Menu

Sete Lagoas > Notícias > Política

Prefeitura admite que não paga salário ideal, mas o possível

A Prefeitura Municipal de Sete Lagoas, por meio do Prefeito Mário Márcio Campolina Paiva, concedeu aos servidores públicos municipais uma revisão anual relativa ao salário, ou seja, um reajuste através de projeto de lei encaminhado para a Câmara Legislativa e aprovado por todos os vereadores, no último dia 03 de maio.

Apesar do reajuste salarial concedido estar abaixo do merecido pelos servidores, a realidade de Sete Lagoas mostra-se ainda mais favorável do que na grande maioria dos  municípios mineiros. Em muitas cidades do país não houve o reajuste previsto para a data base e muito menos aumento salarial. De acordo com o Prefeito Maroca, este percentual só foi possível com as reduções de custeios conseguido pela administração, em todas as secretarias e autarquias.

Neste contexto, surgiram algumas dúvidas por parte do funcionalismo. Por isso, a Prefeitura vem esclarecer:

Primeiramente, é importante lembrar que os servidores receberam um abono salarial referente a fevereiro, março e abril, com o objetivo de igualar o salário dos servidores municipais ao salário mínimo legal, já que este sofreu o reajuste antes da data base dos servidores deste município que ocorre em 1o. de maio.

Por quê apenas para estes três meses? Este abono estava previsto apenas para os meses citados, pois após o mês de maio, data base do servidor, com o reajuste de 7%, o salário de todo o funcionalismo público superou o valor do salário mínimo legal e a decisão foi também aprovada pela Câmara Legislativa. 
Após este período, na data base do servidor, a Prefeitura concedeu os 7% de aumento, percentual este que possibilitou a necessária recomposição e ainda um aumento salarial de todos os servidores municipais, exceto do Prefeito, Vice-Prefeito e dos Secretários, de forma, novamente, a minimizar as perdas, com referência aos índices de correção do país.

Além disso, a Prefeitura estabeleceu que ninguém, no funcionalismo, terá uma remuneração inferior a R$ 500,00 (quinhentos reais). Importante ressaltar que remuneração significa a composição do salário-base mais as vantagens pessoais. Por exemplo, se uma funcionária recebe, mesmo com os 7%, uma remuneração inferior a R$ 500 reais, a Prefeitura concederá a esta funcionária, um abono salarial que atinja o mínimo estabelecido pelo Executivo. Tendo sempre como objetivo o digno reajuste do poder aquisitivo dos servidores municipais.

“Vale lembrar que este não é o aumento que idealizamos para o funcionalismo. Mas foi o possível dentro da realidade que o município vive, nesse contexto de perda na arrecadação. Nosso objetivo é continuar construindo a cidade que todos os sete-lagoanos querem, com projetos para a população, valorizando os servidores”, confirma o Prefeito Maroca. A administração municipal também tem como uma de suas principais metas contribuir para o avanço na discussão do Plano de Carreira e Vencimento de todo o funcionalismo municipal.

Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Sete Lagoas

Links patrocinados