municípios, em repasses para saúde, educação e outros serviços.

Por isso, o foco de Zema, que se elegeu pregando a plataforma liberal e antipolítica do Novo, é resgatar as finanças de "um estado doente terminal", como ele diz. Zema afirmou que precisará de ao menos dois anos para colocar salários em dia.

Três medidas

Com esse objetivo, o governador eleito definiu três propostas. A primeira, que será seu primeiro ato de governo ao assumir, conforme informou em entrevista à Rede Globo, será cortar gastos -o que ele próprio admite que não é suficiente para desafogar as contas públicas.

Além da redução de secretarias, Zema quer rever contratos que oneram o estado, economizar R$ 10 milhões ao ano em viagens e banquetes do governador, fundir empresas e cortar 80% dos cargos de indicação política. Segundo a secretaria do Planejamento, há hoje quase 4.000 funcionários comissionados não concursados.

Zema admitiu que as demissões são um ato impopular que afetará várias pessoas, mas prometeu preservar os servidores concursados. Em fala à CBN, ele deu a entender que não só o Executivo terá que economizar.

Segundo ele, sua eleição mostra um "anseio do mineiro por economia, por um estado que gaste menos". "É preciso unir forças, todos terem consciência de que todos nós vamos ter que fazer algum sacrifício e apertar os cintos. Espero medidas de economia de todos dentro do estado", disse.

A estimativa é que os cortes tragam "milhões por dia".

A segunda proposta é aumentar a receita sem aumentar impostos, criando um ambiente mais favorável a investimentos e à atração de empresas ao simplificar tributos e agilizar licenças ambientais, por exemplo. A ideia é gerar 150 mil empregos no primeiro ano.

A terceira medida é a renegociação da dívida com a União. Há cerca de dez dias, Franco esteve em Brasília para tratar do assunto com técnicos do Ministério da Fazenda. Zema criticou Pimentel por não ter feito a renegociação porque não aceitou as contrapartidas de austeridade exigidas pelo governo federal.

Zema afirmou que quer renegociar a dívida em termos muito bons de juros e prazo porque fará a "lição de casa de cortar despesas". O empresário alfinetou dizendo que o setor público não obedece a regra de ouro de gastar menos do que ganha e que ele terá disciplina fiscal e eficiência.

Em relação a privatizações de estatais, Zema voltou a dizer que está nos planos, mas não é prioridade. Só será feito de as empresas estiverem valorizadas, se houver aval dos deputados e se representar economia nos serviços de água e luz para o consumidor.

Zema terá dificuldade para aprovar propostas com uma bancada de três deputados do Novo na Assembleia. PT e PSDB, que foram adversários de Zema na eleição, têm juntos 17 deputados.

O governador eleito afirmou que ninguém governa sozinho e que buscará estar presente na Assembleia para dialogar com todos os partidos em prol da melhoria da economia de Minas.

Entrevistas

Ao contrário do primeiro turno, quando dedicou a segunda-feira seguinte para atender inúmeros veículos de imprensa, Zema se recolheu em reuniões nesta segunda e só falou à CBN, Rede Globo e GloboNews.

Ao ser questionado sobre tentar a reeleição daqui quatro anos, Zema foi evasivo. Disse que não tem essa pretensão, mas evitou descartar essa possibilidade. "Não tenho pretensão de fazer carreirismo político."

O estatuto do Novo permite reeleição uma vez para cargos do Executivo e do Legislativo.

 

Com Folha De São Paulo




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados