Menu

Intoxicados por cerveja correm risco de morte ou podem ter sequelas, afirma SES

Os 14 pacientes internados com suspeita de intoxicação pela substância química dietilenoglicol (DGE) estão em estado grave e correm risco de morte. A informação foi divulgada, na manhã desta sexta-feira (17), pela Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais (SES/MG).

Foto: ReproduçãoFoto: Reprodução

Conforme a pasta, as vítimas, que possivelmente foram intoxicadas após a ingestão de cervejas da marca Belorizontina, podem ficar com sequelas permanentes. “Esse tipo de intoxicação é raro e pouco estudado na literatura médica", admitiu Virgínia Andrade, diretora do Hospital Eduardo de Menezes e integrante da força-tarefa criada pela SES.

No Brasil, não há nenhum registro de casos semelhantes nos últimos 40 anos. "Por isso, não sabemos como os pacientes vão evoluir”, explicou a médica. Coordenador do Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Minas, Adebal de Andrade Filho acrescentou que todas as vítimas estão com comprometimento nos sistemas renal e neurológico. “Podem evoluir para o óbito”, declarou.

Balanço

Até o momento, a SES foi notificada de 18 casos suspeitos. Deste total, quatro morreram. Exames laboratoriais já atestaram a intoxicação por DEG em quatro vítimas, incluindo em uma das que faleceram. Os resultados dos outros pacientes devem ser divulgados nos próximos dias.

Para o superintendente de Vigilância Sanitária, Filipe Curzio Laguardia, os casos de intoxicação podem aumentar, já que todas as unidades de saúde do Estado foram orientadas a notificar a SES sobre qualquer suspeita. "Nossa investigação passou também para os casos mais leves, para que possa ser feito o tratamento adequado", explicou.

Demora

Durante coletiva nesta manhã, a SES informou que, a partir de agora, os casos que até então eram denominados como "síndrome nefroneural", passam a ser classificados como intoxicação por dietilenoglicol. A pasta também explicou que, atualmente, apenas a Polícia Civil possui a tecnologia necessária para detectar o DEG nos pacientes internados. Por isso a demora na confirmação dos casos.

O Estado garantiu que já está providenciando recursos para que a Fundação Ezequiel Dias (Funed) também seja capaz de realizar os exames.

Defesa

A cervejaria Backer reforçou que não utiliza dietilenoglicol em seus processos de produção, mas, sim, o monoetilenoglicol. O fornecedor desta substância foi alvo de operação da Polícia Civil nesta quinta-feira (16). A cervejaria entregou um vídeo à Polícia Civil com imagens que comprovariam um possível caso de sabotagem.

Com Hoje em Dia




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados