Menu

Calsete: 50 anos de empreendedorismo e geração de empregos

Calsete completa 50 anos — Foto: Marco CruzCalsete completa 50 anos — Foto: Marco Cruz

Constituída no papel em 1968 e com início das operações em 1970, a Calsete completa 50 anos neste 7 de março. O nome escolhido faz referência às jazidas de calcário e à cidade de Sete Lagoas. No início, o objetivo da empresa era a produção da cal virgem, a partir da sua matéria prima, o calcário, para atender o segmento da produção de aço — para produzir 1 mil quilos de aço são consumidos 50 quilos de cal.

Com apenas dois anos de operação, já era construída a segunda unidade de produção da Calsete. Devido ao aumento da produção, foi necessária a contratação de novo pessoal para operar o segundo alto forno. Porém, não havia mão de obra masculina disponível. “Nós tivemos que passar a utilizar mão de obra feminina na área da produção, o que não era comum. Fomos pioneiros nesse sentido”, destaca o presidente Antônio Pontes.

Em 1973, Antônio Pontes era sócio minoritário e resolveu vender seus 10% para os sócios majoritários. “Mas houve uma mudança radical na minha vida naquela oportunidade: ao invés de vender minha parte, comprei os outros 90% dos sócios-capitalistas sem ter um centavo sequer”, lembra o presidente.

A compra só foi possível graças ao então diretor presidente do extinto Banco Agrícola de Sete Lagoas, Márcio Alves Costa, que liberou o financiamento necessário. “Fui abençoado naquele momento. Chamei, então, meu irmão Leonídio Pontes, a Maria Auxiliadora e o Francisco L’Abbate para constituirmos a Calsete”, conta. “A Calsete foi se desenvolvendo, e a trajetória de lá até hoje é bastante extensa, mas sempre com o mesmo objetivo: empreender e gerar empregos para nossos semelhantes”, acrescenta.

O presidente Antônio Pontes Fonseca e a diretora Maria Auxiliadora Matos de Melo estão à frente da empresa desde 1973 — Foto: Alan JunioO presidente Antônio Pontes Fonseca e a diretora Maria Auxiliadora Matos de Melo estão à frente da empresa desde 1973 — Foto: Alan Junio

Para a diretora Maria Auxiliadora, os 50 anos da Calsete são um misto de alegria e satisfação. “A Calsete é uma família, temos colaboradores que estão aqui desde a sua constituição. Somos uma equipe, e nosso sucesso se deve à dedicação, ao esforço e ao respeito de cada um destes colaboradores”, comemora.

A diretora também salienta a participação de Leonídio Pontes e Francisco L’Abbate, além de João Paulino e Abeylard Silva Santos, que constituíram a Minerasete, primeira fornecedora de calcário da Calsete. “Todos eles também colaboraram muito para o grupo ser o que é hoje”, considera.

Ao longo dessas cinco décadas, outros empreendimentos foram constituídos, formando o Grupo Calsete, que já gerou cerca de 3.700 empregos diretos. Entre os empreendimentos estão Calsete Indústria de Calcinação, Calsete Empreendimentos, Cifercal, Calsete Siderurgia, Agro-Florestal Calsete, Calsete Rural e Energética, Posto Diamantinense, Minerasete, Calcinação Itacolomi e Della Volpe Conexão Rodoferroviária.

Com isso, além da cal, o Grupo Calsete passou a produzir ferro gusa, que era carregado no Centro da cidade até 1979, quando foi inaugurado o Terminal Ferroviário. A construção foi realizada pela Calsete, com autorização do então prefeito Afrânio Avelar, contribuindo para economia e infraestrutura de Sete Lagoas e região.

“De lá até hoje, [o Terminal Ferroviário] tem prestado grandes serviços para o transporte não só de produtos de Sete Lagoas como de toda a região. Hoje, por exemplo, é transportada madeira para o Espírito Santo para a produção de celulose”, exemplifica Pontes.

Outro empreendimento do qual se orgulham os diretores da Calsete é a Calmit, construída em parceria com a fabricante japonesa de carros e caminhões Mitsubishi, que foi vendida, posteriormente, ao Grupo Votorantim.

“Construímos vários empreendimentos que hoje não nos pertencem mais, como o Posto Castelo, que funciona até hoje, muito bem localizado e administrado. Eu me sinto realizado em poder, já aos 80 anos, juntamente com a diretoria da Calsete, criar empreendimentos para gerar empregos”, afirma.

Maria Auxiliadora: mulher, mãe, profissional e escritora

O Dia Internacional da Mulher é celebrado neste domingo, 8 de março. Grande parte do sucesso da Calsete se deve às mulheres que se dedicaram e se dedicam à empresa. O destaque é a diretora Maria Auxiliadora, que ingressou na Calsete como contadora. Convidada por Antônio Pontes para integrar a diretoria em 1973, ela é a única mulher, até hoje, a presidir a Associação Comercial e Industrial de Sete Lagoas (ACI).

A diretora da Calsete Maria Auxiliadora é contadora, psicóloga e escritora — Foto: Arquivo pessoalA diretora da Calsete Maria Auxiliadora é contadora, psicóloga e escritora — Foto: Arquivo pessoal

Psicóloga por formação, Maria Auxiliadora afirma que adora a clínica, mas que a prioridade é a Calsete. “Hoje não exerço a psicologia clinicamente — na vida da gente a gente sempre está vivendo a psicologia. Fico muito realizada com o desenvolvimento e crescimento da Calsete, graças ao esforço primordial do Antônio, que tem uma dinâmica de trabalho fantástica, e dos demais que fizeram com que a empresa seja o que é hoje, que inscreveram seus nomes com letras de ouro no livro de história da Calsete”, elogia.

Além de contadora e psicóloga, Maria Auxiliadora é poetisa e cronista. Integrante da Academia de Letras de Sete Lagoas, ela diz que adora escrever. “Eu escrevi crônica durante uns dez anos para o jornal Boca do Povo, eu tinha uma coluna lá”, conta.

A diretora define sua escrita como suave e poética. “Minhas crônicas eram sempre muito leves, contrastando até com a política do jornal. Eu gosto de fazer um contraponto, uma coisa mais suave”, afirma.

Nesse caminho, Maria Auxiliadora tem dois livros publicados: um de poesias e outro de crônicas. Ela conta que a iniciativa de publicar não partiu dela, mas de amigos que viram potencial em seus textos. “Foi o Paulo Dias, que era muito meu amigo e artista plástico. Um dia ele pegou minhas poesias da gaveta, selecionou, fez a capa, foi à editora e me trouxe o livro pronto. O outro foi o Pedro Maciel Júnior; ele fez a mesma coisa”, lembra.

“Minha vida são meus dois filhos. Sempre incentivei a Denise nesse sentido das artes e educação, e ela instalou a Faculdade Ciências da Vida, é uma guerreira. Já meu filho, Breno Afonso, trabalha aqui conosco na Calsete, sempre muito responsável”, orgulha-se.

Entre os hobbies de Maria Auxiliadora também estão a música, cinema, literatura e viagens, além do coral da Faculdade Ciências da Vida.

Legado

Luiz Otávio Fernandino Fonseca (Diretor do Grupo Calsete)

“É uma realização muito grande fazer parte desta empresa familiar que começou com meu pai; desde 1970 uma história de trabalho. É uma satisfação enorme integrar esta equipe. Trata-se de uma empresa que vem crescendo e se desenvolvendo mesmo passando por todos os percalços gerados pela própria economia do país. A Calsete é um grupo que tem conceitos, propriedade e modo de operação que garantem sua solidez durante todos esses anos”.

June Maria Fernandino Fonseca (Grupo Calsete)

“Acompanho meu pai desde criança, e pra mim é gratificante estar ao seu lado na comemoração dos 50 anos da empresa. Aprendi muito com ele e carregarei por toda minha vida este exemplo; trata-se de uma pessoa de coração gigante. A Calsete é uma referência na geração de empregos, desenvolvimento e apoio a importantes causas sociais que refletem na vida de toda a cidade”.

Leonídio do Carmo Fonseca (Diretor Financeiro da Calsete)

“Estou aqui há sete anos como sucessor do meu pai, que faleceu em 2013. Saí do setor de prestação de serviços e vim para a indústria. A satisfação é muito grande e aprendi muito durante esse tempo, principalmente com o senhor Antônio Pontes e a experiência que carrega. Aqui é uma família e me sinto parte dela. Só tenho a agradecer”.

Breno Lanza Moura (Engenheiro de Formação)

“Ingressei no Grupo Calsete em 1989 e me sinto muito orgulho de fazer parte deste time. Nesta ocasião de comemoração dos 50 anos da empresa quero parabenizar os sócios fundadores pela coragem, pela determinação, ética e responsabilidade social. E aos demais colaboradores pela dedicação e empenho para que a Calsete chegasse a esse marco”.

Régis Lorenzo G. Cabral (Assessor Agropecuário Calsete)

“Agradeço ao senhor Antônio pela confiança durante todos esses anos e a oportunidade de me relacionar com pessoas de diversos segmentos com as quais realizamos importantes transações nas áreas da pecuária e agricultura. Parabenizo a Calsete por esta data tão significativa; que ela possa ser comemorada por muitos mais anos através dos seus sucessores”.

Evair Brion Cardoso (Coordenador de Mineração e Suprimentos)

“Comemorar os 50 anos do Grupo Calsete é comemorar o resultado de muito trabalho e dedicação. E fazer parte da equipe é muito gratificante e desafiador. Agradeço em especial ao senhor Antônio Pontes pela oportunidade que me foi dada e, com seu exemplo, me fez crescer pessoalmente e profissionalmente”.

Adriana Márcia do Carmo Fonseca (Controladoria Grupo Calsete)

“Quero primeiro agradecer a Deus por chegarmos a esta marca com muito trabalho e dedicação, e parabenizar a família Calsete por estes 50 anos. Sinto-me muito bem e gosto de trabalhar aqui, já são 24 anos de empresa e outros três na Calmit. Destaco nessa trajetória os trabalhos sociais, como as ações voltadas para o Hospital Nossa Senhora das Graças. É uma satisfação fazer parte da família Calsete”.

Breno Afonso Matos de Melo (Gestor da Calsete Concreto)

“A maior recompensa pelo trabalho não é o que se ganha, mas o que se torna através dele. Foi assim desde a minha adolescência, quando aqui cheguei para aprender a trabalhar. Tenho recebido da Calsete as melhores lições de como me tornar um bom profissional e um ser humano na melhor expressão da palavra. Nos seus 50 anos a Calsete tem sido uma escola de vida para todos que aqui chegaram”.

Maria das Graças (Colaboradora há 43 anos)

“Neste momento de comemoração o sentimento é de amor, carinho e muita amizade por esta família chamada Calsete. É uma empresa que apoia o funcionário constantemente, e isso é recíproco; com o passar do tempo agregamos os valores da empresa à nossa vida e ao nosso dia a dia. Já aposentei, só falta parar, mas essa não é minha vontade”.

Joventino Moreira de Souza (Colaborador há 44 anos)

“Passei por diversos setores e considero aqui como minha casa. Foi meu primeiro emprego, pelo qual adquiri casa própria e, com o meu salário, consegui criar meus três filhos. Aposentei, fui chamado novamente e, enquanto tiver saúde, continuarei trabalhando, mas só aqui — em nenhum outro lugar mais. Senhor Antônio Pontes foi um pai para mim e a Calsete uma família”.

Hércules Greco (Coordenador Administrativo Margusa Maranhão Gusa S/A)

“Foram muitos os desafios até chegarmos a este marco, mas hoje completamos 50 anos de muitas lutas e vitórias. Parabéns ao Grupo Calsete, um divisor de águas na história do desenvolvi- mento de Sete Lagoas e também em nossas vidas”.

Conteúdo de responsabilidade do anunciante




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados