Menu

Homens suspeitos de incendiar ônibus em BH são presos às margens do Anel Rodoviário

Enquanto um quinto ônibus era incendiado em uma semana na região metropolitana de Belo Horizonte na noite dessa quarta-feira (16), a Polícia Militar (PM) conseguiu capturar no aglomerado Vila da Luz, às margens do Anel Rodoviário, dois suspeitos que seriam os autores do primeiro incêndio registrado no período – o crime aconteceu na quarta-feira passada (9) no bairro Jardim Vitória na região Nordeste, e a polícia acredita que a sequência de crimes tenha sido ordenada por detentos encarcerados em penitenciárias de BH e da região.

Foto: Uarlen Valerio/OTempoFoto: Uarlen Valerio/OTempo

Os suspeitos detidos nessa noite no aglomerado mantêm relação com o tráfico de drogas na região. Eles têm 18 e 31 anos, e no barracão de um deles os militares encontraram um galão com combustível. Com eles a polícia também apreendeu 10 barras de maconha, 49 pedras de substância semelhante a crack, R$ 89, dois rádios comunicadores e duas submetralhadoras de fabricação caseira. Uma série de denúncias e relatos anônimos feitos por moradores da região ajudou a polícia a descobrir o paradeiro da dupla de suspeitos.

A primeira ligação foi feita à PM ainda na semana anterior e, de acordo com o denunciante, na noite do crime um dos suspeitos – conhecido como “Gigante” – embarcou em um carro de cor escura levando consigo um galão com líquido semelhante a gasolina. Outros informantes disseram que este homem e seu comparsa saíram minutos antes do crime de um barracão no aglomerado Vila da Luz carregando também armas de cano longo.

Frente as informações, a Polícia Militar realizou nessa quarta-feira (16) uma operação no aglomerado Vila da Luz e conseguiu encontrar os dois suspeitos mencionados na denúncia. O homem conhecido como “Gigante” tentou fugir correndo por vielas, mas acabou alcançado. Os militares encontraram com ele uma chave que garantiu a abertura da porta do barracão. O espaço, segundo relatos anônimos, é usado para preparação de drogas. Dez barras de maconha e armas de fabricação caseira estão entre os objetos encontrados no imóvel, além do galão com gasolina e um rádio comunicador.

O segundo suspeito detido pela PM se escondia em um ponto do aglomerado que permitia que ele visse quaisquer movimentações atípicas. Logo que percebeu a chegada da polícia, ele saiu correndo gritando: “azul, azul, azul”, mas acabou capturado. De acordo com a PM, as palavras ditas pelo suspeito durante a fuga são uma forma de comunicar aos outros criminosos na região sobre a presença da polícia. Todos os materiais encontrados foram apreendidos.

Cinco ônibus queimados

Chegou a cinco, nessa quarta-feira (16), o número de ônibus incendiados em Belo Horizonte e região metropolitana. O veículo destruído na noite anterior estava em um ponto final Ribeirão das Neves. Os suspeitos, quatro adolescentes, embarcaram no ônibus da linha 607 (Estação Vilarinho/Esplendor) e nele seguiram até o final, quando mandaram que o motorista descesse e atearam fogo no veículo. Um bilhete deixado pelo grupo alega que o crime é uma resposta a uma prisão irregular ocorrida no município. Um dos suspeitos teria até usado uma submetralhadora para intimidar o motorista.

Este foi o quinto ônibus queimado em uma semana na região metropolitana de BH. O primeiro crime aconteceu no bairro Jardim Vitória, na região Nordeste de Belo Horizonte, na quarta-feira passada (9), e os suspeitos deixaram com o motorista uma carta pedindo melhores condições de sobrevivência para detentos encarcerados na Penitenciária Nelson Hungria. O segundo incêndio aconteceu no mesmo bairro. Já no sábado (12), criminosos atearam fogo a um ônibus da linha 705 (Estação São Gabriel/São Tomaz) no bairro Jardim Felicidade na região Norte da capital mineira. O quarto incêndio criminoso aconteceu três dias depois na terça-feira (15) em Vespasiano, na região metropolitana. A Polícia Militar realizou na terça uma operação para combater este tipo de crime no entorno de Belo Horizonte.

De lá para cá, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (SetraBH) encerrou mais cedo, em quatro oportunidades, o atendimento na estação São Gabriel. Linhas estão parando de circular mais cedo desde o domingo (13) e viagens de linhas alimentadoras entre 20h e 22h só são feitas sob escolta policial. Ainda na noite de quarta-feira (16), após a queima do quinto ônibus, o SetraBH expediu uma determinação emergencial para interrupção completa do atendimento nas estações Venda Nova e Vilarinho até “o dia clarear”. Estima-se um prejuízo em torno de R$ 2 milhões para reposição dos ônibus queimados. De acordo com o SetraBH, sete ônibus ao todo foram destruídos em incêndios criminosos em Belo Horizonte e na região metropolitana desde o começo do ano. O seguro contratado pelas concessionárias não cobre este tipo de dano.

Da Redação com OT




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados