Menu

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /var/www/setelagoas/plugins/content/easyimagecaption/easyimagecaption.php on line 870

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /var/www/setelagoas/plugins/content/easyimagecaption/easyimagecaption.php on line 870

Retorno do futebol profissional mineiro trouxe à tona algumas questões / Coluna / Álvaro Vilaça / Tempo Esportivo

1º Tempo

O retorno do futebol profissional em Minas Gerais trouxe à tona algumas questões que precisam ser resolvidas a curto prazo para que o restante da temporada não fique comprometida. O Atlético sente falta de um centroavante de ofício no elenco. Sem Diego Tardelli, lesionado, Jorge Sampaoli não conta com alguém de confiança para a função. Não à toa pretende reforçar o setor no mercado da bola. No empate por 1 a 1 com o América, a ausência de um nome para a posição ficou exposta com a atuação de Marrony, que costuma atuar pelos lados do campo. Marrony se destacou pelo Vasco jogando pelo lado, mais especificamente na ponta esquerda. No primeiro jogo com as cores do Galo, o atleta foi improvisado como centroavante. No entanto, não rendeu na criação de jogadas. Há um problema sério também na transição da defesa para o ataque, o que pode ser facilmente explicado em função da falta de um camisa dez. Porém, Sampaoli não é adepto do “dez clássico” e prefere volantes que saiam mais para o jogo e se aproximem dos atacantes. Aí está mais uma questão para ser resolvida com urgência pela comissão técnica e diretoria do clube.

Foto ilustrativa: Reprodução/InternetFoto ilustrativa: Reprodução/Internet

O desempenho na retomada do Campeonato Mineiro não é o motivo pelo qual o clube busca um camisa 9 no mercado da bola, mas ilustra a procura liderada pelo diretor de futebol Alexandre Mattos. Há o interesse do departamento de futebol em um nome para o setor nos próximos dias. Além de Nahuel Bustos, que defende o Talleres, da Argentina, o brasileiro Eduardo Sasha, em litígio com o Santos, é um nome que agrada. Eduardo Vargas, atualmente no futebol mexicano é outro que já foi sondado pela diretoria.

Jorge Sampaoli também mantém o pedido por um goleiro no mercado da bola, e a diretoria do Atlético procura um nome para atendê-lo. Em meio à busca por um atleta para a função, Rafael vem demonstrando que tem todas as condições para ser o titular da camisa 1 do Galo. No clássico contra o América foi de longe o melhor jogador em campo. Mas, essa é uma questão que ainda não está sacramentada!

2º Tempo

O retorno do Cruzeiro com uma vitória tranquila por 3 a 0 sobre a URT, não foi o suficiente para agradar completamente Enderson Moreira. O técnico do Cruzeiro crê que há a necessidade de melhora da equipe após quatro meses de paralisação do esporte. Ele fez elogios aos seus atletas, mas apontou o que precisa ser melhorado em sua equipe a partir das próximas partidas disputadas. Certamente, Enderson levou em consideração a fragilidade do adversário, que chegou para o jogo com um elenco praticamente todo novo e com menos de duas semanas de treino. Mas, até a paralisação do campeonato, a Raposa tinha mostrado algumas dificuldades, mesmo contra adversário frágeis.

Com Enderson, deu para ver que os laterais participam muito da fase ofensiva. Já foi assim no América, com destaque para Giovanni, mais novo reforço do Cruzeiro, e Norberto, hoje no CSA. Raúl Cáceres e Patrick Brey participaram ativamente da criação de jogadas da Raposa, não só pelas beiradas, mas também com liberdade para chegarem por dentro. Brey, por vezes, se posicionava na linha dos atacantes desde a construção inicial das jogadas, ainda no campo celeste. Assim, participou do segundo gol, dando passe para Thiago marcar.

É um novo Cruzeiro, construído em meio a terríveis problemas financeiros, administrativos e jurídicos, ainda necessitando de ajustes, obviamente. Mas no que tange à disputa do Campeonato Brasileiro da Série B, a partir da segunda semana de agosto, o time demonstra estar em boas condições para brigar pelo acesso e seguramente será um dos protagonistas da competição.

 

Rodada eletrizante pode deixar um dos gigantes de fora das semifinais do Mineiro

O Campeonato Mineiro voltou no último domingo, após mais de quatro meses de paralisação pela pandemia de coronavírus (Covid-19). Os resultados deixaram várias situações para serem definidas na rodada final da primeira fase nesta quarta-feira.

O Cruzeiro venceu a URT por 3 a 0, mas o resultado positivo não foi suficiente para colocar a equipe entre as quatro primeiras colocadas que se classificam para as semifinais do Campeonato Mineiro.

Com apenas mais um jogo pela frente, o Cruzeiro tem o confronto direto com a Caldense, no Estádio Ronaldão, em Poços de Caldas e só a vitória interessa para se classificar. Com 17 pontos, três a menos que a Veterana, a Raposa precisa de uma vitória por três gols de diferença para não depender de outros resultados e ficar à frente do rival, já que a diferença no saldo de gols entre ambos é de cinco.

Outra forma de a equipe se classificar é vencendo e torcendo por uma derrota do arquirrival Atlético, que tem 19 pontos. Desta forma, o Cruzeiro ficaria à frente, com 20. O empate do alvinegro também dá a classificação ao Cruzeiro, que com a vitória empataria no número de pontos, mas passaria por ter uma vitória a mais.

Com a vitória do Tombense sobre o Coimbra, o Cruzeiro não pode mais ultrapassar o time que agora lidera o Campeonato Mineiro 2020 e tem 23 pontos na tabela. Além do Tombense, o América também já tem vaga garantida nas semifinais do Estadual.

Na última rodada da fase de classificação, o Tombense ainda terá a vantagem de jogar em casa contra o Uberlândia para tentar segurar a primeira posição.

Com o revés frente ao líder, o Coimbra segue com sete pontos, na 10ª posição, e com risco de rebaixamento. A última partida será justamente contra o seu rival direto na luta contra o descenso, o Villa Nova, que tem quatro pontos. O duelo no Castor Cifuentes, em Nova Lima. O vencedor desse confronto no Alçapão do Bonfim seguirá na elite mineira em 2021. O empate beneficia o Coimbra.

Goleado pela Caldense, por 4 a 0, em Poços de Caldas, o Tupynambás foi matematicamente rebaixado ao Módulo II do ano que vem.

Seguem os resultados da 10ª rodada:

Uberlândia 2 x 1 Villa Nova
Patrocinense 0 x 1 Boa Esporte
Cruzeiro 3 x 0 URT
Tupynambás 0 x 4 Caldense
América 1 x 1 Atlético
Coimbra 1 x 2 Tombense

Classificação atualizada, após a 10ª rodada:

Fonte: FMF

Jogos desta quarta-feira, todos com início previsto para as 21:30:

Villa Nova x Coimbra
URT x América
Atlético x Patrocinense
Caldense x Cruzeiro
Boa Esporte x Tupynambás
Tombense x Uberlândia

 

O novo normal do futebol brasileiro

Há algumas semanas a bola voltou a rolar nos campos de futebol no Brasil. O desafio agora é entender e aceitar que máscaras, álcool em gel e luvas (além das de goleiro) serão tão corriqueiros quanto uniformes, bola e gols. É o novo futebol pós-pandemia. Estamos distantes ainda de afastar o novo coronavírus do País, por isso que a dúvida é saber como será o futebol que deve se perpetuar por um longo tempo ainda, já que a vacina para combater o Covid-19 só deverá estar disponível para a população a partir do ano que vem.

Usar máscara se tornará algo comum no esporte, apesar das restrições durante os jogos. Nos estádios, elas serão apetrechos obrigatórios. "A retomada deve ser lenta e gradual. Treinos com grupos menores. O ideal seria que os atletas usassem máscara até mesmo durante os jogos, mas sabemos que isso é muito difícil, afirmam os infectologistas. Além da troca constantes, porque a máscara ficaria úmida muito rapidamente, isso poderia impactar no rendimento do jogador, quanto à sua respiração.

Divididas, carrinhos e até comemoração de gols são lances em que há contatos inevitáveis e por isso é muito importante que os clubes saibam quais atletas já foram contaminados. Embora não haja 100% de certeza de que esses estarão imunes, quem já contraiu a covid-19 possui anticorpos contra a doença, pelo menos por enquanto. Pesquisa diz que 90% dessas pessoas produzem defesas naturais no organismo.

Os desencontros de informações e até as fake news são pontos que ajudam a criar a preocupação e o clima de terror entre os jogadores. Enquanto não tiver uma organização, o futebol vai abrir um leque de incertezas em todos os envolvidos. Com o tempo, as pessoas vão começando a relaxar e voltam ao que era antes. É preciso uma normativa para auxiliar e preparar atletas e clubes para a sequência da temporada.

O fato é que a partir de agora, o normal será algo diferente do "normal de antes". É bom estarmos preparados e dispostos, porque ainda temos um longo caminho a percorrer até a chegada da vacina. Pelo menos até lá, a vida não poderá seguir como antes!




Publicidade

Links patrocinados