Menu

Com UTIs lotadas, 97 cidades de Minas vivem sob risco de caos

Com o aumento no número de casos de Covid-19 em Minas Gerais, o sinal ficou vermelho para algumas macrorregiões que têm que lidar com altos índices de ocupação de leitos em enfermarias e unidades de terapia intensiva (UTIs) vinculados ao Sistema Único de Saúde (SUS). Além do aumento exponencial no número de doentes, – são de 18.448 casos de contaminação confirmados em todo o estado – a situação de leitos pode ser considerada crítica em quatro grandes áreas, onde vivem 9,13 milhões de pessoas, representando 43% da população. Outro alerta é que boa parte dos pacientes em tratamento nessas unidades têm outras doenças.

Foto: Santa Casa de Montes Claros/DivulgaçãoFoto: Santa Casa de Montes Claros/Divulgação

De acordo com levantamento feito pela reportagem, com base em dados do boletim epidemiológico da Secretaria de Estado Saúde (SES-MG) de quinta-feira, não há nenhum leito disponível em unidades de terapia intensiva de hospitais de três macrorregiões do mapa da saúde no estado: Jequitinhonha, Vale do Aço e Triângulo do Norte. Nessas áreas, que abrigam 97 municípios e 2,5 milhões de habitantes, a ocupação de leitos de UTI supera 90%.

Na região Central, onde estão localizados 109 municípios e a população alcança 6,6 milhões, ainda há 594 leitos de UTI disponíveis. No entanto, a ocupação de mais de 90% nos leitos clínicos acende sinal amarelo. Quando analisados os dados da macrorregião Triângulo do Norte, com suas 29 cidades e 1,3 milhão de moradores, além de não haver leitos de UTIs, também não há nenhum leito de enfermaria. Também a macrorregião Central, que inclui a capital, não dispõe de leitos de enfermaria livres.

No entanto, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, a rede hospitalar de BH tem vagas tanto em leitos de enfermaria como em leitos de UTI. Os equipamentos de enfermaria somam 4.407 leitos, sendo que 70% estão ocupados. Nos leitos clínicos destinados ao tratamento da Covid-19 (683) a ocupação é de 54%. Já em UTIs, são 966 leitos com ocupação de 79%.

A taxa de ocupação por pacientes da Covid-19 é de 68% dos 246 leitos destinados ao tratamento da doença. Existe, portanto, uma diferença entre as informações apresentados pela Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte e a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). A reportagem do Estado de Minas procurou a SES-MG para entender a disparidade de números, mas a secretaria não se pronunciou sobre o assunto até o fechamento desta edição.

Contingência De acordo com a Saúde estadual, a rede hospitalar no estado conta com 12.928 leitos clínicos vinculados ao SUS. Segundo o levantamento, a ocupação desses leitos em enfermarias é de 71,79%, sendo 8,04% ocupados por pacientes com COVID-19 ou com suspeita da doença. Em relação aos leitos em UTIs, são 2.885 vinculados ao SUS. Desse total, a ocupação é de 72,67%, sendo 11,75% de pessoas contaminadas pelo coronavírus ou sob suspeita de infecção.

O governo de Minas informou, por meio de nota da Secretaria de Saúde, que acompanha diariamente os dados sobre ocupação de leitos em cada município. A pasta reconhece que é possível que algumas regiões apresentam índices mais elevados, próximos à casa de 100%. Segundo a SES-MG, a explicação se deve ao sistema de registro.

“O extrato dos dados do dia é retirado às 23h59 e as altas dadas pelos médicos costumam ser feitas à noite. Nesse período, é comum haver trocas de turno. Até que a alta dada seja efetivamente lançada em sistema, é possível que seja necessário algum tempo, o que pode fazer com que o leito ainda esteja ocupado em sistema, apesar do paciente já ter tido efetivamente alta”, informou em nota.

Ainda segundo a pasta, mesmo com a ocupação total ou próxima dos 100%, na macrorregião do Vale do Aço 25% da ocupação dos leitos de UTI se referem a pacientes com suspeita ou com Covid-19. No Vale do Jequitinhonha, o percentual é de 5% da ocupação dos leitos de UTI por pacientes com suspeita ou com Covid-19. Já no Triângulo Norte, a taxa é de 6,7%.

O governo estadual criou planos de contingência de cada macrorregião, elaborados para o enfrentamento à pandemia. Na quarta-feira, o Ministério da Saúde habilitou 328 leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) no Estado. São leitos de UTI adulto para atendimento a pacientes com Covid-19 em estabelecimentos de saúde dos municípios do estado. Na próxima semana, o estado recebe 1.047 respiradores.

Foto: Arte EMFoto: Arte EM

Foto: Arte EMFoto: Arte EM

Com Estado de Minas



Publicidade

Links patrocinados MGID