Menu

Entenda como o álcool afeta o funcionamento do corpo mesmo quando ingerido em pouca quantidade 

Não existe um limite seguro de álcool no corpo para quem vai dirigir. Qualquer quantidade ingerida, por mínima que seja, diminui os reflexos e afeta as condições normais de direção. Além disso, o álcool diminui o tempo de reação, concentração e percepção.
 
Não existe um limite de seguro de álcool no corpo para quem vai dirigir — Foto: Giovanna Gomes / Unsplash / DivulgaçãoNão existe um limite de seguro de álcool no corpo para quem vai dirigir — Foto: Giovanna Gomes / Unsplash / Divulgação
O tempo de reação é o momento em que você detecta o obstáculo e pressiona o freio do carro. Na pessoa sóbria, esse tempo é de até um segundo. Quando ela está embriagada, pode subir para até dois segundos.
 
"O cérebro é todo atingido pela onda do nível de álcool, mas tem algumas regiões que são mais sensíveis, como o cerebelo, que é justamente o controle da parte de equilíbrio", explica o neurologista Fernando Morgadinho.
 
O neurologista também aponta que outra região do cérebro afetada é a frontal, a região da decisão.
 
"Quando você decide se vai dar para ultrapassar o outro carro ou não, ela é importante. Se você somar uma decisão errada ou mal adequada com uma dificuldade de coordenação, você então tem um acidente com risco para você e para os outros", analisa o especialista.
 
Como diferentes concentrações de álcool afetam a capacidade de direção?
 
Os efeitos da concentração de álcool no sangue
 
Concentração de álcool no sangue (%) Efeitos previsíveis na direção
 
0,02% Funções visuais diminuem; Redução da capacidade de fazer duas coisas ao mesmo tempo (atenção dividida)
0,05% Coordenação reduzida; capacidade reduzida de rastrear objetos em movimento; resposta reduzida a situações de direção rápida; dificuldade de direção
0,08% Diminuição da concentração; perda de memória de curto prazo; perda do controle da velocidade; redução da capacidade de processar informações (capacidade de ver placas ou sinalizações); diminuição da percepção
0,10% Redução da capacidade de ficar na mesma pista da estrada e parar corretamente
0,15% Incapacidade substancial para controlar o veículo, prestar atenção às funções de direção e processar informação visual e auditiva
Fonte: Administração Nacional de Segurança no Tráfego Rodoviário (NHTSA)
 
Como a substância age no corpo e qual a diferença para homens e mulheres?
 
Karina Possa Abrahão, pesquisadora de neurociências da Unifesp que estuda os efeitos do álcool no cérebro, acrescenta que logo quando a substância é ingerida e passa pela mucosa da boca, do esôfago e do estômago, ela já começa a agir nos mais diversos órgãos do corpo e modificar as nossas células.
 
Mas isso não quer dizer que ele vai causar danos logo de cara.
 
"Tudo o que a gente come, até mesmo o açúcar vai modificar o nosso corpo", explica a pesquisadora.
 
Segundo o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, o NIAID, um padrão de intoxicação pesada para o álcool (chamado de padrão binge) é o equivalente a 4 doses ou mais para mulheres e 5 para os homens em duas horas.
 
Essa diferença, explica a especialista, ocorre porque o álcool fica muito concentrado na gordura do corpo.
 
"Então é por isso que as mulheres, mesmo bebendo menos, às vezes ficam mais intoxicadas. Porque o corpo da mulher tem mais gordura", ressalta.
 
E uma dose é o equivalente a uma lata de cerveja ou meia taça de vinho.
 
"Então, se a pessoa começa a ingerir nessa quantidade e nesse período, [o álcool] altera o cérebro, o comportamento, e se isso for algo recorrente, esse padrão binge pode alterar o cérebro de maneira persistente", alerta Karina.
 
Ainda de acordo com o NIAID, em adolescentes, esse padrão de consumo é ainda mais preocupante porque pode afetar o desenvolvimento cerebral e causar déficits persistentes nas funções sociais, de atenção, memória e outras funções cognitivas.
 
De uma forma geral, ao longo do tempo o consumo excessivo contribui para problemas no fígado e outras doenças crônicas, bem como aumenta o risco de vários tipos de câncer, incluindo câncer de cabeça e pescoço, esôfago, fígado, mama e colorretal.
 
Com g1
 


Publicidade

Links patrocinados MGID