Menu

Homem com tornozeleira eletrônica é preso suspeito de abordar mulher em ponto de ônibus e estuprá-la

Um homem de 41 anos foi preso suspeito de abusar sexualmente de uma mulher de 49 anos em Vespasiano, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A vítima estava em um ponto de ônibus a caminho da igreja quando foi abordada pelo suspeito e obrigada a entrar no carro dele.

De acordo com a delegada Nicole Perim, a polícia acredita que o homem tenha feito outras vítimas — Foto: Herbert Cabral/ TV GloboDe acordo com a delegada Nicole Perim, a polícia acredita que o homem tenha feito outras vítimas — Foto: Herbert Cabral/ TV Globo

De acordo com a Polícia Civil, o homem parou o veículo no ponto de ônibus, no bairro Serra Dourada, e pediu informações à mulher sobre como chegar a um endereço. Enquanto a vítima respondia, ele colocou a mão na cintura, fingiu estar armado e ordenou que ela entrasse no carro, enquanto a ameaçava, dizendo que "encheria a cara dela de bala".

O suspeito dirigiu por cerca de 20 minutos e, durante o percurso, levantou o vestido da mulher, tocou o corpo dela e a ameaçou diversas vezes com uma faca. Ele ainda tapou a boca da vítima para que ela não gritasse.

O homem estacionou o carro em uma rua de terra, ajustou o banco da mulher e tentou deitar sobre ela. Como a vítima estava usando cinta, ele não conseguiu ter relação sexual com ela dentro do veículo.

Ele mandou a mulher desembarcar, abaixou as próprias calças, colocou preservativo e ordenou que ela passasse as mãos pelo corpo dele e o masturbasse. O suspeito ainda tirou a roupa da vítima e tentou, novamente, ter relação sexual com ela, mas, mais uma vez, não conseguiu tirar a cinta.

A vítima contou aos policiais que chorava muito. Ela tinha acabado de passar por uma cirurgia, estava com pontos na região do umbigo e disse ao homem que estava sentindo muita dor.

Nervoso, ele mandou a mulher ir embora e deixou o local de carro, levando uma sacola com os pertences da vítima: bíblia, óculos de leitura e o celular.

O crime ocorreu na noite do dia 22 de janeiro, e o suspeito foi preso na última sexta-feira (12). De acordo com a delegada Nicole Perim, assim que a Polícia Civil tomou conhecimento do caso, iniciou as investigações.

"A equipe de investigadores percorreu todo o caminho que o autor tinha feito com a vítima, analisou câmeras de segurança e entrevistou testemunhas. Em uma parceria muito forte com a Polícia Penal, conseguimos chegar a ele", disse a delegada, em coletiva de imprensa nesta terça-feira (16).

O homem confirmou aos policiais que estava dirigindo o carro e que parou para pedir informações, mas negou o estupro. Ele disse que a mulher pediu carona para ir à igreja e que, no caminho, ele perguntou se "rolaria algo" entre os dois. Diante da resposta negativa, mandou a vítima descer do veículo.

O homem é apontado como autor de outros três crimes de estupro, ocorridos em Belo Horizonte. "Em todos, ele alega a mesma coisa, que parou para pedir informação e a vítima pediu carona. Ele nega ter mantido relação com qualquer uma dessas mulheres", afirma Nicole.

O suspeito já foi condenado a 28 anos de prisão por um crime de estupro, três de roubo e um de falsificação de documentos. Ele chegou a ser preso em 2008, fugiu, foi recapturado no ano seguinte e ficou detido até 2020, quando foi colocado em liberdade com monitoração eletrônica.

A Polícia Civil cumpriu um mandado de busca e apreensão na casa do preso, onde foi encontrada a capa do celular da vítima. Os demais pertences dela não foram localizados.

A corporação acredita que o homem possa ter feito outras vítimas.

"Nós acreditamos que outras mulheres tenham sido vítimas de algum crime de estupro por parte desse autor. Não tivemos autorização para mostrar a imagem dele, mas, de qualquer forma, fica o apelo: se alguma mulher tiver sido vítima de algum crime semelhante a esse, que procure a delegacia para que possamos tomar as providências o mais rápido possível".

A vítima do estupro diz estar aliviada com a prisão do suspeito. "Eu sofri demais, foi muita tortura. Fico feliz por ele estar preso, ele merece. Por mim e pelas outras (vítimas), (espero) que ele apodreça na cadeia".

Com G1





Publicidade

Links patrocinados