Menu

Homem é condenado a 18 anos de prisão por matar soldado da PM no interior de Minas

Um homem foi condenado pelo Tribunal do Júri de Pedra Azul (MG) por matar um soldado da Polícia Militar. Jackson Gomes Lima tinha 32 anos quando foi assassinado a tiros em outubro de 2020, em Cachoeira do Pajeú (MG).

Soldado Jackson Gomes Lima foi encontrado morto dentro de casa — Foto: Polícia Militar/ DivulgaçãoSoldado Jackson Gomes Lima foi encontrado morto dentro de casa — Foto: Polícia Militar/ Divulgação

“O juiz Guilherme Esch de Rueda, da 1ª Vara Cível, Criminal e de Execuções Penais, fixou a pena de 18 anos de reclusão. O réu não poderá recorrer em liberdade. Além disso, deverá arcar com indenização de R$ 20 mil, por danos morais, para a família da vítima”, informou o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

Os advogados do acusado, Guilherme Moreira Barbosa e Dwylio Rocha Lopes, informaram ao G1 que irão recorrer da sentença.

A denúncia do Ministério Público narra que o acusado pulou o muro da casa do militar com um revólver. Já dentro do imóvel, viu a arma do soldado e também a pegou. Jackson Gomes Lima foi alvejado por nove tiros enquanto tomava banho.

Ainda conforma o MPMG, o réu agiu motivado por vingança, já que o policial havia se envolvido com sua namorada.

Com base nas provas colhidas, o Ministério Público entendeu que a motivação foi torpe e a vítima não teve possibilidade de se defender.

“O réu, durante o interrogatório, confessou o crime. Considerando a conduta do motorista, que atirou diversas vezes depois de surpreender a vítima de madrugada, e as consequências do delito, que gerou comoção e teve graves efeitos na comunidade, o juiz fixou a pena e a indenização à família do policial”, afirmou o TJMG.

Entenda o caso

O corpo do soldado Jackson Gomes Lima foi encontrado por colegas da PM em 14 de outubro de 2020, como explicou o então capitão Ivo Alves Torres Júnior à época.

“Ele morava sozinho e iria entrar no turno por volta das 17h. Como não chegou para trabalhar e não atendia o telefone, os policiais foram na casa para procurá-lo e acharam o corpo no banheiro com marcas de tiros.”

Já no dia 20 do mesmo mês, um suspeito foi preso em frente ao local onde morava, no bairro Planalto. Na época, o G1 teve acesso ao boletim de ocorrência no qual o jovem relatava que a namorada dele mantinha um relacionamento amoroso com a vítima. Ele ainda disse que era ameaçado constantemente pelo militar.

Conforme a PM, foram apreendidas munições e três armas durante buscas na casa do homem preso. Ele foi levado para a delegacia de Pedra Azul e a Polícia Civil instaurou um inquérito para investigar o caso.

O soldado nasceu em Pedra Azul e trabalhava em Cachoeira do Pajeú há quatro anos, desde que ingressou na PM.

Com G1





Publicidade

Links patrocinados