Menu

Jovem de 20 anos é espancado e corpo é encontrado três dias depois boiando em lagoa, em Santa Bárbara

O corpo de Aléssio Henrique de Souza, de 20 anos, foi encontrado nesta terça-feira (17) boiando em uma lagoa no povoado de Santa Quitéria, em Santa Bárbara, Região Central de Minas.

Jovem é espancado e corpo é encontrado três dias depois boiando em lagoa, em Santa Bárbara/Foto: Reprodução/Redes SociaisJovem é espancado e corpo é encontrado três dias depois boiando em lagoa, em Santa Bárbara/Foto: Reprodução/Redes Sociais

De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar (PM), o jovem estava desaparecido desde sábado (14) após brigar em uma festa, em um pesque-e-pague, próximo do local onde o corpo foi encontrado.

Ainda segundo a PM, Aléssio teria se envolvido em uma briga. Um amigo que estava com o jovem na festa disse que ficou sabendo da confusão após ver vídeo compartilhado nas redes sociais mostrando a agressão.

No vídeo, cinco pessoas batem em Aléssio até ele ficar desacordado. Os suspeitos foram identificados e já se apresentaram na delegacia de Itabira. Disseram que o motivo da briga é porque o jovem teria assediado a namorada de um dos envolvidos.

Imagens das câmeras de segurança foram entregues para a Polícia Civil para ajudar nas investigações.

Nas redes sociais, moradores de Santa Bárbara têm mostrado indignação e cobram justiça pela morte de Aléssio.

A Polícia Civil informou que a família da vítima registrou o desaparecimento na segunda-feira (16) e mencionou uma briga que o jovem teria se envolvido na festa onde estava, sábado (14).

"Os trabalhos da PCMG iniciaram-se, ontem (17/11), o corpo foi encontrado em uma lagoa, na Fazenda Potreiro, povoado de Santa Quitéria. No local, a equipe de perícia da PCMG fez todos levantamentos iniciais, e o corpo, identificado pelos familiares, foi encaminhado ao Posto Médico Legal e submetido à necropsia".

Segundo a polícia, "os envolvidos na briga se apresentaram espontaneamente ontem (17), no final da tarde, na delegacia. Eles foram acompanhados pela PM e afirmaram desentendimento com a vítima, mas negaram participação no homicídio. Eles foram ouvidos e liberados por não haver situação de flagrante". A PCMG instaurou inquérito para apurar as circunstância e a autoria do crime.

Com G1 MG




Publicidade

Links patrocinados