Menu

Solidão pode aumentar chances de adoecimento e morte; OMS fala em 'epidemia'

A solidão vem deixando de ser vista como um problema pessoal para se tornar uma questão de saúde pública. Cada vez mais pesquisas mostram que a falta de conexões sociais está associada a diversas doenças e vem sendo considerada um fator de risco comparável aos danos do fumo e da obesidade.

Foto: cleofas.com.br/Foto: cleofas.com.br/

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o isolamento social está se tornando uma verdadeira epidemia, afetando um em cada quatro adultos e algo entre 5% e 15% dos jovens em todos os países. Para a organização, a solidão é capaz de aumentar em 25% o risco de morte, em 50% o de demência e 30% o de doença cardiovascular. Não à toa, a OMS acaba de criar uma Comissão de Conexões Sociais com o objetivo de reconhecer o tema como uma prioridade global e propor soluções.

Vários estudos já sugerem o impacto da solidão na saúde, mas o assunto ganhou mais visibilidade após a publicação de um artigo mostrando pela primeira vez que o fenômeno atinge jovens e idosos em todo o planeta, dos países ricos aos mais pobres, em zonas rurais e urbanas.

A falta de contato com familiares ou de participação em atividades em grupo, entre outros fatores, foi associada ao aumento da mortalidade, de doenças cardiovasculares, acidente vascular cerebral e pneumonias.

No ano passado, uma megarrevisão de estudos, envolvendo mais de 1 milhão de pessoas e publicada no PLOS One, revelou o aumento de 33% de mortalidade por todas as causas em pessoas solitárias, dado reforçado por outro estudo, do Journal of Aging and Health, com quase 8 mil idosos.

A solidão está associada a hábitos ruins

Essas pesquisas sugerem que pessoas com pouco contato social apresentam mais comportamentos não saudáveis — por exemplo, fazem menos atividade física, se alimentam pior, consomem álcool e cigarro em excesso, acabam não tomando os medicamentos corretamente ou fazendo consultas de rotina. Além disso, há impacto na autoestima e maior risco de problemas mentais, como depressão e ansiedade.

"Esses estudos se basearam nas chamadas 'blue zones' (regiões no planeta em que há maior número de idosos centenários), já que nesses locais a interação social é muito relevante e contribui para longevidade dos idosos", conta a geriatra Maysa Seabra Cendoroglo, do Hospital Israelita Albert Einstein e da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Esses idosos, por exemplo, tinham grupos com responsabilidades sobre amigos e colegas, formando uma rede.

Nesse sentido, os países ricos estão conseguindo criar mais políticas públicas para enfrentar o problema. É o caso de iniciativas como a campanha pelo fim da solidão lançada na Inglaterra, que também tem um ministério dedicado ao tema, e a cidade de Barcelona, que tem um plano com estratégias bem definidas para os próximos anos.

"O Brasil envelheceu e só agora estamos nos dando conta disso. Infelizmente ainda há restrições à participação do idoso na sociedade e o país não pode mais se esconder na sua fama de acolhedor, já que os estudos mostram que a solidão é um problema por aqui também", diz a especialista. "Esse cenário só vai mudar quando os mais velhos puderem se inserir mais e participar em diversos trabalhos e atividades."

Solidão x isolamento social

Embora sejam parecidos, eles não são a mesma coisa. A pessoa pode se sentir sozinha mesmo estando rodeada de gente —os cientistas atestam que tanto o sentimento de solidão quanto o próprio isolamento social adoecem. "A solidão é inerente ao ser humano, mas ela se acentua quando a pessoa não encontra no seu contexto nada significativo ou pessoas que reflitam seus valores", diz a geriatra do Einstein.

"Quanto mais interações sociais, menos solidão. Quanto mais a pessoa se arrisca, maior a chance de encontrar afinidades e de se sentir acolhido. Isso deve ser um estímulo para novas oportunidades."

Nem sempre se pode contar com a família por perto, mas sempre é possível fazer novos contatos e amizades. Por isso, recomenda-se participar de programas de comunidades religiosas, centros esportivos, associações de bairro e de unidades que ofereçam atividades para esse público —e até trabalhos voluntários, por exemplo.

Também é preciso zelar pela qualidade das relações. Nesse sentido, as redes sociais, segundo a médica, podem tanto ajudar quanto atrapalhar. "Ao mesmo tempo que facilitam as conexões, é preciso atenção para não perder tempo interagindo ou se deixando afetar por opiniões de pessoas que não agregam nada à sua vida", diz.

Com UOL

Clique e siga as redes sociais do SeteLagoas.com.br para ficar bem informado: InstagramTwitterThreadsYouTubeTikTok e Facebook

Receba as notícias do SeteLagoas.com.br via Whatsapp AQUI



Publicidade

+ Saúde

Conheça 06 benefícios surpreendentes da Uva para a sua saúde

Conheça 06 benefícios surpreendentes da Uva para a sua saúde

 A uva, uma fruta comum e amada por muitos, é mais do que apenas um lanche doce e refrescante. Ela é uma potênc...

Confira 7 estratégias para reduzir os triglicérides no seu organismo

Confira 7 estratégias para reduzir os triglicérides no seu organismo

Os alimentos que consumimos durante as refeições fornecem energia para o corpo realizar suas funções normais. No entanto...

Sete Lagoas tem mais duas mortes por chikungunya confirmados

Sete Lagoas tem mais duas mortes por chikungunya confirmados

Na manhã desta terça-feira (16), a Secretaria de Estado de Saúde confirmou mais duas mortes por Chikungunya em Sete Lago...

Entenda como o vírus HPV pode se manifestar

Entenda como o vírus HPV pode se manifestar

Principal causa do câncer de colo de útero, também relacionado a mais outros cinco tipos de cânceres, a infecção pelo pa...

Hospital Nossa Senhora das Graças alcança excelência em segurança do paciente e se torna referência regional

Hospital Nossa Senhora das Graças alcança excelência em segurança do paciente e se torna referência regional

O Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG) em Sete Lagoas, Minas Gerais, demonstra um compromisso exemplar com a seguran...

Neste sábado (13) tem 'Dia D' de vacinação contra gripe em Sete Lagoas; veja os locais

Neste sábado (13) tem 'Dia D' de vacinação contra gripe em Sete Lagoas; veja os locais

Neste sábado, 13 de abril, haverá o Dia D de Vacinação com todas as salas de vacinação do município abertas em horário e...

Prefeitura de Sete Lagoas e Faculdade Atenas entregam novo bloco cirúrgico do Hospital Municipal reformado e ampliado

Prefeitura de Sete Lagoas e Faculdade Atenas entregam novo bloco cirúrgico do Hospital Municipal reformado e ampliado

Mais uma ação da Prefeitura em parceria com a Faculdade Atenas que, além de salvar vidas, vai amenizar a dor de milhares...

Para além do petisco: saiba benefícios do amendoim para a saúde

Para além do petisco: saiba benefícios do amendoim para a saúde

Petisco que não pode faltar num bar, o amendoim não é só um tira-gosto ou um ingrediente para deliciosas receitas. Ele t...

Saiba como reduzir o açúcar no sangue comendo frutas

Saiba como reduzir o açúcar no sangue comendo frutas

Manter uma dieta equilibrada é crucial para indivíduos com diabetes garantirem sua saúde. Nesse contexto, optar por frut...

Sábado (13) tem Dia D da campanha de vacinação contra gripe em Sete Lagoas

Sábado (13) tem Dia D da campanha de vacinação contra gripe em Sete Lagoas

Nesta primeira fase da campanha estão sendo imunizados grupos prioritários em todas as salas de vacinação do município ...

O SeteLagoas.com.br utiliza cookies e outras tecnologias para melhorar a sua experiência!
Termos