;
Menu

Sete Lagoas > Notícias > Política

Entrevista: Caramelo fala sobre desafios e metas na presidência da Câmara Municipal

Cláudio Henrique Nacif, o vereador Caramelo (PRB), foi eleito presidente da Câmara Municipal de Sete Lagoas no dia 1° de janeiro de 2017. Em seu segundo mandato, o parlamentar enfrenta o desafio de dirigir os trabalhos do Legislativo e representar os 17 vereadores no biênio 2017-2018.

Caramelo Nacif, presidente da Câmara Municipal de Sete Lagoas / Foto: Ascom CâmaraCaramelo Nacif, presidente da Câmara Municipal de Sete Lagoas / Foto: Ascom Câmara

Manipulação de pesquisa, divisão entre os vereadores e votos inesperados fizeram com que o período de campanha e o dia da votação para a presidência da Câmara fossem cheios de surpresas. A Mesa Diretora presidida por Caramelo acabou vencendo a oponente, de Marcelo Coorperseltta (PMDB), com dois votos de vantagem.

Confira a entrevista:

Como você lidou com todas as polêmicas antes e no dia da votação para a presidência da Câmara Municipal?

Caramelo: Primeiro eu tentei evitar a disputa o tempo todo, tentei construir um consenso, não foi possível, então nós fomos para o embate. Realmente, foi muito disputado. O meu adversário Marcelo Cooperseltta é muito bem articulado e um vereador muito forte. Para ser sincero, eu fui para a eleição preparado para perder e para ganhar, porque é a palavra da pessoa. Eu tinha quase certeza de oito votos, que foi um grupo que ficou comigo desde o início. Na hora da eleição, eu tive mais um voto do Rodrigo Braga (PV), que foi até uma questão partidária, o PV se reuniu e pediu para votar em bloco e ele cumpriu, e o voto do Zé da União (PSL), que foi uma surpresa para todos. Eu vinha conversando com o Zé durante o processo eleitoral, mas eu achava que, até por ele estar na outra chapa, eu não teria o voto dele. Acho que ele teve uma coragem ímpar. Da minha parte, passou a eleição, agora eu sou o presidente dos 17 vereadores e agora é trabalhar, que é o que a população de Sete Lagoas espera da gente.

Você foi eleito no domingo e na segunda-feira, 2 de janeiro, já assumiu as responsabilidades como presidente da Câmara. Em que condições isso aconteceu?

Caramelo: O ex-presidente Fabrício, vindo da iniciativa privada, deu um salto de qualidade na parte administrativa, então eu já peguei as coisas muito bem encaminhadas. Mas peguei alguns probleminhas normais da transição como a questão de pessoas, quem vai ficar, quem vai sair, a questão dos controles de patrimônio, as montagens e mudanças de gabinetes. Os primeiros 12 dias estão sendo de muito trabalho, chegando aqui cedo e saindo à noite. A gente se propõe a isso, foi para isso que fui eleito, e tem que concentrar nos projetos e na parceria com o Executivo para melhorar a vida dos cidadãos sete-lagoanos.

Como membro da antiga Mesa Diretora, presidida pelo vereador Fabrício Nascimento (PRB), o que você pretende dar continuidade da presidência anterior e o que pretende mudar?

Caramelo: Com certeza, até por ser da mesa dele e por achar que ele teve uma participação muito boa, vou dar continuidade às coisas boas e projetos que ele adotou aqui. Ele tem o perfil dele e eu tenho o meu. Eu tenho algumas metas como terminar o prédio da Câmara, que é essencial; tentar mudar a dinâmica da reunião, que é um modelo muito arcaico; a questão do concurso público, tem muitos anos que a Câmara não tem. São metas que eu e a minha mesa temos e que eu vou tentar colocar em prática.

Quais são as suas principais propostas na presidência?

Caramelo: São metas terminar o prédio da Câmara, mudar a dinâmica da reunião e fazer o concurso público. Essas três são essenciais. E também melhorar a transparência da verba indenizatória. Se eu conseguir colocar essas quatro coisas em prática, eu saio satisfeito do meu mandato. Outra coisa importante é o relacionamento com a imprensa, eu acho que uma das coisas que a mesa anterior pecou foi na questão da comunicação. Eu pretendo fazer uma licitação com agência para tentar melhorar a comunicação e dar oportunidade para todos os órgãos de Sete Lagoas.

Quais você acredita que serão os principais desafios na presidência?

Caramelo: O primeiro desafio é tentar melhorar a credibilidade da Câmara. E como é que se faz isso? Com ações, postura do presidente, dos vereadores, para melhorar. Eu fiquei até assustado com o apoio popular para minha presidência, então eu tenho certeza que a população espera isso da minha parte e não pretendo decepcionar.

Uma das suas metas é terminar a nova sede da Câmara. A que pé está a obra?

Caramelo: Eu assumi na segunda-feira e na terça-feira eu fiz uma reunião com o secretário de Obras e com a empresa responsável pela construção para a gente alinhar as coisas. A empresa colocou as dificuldades, a secretaria e a gente também. Tem outra marcada para fazer um cronograma de desembolso e de andamento das obras. Pelo relatório que eu recebi, está previsto para terminar o prédio em julho ou agosto. Vou lutar para isso, mas pela reunião, eu considero que vai terminar no final do ano. Eu não quero que atrase, nem que adiante, porque se ele adiantar ele vai me cobrar o pagamento e eu não vou ter. Nós já esperamos tanto tempo, o projeto é de 2007, tem 10 anos. Com certeza o prédio vai ser inaugurado na minha administração como presidente. Se isso não acontecer, eu vou sair daqui decepcionado.

Com relação às investigações dos empréstimos consignados concedidos aos servidores da Câmara, como será a sua postura?

Caramelo: A investigação está com o Ministério Público e a gente dando todo suporte. Eles pedem documentos, as pessoas já estão sendo ouvidas, já tem gente renegociando as dívidas. Tem também a questão do processos administrativo, que está na corregedoria do município, não foi retornado para a Câmara e nós estávamos mandando ofício cobrando isso. Eu visitei a procuradoria do atual governo e eles pediram para mandar o ofício novamente que eles vão enviar o relatório desse caso. Chegando aqui, eu, como presidente e mesa, vou dar continuidade normal, consultando a minha procuradoria para saber qual é o trâmite.

Como foi feita a escolha dos membros da Mesa Diretora?

Caramelo: Quando nós montamos o nosso grupo, o meu nome foi aceito como presidente e a gente discutiu as propostas. Depois eu perguntei quem tinha interesse em participar, algumas pessoas se manifestaram, e também dividimos pelos partidos que estavam participando do grupo. Foi uma boa conversa, houve um consenso. Acabou que a minha mesa ficou uma mesa muito experiente. Tem o Pastor Alcides, o Eurinho que já está aqui muitos anos, tem uma mulher para representar, que é a Marli, tem o Renato que é um cara muito tranquilo. Eu estou muito satisfeito com a minha mesa. Nós já reunimos duas vezes, toda decisão que eu tenho que tomar eu convoco eles.

Como você pretende manter o diálogo com os vereadores, considerando principalmente os impasses que surgem entre eles?

Caramelo: Este é um dos desafios que eu acho que o presidente tem de conduzir de forma igual para todos os vereadores. Esta foi uma promessa que eu fiz no discurso da posse e vou seguir a risca. O tratamento vai ser igual para todo vereador. Eu sei que sempre tem uma rusga aqui e outra ali e eu vou ter que entrar para conversar, é o meu perfil e vou fazer o máximo para que isso aconteça. De cara, já tive o desafio, porque a disputa foi muito acirrada, então eu já procurei o próprio Marcelo e os vereadores. Acabou a eleição, agora a gente tem que trabalhar é por Sete Lagoas.

Como está a relação com o Executivo?

Caramelo: Muito boa. Eu falei com Leone que a Câmara vai ser parceira, lembrando da independência dos poderes, claro. Ele também é de diálogo, então já conversamos. Já tive duas reuniões com ele e com a procuradoria. Já fui convidado pela Conselho de Cultura, que é uma coisa que a gente tem que entrar, porque os espaços públicos estão fechados. A reunião foi muito positiva e o Gutemberg, que está respondendo pela pasta, prometeu solução rápida para a reabertura desses espaços, que é o mais importante.

O que o povo pode esperar do Caramelo presidente da Câmara?

Caramelo: Dedicação total. A responsabilidade do cargo é muito grande, mas eu vou fazer o esforço que for possível para fazer uma boa administração, porque eu tenho certeza que quem ganha é a cidade. Buscar novidades, tentar incentivar a participação popular, que é um problema que a gente tem - tanto as pessoas virem, como também o espaço físico-, por isso a importância da construção do prédio novo. Mas a população pode esperar que trabalho, esforço e dedicação não vão faltar.

Logo no segundo mandato você já alcançou a presidência, o que você planeja para o futuro?

Caramelo: Há pouco tempo eu estava na militância, virei vereador e logo depois presidente da Câmara. Foi muito rápido isso, a responsabilidade é muito grande. Nesse momento, eu penso em fazer um bom mandato como presidente, com dedicação total. O futuro político a gente pensa lá na frente. Eu tenho ideia de um ciclo no Legislativo terminar com esse mandato, porque eu acho que em dois mandatos já vou dar a minha contribuição para a cidade. Se eu quiser continuar na política, vou tentar galgar outros cargos e outras coisas, porque eu acho que a renovação é importante para dar oportunidade para outras pessoas com outras ideias para a cidade crescer.


Por Marcelle Louise