Menu

Minas tem dois casos confirmados de Zica Vírus, um em Curvelo e outro em Ubá

 A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) confirmou nesta quinta-feira (14), dois casos de Zika Vírus no estado. Um dos casos é de uma gestante, residente no município de Ubá, e o outro de um bebê, nascido no mês de dezembro de 2015 e residente em Curvelo. Com isso, confirma-se a circulação do Zika Vírus no Estado. A SES-MG já fez contato com os dois municípios e com as respectivas regionais de saúde para monitoramento das situações, que envolve realização de exames complementares.

Segundo o superintendente de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e Saúde do Trabalhador da SES-MG, Rodrigo Said, as ações de prevenção e controle do mosquito Aedes aegypti, que já estão em execução, intensificam-se a partir desse momento em que é confirmada a transmissão no estado de mais uma doença pelo vetor.

“Temos que ter em mente que não se trata de uma ação unilateral, de responsabilidade apenas do poder público. A participação da população é fundamental nesse processo, uma vez que elas podem auxiliar com a mobilização e com as atividades de controle, inclusive estando atenta aos criadouros do vetor em seus domicílios”, acrescenta.

Coletiva com o  superintendente de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e Saúde do Trabalhador da SES-MG, Rodrigo Said/ Foto: Marcelo Sant’Anna/Imprensa MGColetiva com o superintendente de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e Saúde do Trabalhador da SES-MG, Rodrigo Said/ Foto: Marcelo Sant’Anna/Imprensa MG

 Sete Lagoas registrou mais de dois mil casos de notificações da Dengue em 2015, um aumento de 1471 casos em relação aos números de 2014. De acordo com o último boletim divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde, de janeiro a dezembro de 2015 foram notificados 2103 casos – mais que o dobro dos 632 registrados em 2014, o que representa um aumento de 232,75%. (Veja a matéria completa-clique AQUI)

Entenda os casos de Zica

O bebê nascido em Curvelo apresentava 32 cm de perímetro cefálico (crânio), limite definido pelo Ministério da Saúde para triagem e identificação de bebês possíveis portadores de microcefalia. Este procedimento consta no “Protocolo de Vigilância e Resposta à Ocorrência de Microcefalia Relacionada à Infecção pelo Vírus Zika”. No entanto, como ele nasceu com 46 cm de comprimento e 2.915 kg, tamanho considerado pequeno pelos padrões, o crânio de 32 cm de perímetro pode ser considerado proporcional ao corpo da criança. Mais exames estão sendo realizados para confirmar o diagnóstico.

 Já a gestante residente em Ubá apresentou sintomas do Zika Vírus no mês de dezembro, como hiperemia conjuntival (olhos vermelhos) sem secreção e sem coceira, artralgia (dores nas articulações), exantema maculo-papular (manchas ou erupções na pele com pontos brancos ou vermelhos), dores musculares, dor de cabeça e dor nas costas. O caso também segue em investigação (para saber se o bebê também apresenta microcefalia) e acompanhamento da gestante. 

Situação epidemiológica

Até o momento, 55 casos de microcefalia (associadas ou não ao zica vírus) foram notificados no estado. Desses, 36 foram descartados para associação ao Zika Vírus e 17 permanecem em investigação. Todos os casos seguem o Protocolo de Vigilância e Resposta à Ocorrência de Microcefalia Relacionada à Infecção pelo Vírus Zika, do Ministério da Saúde, esse protocolo recomenda busca ativa de mulheres em idade fértil e com suspeita de gravidez, além da ampliação ao acesso a testes rápidos.

O protocolo de atendimento envolve mulheres em idade fértil, gestantes e puérperas e recém-nascidos com microcefalia. Os dois casos confirmados se encaixam nesse cenário, sendo um deles uma gestante, com confirmação do Zika Vírus, e outro um bebê, também com a confirmação do Zika Vírus.

 Já com relação ao Zika Vírus, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais trabalha com 46 casos notificados até o momento. Desses, 8 foram descartados por exames laboratoriais e 38 permanecem em investigação. Os casos estão de acordo com o Protocolo de Implantação de Unidades Sentinelas para Zika Vírus e excluem os casos de recém-nascidos com microcefalia, mães de recém-nascidos com microcefalia e gestantes.
 
Minas tem dois casos confirmados de Zica Vírus, um em Curvelo e outro em Ubá/ Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos PúblicasMinas tem dois casos confirmados de Zica Vírus, um em Curvelo e outro em Ubá/ Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Ações em andamento


O Governo criou, no final do mês de dezembro, o Comitê Gestor Estadual de Políticas de Enfrentamento à Dengue, Chikungunya e Zika Vírus, que tem como objetivo fomentar ações para o controle do mosquito Aedes aegypti, diminuindo assim a incidência das doenças no estado. Nesta terça-feira (12), ocorreu a primeira reunião do grupo, liderado pelo vice-governador, Antônio Andrade e com a Secretaria de Estado de Saúde à frente da secretaria executiva. Representantes de 17 secretarias e instituições do Estado também participaram do encontro.

 Já nesta quinta-feira (14), o Comitê reuniu prefeitos e representantes dos cinco municípios em situação de risco no Estado: Ubá, Governador Valadares, Coronel Fabriciano, Pará de Minas e Bom Despacho. O secretário de Estado de Saúde, Fausto Pereira dos Santos, também participou da reunião.

Durante o encontro, os prefeitos trocaram informações sobre as estratégias de combate ao Aedes aegypti e receberam recomendações dos integrantes do Comitê, que envolvem o planejamento integrado das ações de prevenção e controle do vetor, a organização de serviços de saúde e o reforço às atividades intersetoriais, como mutirões de limpeza e ações em imóveis abandonados.

 Até o momento, o Governo de Minas já liberou um total de R$ 66 milhões para os municípios. O objetivo é incentivar a qualificação das atividades de vigilância e controle de endemias transmitidas por vetores e desenvolver ações de redução dos riscos das três doenças.

 O vice-governador e o secretário de Estado de Saúde ainda apresentaram as próximas ações do Comitê, que serão executadas visando o envolvimento da população e à divulgação da campanha de mobilização do Estado:
 
- Reunião com 3.600 novas diretoras e novos diretores de escolas estaduais;
- Encontro com os presidentes dos 48 consórcios de saúde de Minas Gerais;
- Reunião com prefeitos de todo o Estado, a ser realizada juntamente com a Associação Mineira de Municípios (AMM).

Com Agência Minas



Publicidade
Publicidade

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar