Menu

Coluna / Álvaro Vilaça / Tempo Esportivo / Democrata perde mais uma em casa e volta para a zona de rebaixamento

A Seleção Brasileira de futebol vive um de seus piores momentos da história. Nos últimos dez anos, apenas um título: A extinta Copa das Confederações de 2013. A falta de craques nos últimos anos fez o nosso time ser muito dependente de Neymar para ter efetividade ofensiva, porém o jogador vem numa sequência de lesões e de descrédito com o torcedor e com a mídia esportiva internacional. Como superar a ausência da principal estrela do time em um momento decisivo tão ruim como o atual? A pergunta, certamente, ronda a cabeça de Tite desde a nova lesão que tirou Neymar dos amistosos de preparação para a Copa América aqui no Brasil. Se buscasse no passado, exemplos não faltariam para que o treinador se encorajasse para a escalação de outros atletas. Nenhum é mais emblemático que o de 1962.

Foto: Reprodução InternetFoto: Reprodução Internet

No ano em questão, aos 21 anos, o Brasil viu o maior jogador da história, que já era o Rei do futebol, sair de cena. Pelé vivia o melhor momento da carreira naquela que tinha tudo para ser sua melhor Copa, interrompida por uma distensão na virilha, ainda no segundo jogo da primeira fase, contra o México.

A diferença é que, no passado, e não apenas em 1962, a Seleção Brasileira não era palco de artista solo. Mesmo sem Pelé, o bicampeonato mundial veio com brilhantismo. Pelé remete a Garrincha, Vavá, Didi, Nilton Santos. Romário a Bebeto. Ronaldo a Rivaldo, Ronaldinho, Kaká. Zico a Sócrates, Falcão e cia. Já a geração atual, cujo protagonista é o controverso jogador do PSG da França, está escassa de bons valores e o que se vê é a Seleção Brasileira cada vez mais previsível, sem vibração, sem inspiração e com pouca ou nenhuma produtividade ofensiva.

Para muitos torcedores de times, o futebol brasileiro, como um todo, vive um dos piores momentos da história. A dificuldade financeira dos clubes, aliada à falta de revelação de talentos nas categorias de base, deixam o nosso futebol cada vez mais pobre. Um ótimo exemplo recente, foi a participação melancólica do Brasil no Campeonato Sul-Americano Sub-20 no Chile, onde o time sequer conseguiu terminar o hexagonal final entre os quatro primeiros colocados, ficando, pela segunda vez consecutiva, fora do mundial da categoria. A condição de lanterna num torneio que tinha Venezuela, Equador e Bolívia, dentre outros, mostra o que está acontecendo com o futebol de base do nosso país.

Devemos, sim, cobrar um futebol melhor dos times brasileiros. A Copa do Mundo no Brasil e depois na Rússia fizeram com que a torcida brasileira percebesse que passamos a jogar um futebol burocrático, de chutões e cruzamentos. Nada que lembre o passado brasileiro e que seja condizente com a qualidade do nosso atleta.

A Copa América será realizada aqui no Brasil, entre junho e julho. O futebol é muito dinâmico e uma verdade hoje pode não prevalecer para daqui a dois meses, mas as perspectivas de momento são muito ruins e o desalento em cima da Seleção Brasileira está cada vez maior!

Democrata perde mais uma em casa e volta para a zona de rebaixamento

O final de semana foi totalmente desastroso para o Democrata de Sete Lagoas. A derrota em casa, para o Democrata de Governador Valadares, aliada aos outros resultados da 7ª rodada, fez com que a equipe voltasse à zona de rebaixamento do Campeonato Mineiro do Módulo II.

Além do tropeço na Arena do Jacaré, o Democrata foi muito prejudicado com o triunfo do Ipatinga, que derrotou o Athletic por 1 a 0 no Vale do Aço. O placar só foi conquistado na prorrogação, aos 46 minutos do segundo tempo, com Erick; antes disso, Elisson salvou a equipe da casa defendendo pênalti.

Com o resultado, o Ipatinga foi a cinco pontos, mesma pontuação do Democrata, mas passou a ter vantagem no critério saldo de gols, deixando a posição da degola para o Jacaré.

Apesar da vitória da Pantera por 2 a 0, o jogo em Sete Lagoas foi bem acirrado. O time visitante começou o jogo mais recuado e chegou a cometer alguns erros defensivos, com alguns jogadores ansiosos na definição das jogadas. Em contrapartida, a equipe do Democrata Jacaré partia para o ataque e aproveitava a desorganização da Pantera. O goleiro do Democrata GV salvou em vários momentos, com boas defesas.

No segundo tempo, a Pantera voltou mais concentrada. Em uma boa troca de passes, Victor Valle bateu firme com a perna direita, marcando um golaço e abrindo o placar do jogo a favor da Pantera. O gol foi um gol muito duro para o Jacaré e o fator emocional passou a fazer parte do jogo. Melhor para a Pantera, que passou a dominar a partida. Demorou um pouco, mas o segundo gol do Democrata GV saiu. Aos 46, Erick Gladiador aproveitou o contra-ataque e recebeu na área só para empurrar para dentro do gol e decretar a vitória da Pantera.

Nos outros jogos da rodada, o principal destaque ficou por conta do Coimbra, que segue mandando suas partidas na Arena do Jacaré: O time, que conta com atletas de vários empresários, venceu o Uberaba por 3 x 0, mantendo a liderança da competição, agora com 17 pontos. Em nova Serrana, Serranense e Nacional de Muriaé empataram em 0 x 0 e em Uberlândia, o time da casa venceu mais uma e manteve a vice-liderança do campeonato: Desta vez, a vítima do Uberlândia foi o América de Teófilo Otoni: 1 x 0.

Após sete rodadas, a classificação do Campeonato Mineiro do Módulo II é a seguinte:

Fonte: FMFFonte: FMF

A oitava rodada tem os seguintes jogos agendados:
Sábado:
15:00 – Athletic x Coimbra – São João Del Rey
18:30 – Uberaba x CAP de Uberlândia – Uberaba
19:00 – Tricordiano x Ipatinga – Três Corações (jogo cancelado)

Domingo:
10:00 – América x Serranense – Teófilo Otoni

Segunda-feira:
20:00 – Nacional x Democrata-SL - Muriaé
20:00 – Democrata-GV x Uberlândia – Governador ValadareS

O Módulo II do Campeonato Mineiro apresenta uma grande novidade em 2019: Todos os jogos estão sendo transmitidos ao vivo, via streaming, com links disponibilizados no facebook da FMF (Federação Mineira de Futebol).

FIFA e calendário do futebol brasileiro desafiam clubes que estão em várias competições simultâneas

Quando foi divulgado o calendário esportivo para o futebol brasileiro em 2019, os clubes sabiam que a temporada seria muito desafiadora. Somente com a aplicação de quantias vultuosas para a montagem de elencos encorpados é que os times poderiam sonhar com conquistas ao longo do ano.

As datas FiFA’s, incluindo a Copa América, seguem complicando a preparação e o calendário dos clubes. A sequencia de participações simultâneas em duas ou até três competições deixa as equipes com chances reduzidas de disputarem em alto nível todos os campeonatos e, de certa forma, os obriga a terem que optar por este ou aquele torneio.

As duas primeiras datas de jogos da Seleção Brasileira, por exemplo, invadiram os campeonatos estaduais e as duas últimas, programadas para novembro, serão próximas à final da Copa Libertadores da América, que este ano será decidida em jogo único no Chile, num sábado, 23 de novembro.

Durante a Copa América, de 14 de junho a 07 de julho, o Campeonato Brasileiro será interrompido, razão pela qual o volume de jogos no segundo semestre será ainda maior do que em 2018. Haja plantel e estrutura logística para conseguir atender a todos os compromissos marcados dentro e fora do país.

Contudo, como estão reféns dos patrocinadores e das cotas de televisão, os clubes não têm muito que fazer e são “obrigados” a aceitar as regras impostas por quem banca este onerado futebol profissional na América do Sul.

A título de lembrança, segue o calendário definido e divulgado pela CBF no final do ano passado:
Estaduais: 20 de janeiro a 21 de abril
Copa do Brasil: 06 de fevereiro a 11 de setembro
Copa Libertadores: 06 fevereiro a 23 de novembro
Copa Sul-Americana: 06 de fevereiro a 09 de novembro
Brasileirão Série A: 28 de abril a 12 de junho
Brasileirão Série B: 27 de abril a 11 de junho
Brasileirão Série C: 28 de abril a 06 de outubro
Brasileirão Série D: 05 de maio a 18 de agosto
Copa América: 14 de junho a 07 de julho
Brasileirão Série A (2º sem.): 14 de julho a 08 de dezembro
Brasileirão Série B (2º sem.): 13 de julho a 30 de novembro
Mundial de Clubes: 12 de dezembro a 21 de dezembro

Álvaro Vilaça é formado em Comunicação Social e Marketing, apresentador de TV, ex-narrador e ex-repórter esportivo da Rádio Inconfidência de Belo Horizonte, Diretor de Programação e Coordenador de Esportes da Rádio Eldorado e do Jornal Hoje Cidade. Também é o responsável pela coluna de Esportes do Jornal Notícia e é professor de Negociação, Compras e Marketing das Faculdades Promove de Sete Lagoas. Pós-Graduado em Administração e Marketing.




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados