Menu

Dona das cobras: Quem é a mulher que leva serpentes para passear?

Se você é de Belo Horizonte, provavelmente já viu ou ouviu relatos sobre uma mulher que anda pelas ruas do Centro com suas cobras de estimação. Ela já é quase um patrimônio cultural da cidade e a cena das cobras “passeando” dentro de um carrinho de bebê é comum para quem frequenta a região do Mercado Central. Nas redes sociais, a mesma coisa: de tempos em tempos, viralizam vídeos dos pets peculiares. O que quase ninguém sabe é quem é a dona dos bichos – mas a nossa reportagem descobriu.

Foto: Arquivo pessoal/Mônica CunhaFoto: Arquivo pessoal/Mônica Cunha

Mônica Cunha, a mulher que intriga belo-horizontinos por onde passa, tem 60 anos e é dona de mais cobras do que a maioria das pessoas imagina. Ela vive com cinco animais ao todo – e os nomes são um melhor do que o outro: Tiopatinhas, Lumbriga, Leiditripinha, Tomasturbano e Coronavírus. Ela comprou o primeiro animal de um criadouro há 11 anos e elas são suas grandes companheiras desde então.

“Moro com a minha família, mas perdi meu pai, meu irmão, meu avô e minha mãe e as cobras estavam comigo no velório”, contou à reportagem. Mônica explica ainda que, em casa, a convivência dos pets com a família – o filho, a nora, o irmão e o neto – é tranquila: “Ficam todas soltas pela casa. Todos gostam e acostumaram. Todos trancados na mesma casa e elas soltas, cada um respeitando o espaço do outro”.

Cobras noveleiras

Em poucos minutos de conversa, foram várias histórias inusitadas sobre a convivência com os bichos. Mônica conta que faz acessórios como gorrinhos de Natal, que leva as cobras para lanchar no shopping e, às vezes, chega a perder espaço na cama. “Elas deitam na minha cama, veem novela da Record e descem. O pior é quando resolvem não sair, aí nem eu tiro. Um dia dormi no chão, ninguém da minha casa conseguiu tirar ela da cama”, lembra.

Situações mais “difíceis” como essa podem acontecer também nos passeios pelo Centro, afinal, conforme lembra Mônica, mesmo sendo animais muito dóceis, as cobras tem momentos mais delicados: “São mansas, mas são imprevisíveis. Tem época que querem cruzar, outras querem mais sossego, outra hora simplesmente não foram com a cara da pessoa…”.

Nessas horas, ninguém se atreve a tentar uma aproximação, nem mesmo os familiares que moram com os bichos. “São dóceis demais, mas não pode abusar, até porque bondade tem limites, né? Até um cachorro mais manso um dia morde os outros. Aqui em casa ninguém põe a mão, só eu que sou doidona mesmo”, conta Mônica, que, mesmo sendo mais corajosa, nem sempre consegue escapar das picadas.

‘São a vida dela’

Das cinco cobras que vivem com a mulher, três foram compradas no Jiboias Brasil, o maior criadouro legalizado pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e de Recursos Naturais Renováveis), que fica em Betim, na região metropolitana de BH. Atualmente, o criadouro têm aproximadamente 600 jiboias de espécies variadas.

Da Redação com BHAZ




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados