Menu

Produtores de eventos comemoram o retorno das festas em Minas após festa-teste ter aprovação

Santa Luzia, cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte, deu o pontapé na retomada de grandes eventos durante a pandemia da Covid-19. O “Vai Ter Samba” ocorreu no dia 21 de agosto deste ano e os organizadores celebram o sucesso da atividade e garantem que não impactou nos números da transmissão, de internações e mortes na capital mineira.

 Foto: Reprodução/InternetFoto: Reprodução/Internet

O produtor do evento, Júlio Ramos Clementino, afirma que a responsabilidade com o público é o que permitiu que a festa passasse no teste.

“Após quase dois anos parados, onde o nosso segmento foi um dos mais atingidos, a gente provou que é possível voltar o nosso setor com responsabilidade. Desde que organizamos o evento, a gente vem monitorando tanto a cidade de Belo Horizonte, onde grande parte do nosso público sai e também onde foi realizado o evento, na cidade de Santa Luzia. Os índices e números vêm só baixando. É possível voltar seguindo todos os protocolos sanitários e determinações legais. A gente também pede para os artistas e para o DJ para orientar o público”, enfatizou.

No Mega Space, já há mais dois eventos programados por Júlio nos dias 18 e 25 deste mês. O local tem capacidade para 50 mil pessoas, mas são comercializados apenas 5 mil ingressos, todos eles pela internet.

Balanço epidemiológico das prefeituras

Em nota, a Prefeitura de Santa Luzia informou que comparados os boletins epidemiológicos da véspera do evento com o outro, 18 dias depois da festa, foi registrada uma queda na taxa de ocupação dos leitos de UTI, passando de 87,9% para 37,5%. Em relação aos leitos de enfermaria, os números caíram de 38% para 26% e o RT (índice que mede a transmissão do vírus) de 0,55 para 0,42.

Os eventos permanecem permitidos na cidade com controle e fiscalização das normas sanitárias.

A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da assessoria de imprensa, confirmou que, considerando os índices de monitoramento da doença, o evento não trouxe impacto epidemiológico e, consequentemente, assistencial ao município. No dia 20 de agosto, o RT estava em 1 e as taxas de ocupação de leitos de UTI Covid e Enfermaria Covid estavam, respectivamente, em 49,8% e 34,9%.

Já no boletim do dia 6 de setembro, passados 14 dias do evento, o RT estava em 0,91 e as taxas de ocupação de leitos UTI Covid e Enfermaria Covid estavam, respectivamente, em 46,9% e 30,2%.

Com Itatiaia





Publicidade

Links patrocinados