Menu

Álvaro Vilaça

Times mineiros se preparam para a temporada 2020 / Coluna / Álvaro Vilaça / Tempo Esportivo

Embora muitos tentem diminuí-lo, no final das contas não tem jeito! O Campeonato Mineiro é muito importante tanto para o Atlético, quanto para o Cruzeiro. Aquele que ganha, dizem por aí, não fez mais do que a obrigação. Porém, a perda do título estadual para o maior rival é um dos maiores motivos para a troca de comissões técnicas durante a temporada. É aquela história: Ganhar o Campeonato Mineiro não é mais do que obrigação para alvinegros e celestes, mas a perda é prenúncio de crise ao longo de boa parte do ano!

Foto: ReproduçãoFoto: Reprodução

Há dois anos sem o troféu do Campeonato Mineiro, o Atlético entra na edição 2020 do torneio de maneira diferente dos demais anos. Afinal, o maior rival Cruzeiro enfrenta rebaixamento para a Série B do Brasileirão, crise financeira e reformulação do elenco. Neste contexto, não seria difícil imaginar o Galo como favorito à taça. Contudo, em oportunidades anteriores, não só em Minas Gerais, essa história de um rival estar na Série A e o outro na Série B não significou praticamente nada quando houve o confronto dentro dos estaduais.

Inegavelmente, com mais poder de investimento e sem grandes mudanças no elenco, o Atlético surge com algum favoritismo no Mineiro. É a oportunidade para encerrar dois anos seguidos sem nenhuma conquista. É a grande chance de o presidente Sérgio Sette Câmara erguer o primeiro troféu em seu último ano de gestão, ainda com direito a uma reeleição para novo triênio à frente do Galo. O presidente atleticano sofre grande rejeição entre os torcedores, que o rotulam como muito conservador e sem ambições esportivas.

Uma novidade no time atleticano é o início da "era Dudamel", que acabou de começar, mas algumas características da personalidade e do estilo do venezuelano já podem ser observadas. O treinador é sério, disciplinador e gosta de manter a privacidade com os atletas. Prova disso é a rotina de treinos fechados à imprensa, implantada no Galo desde a pré-temporada. E será mantida durante o ano. Numa de suas últimas entrevistas coletivas, questionado sobre o assunto, o técnico destacou o respeito que tem pelo trabalho da imprensa, mas deixou claro que os treinos fechados serão rotina. Disse, inclusive, que tem conversado com o departamento de comunicação do Galo para que o padrão seja um treino aberto aos jornalistas por semana.

No Cruzeiro, os assuntos extracampo continuam tendo mais relevância do que a parte técnica, já que a reconstrução do clube passa pela definição da nova diretoria.

A intensificação da negociação para as eleições com o atual presidente interino do clube e do conselho deliberativo, José Dalai Rocha, ocorre há mais de duas semanas. Com a eleição, o conselho gestor deixará a administração, já que é uma situação transitória.

O grupo que elegeu Wagner Pires de Sá já se articula nos bastidores para o lançamento de uma chapa. Quem está à frente do clube no conselho gestor também busca um consenso e “um nome novo” para dar uma "oxigenada" à política cruzeirense e ser lançado à eleição. Nomes já está sendo levantados nos bastidores.

O grande entrave é o pouco tempo de articulação e formação de uma chapa de consenso com a atual situação, por exemplo, caso as eleições sejam já convocadas para fevereiro. A ideia do presidente interino é conseguir um consenso político para ter apenas uma chapa nas eleições. E, por causa disso, pode até haver um prolongamento das negociações e as eleições nos meses subsequentes.

Com relação ao time, o técnico Adílson Batista vai aproveitar alguns nomes que permaneceram no clube, casos de Fábio, Edílson, Cacá, Leo e Rodriguinho, dentre outros, mesclando com muitos atletas oriundos das categorias de base e algumas contratações pontuais como João Lucas, ex lateral esquerdo do Ceará e o volante Machado, que estava no Grêmio.

 

Em busca do bicampeonato no Japão, Brasil estreia com vitória no Pré-Olímpico

Em busca de uma vaga nos Jogos de Tóquio, a Seleção Brasileira estreou no Pré-Olímpico disputado na Colômbia no último domingo. No Estádio Centenário de Armênia, o time canarinho contou com gol de Paulinho no primeiro tempo para vencer o Peru por 1 a 0. Na etapa inicial a Seleção fez um bom jogo e desperdiçou várias oportunidades. O gol de Paulinho foi marcado aos 42 minutos. Inspirado, o meio-campista Bruno Guimarães, um dos melhores do time, deixou o atacante Paulinho na cara de Solís e viu o companheiro completar com um toque sutil entre as pernas do goleiro.

A Seleção Brasileira diminuiu o ritmo durante a etapa complementar e o técnico André Jardine trocou Matheus Henrique, Pedrinho e Yuri Alberto por Igor Gomes, Reinier e Maycon. Já nos minutos finais, Olivares teve grande chance após cruzamento de Pacheco, mas o placar permaneceu inalterado e favorável ao time canarinho.

Em seu próximo compromisso pelo Grupo B, o Brasil volta a campo para enfrentar o Uruguai às 22h30 (horário de Brasília) desta quarta-feira, na localidade de Pereira. O Peru, por sua vez, duela às 22h30 de sábado com a seleção paraguaia, novamente no Centenário de Armênia. A Bolívia, que folgou na primeira rodada, estreia diante do Paraguai nesta quarta-feira.

O Pré-Olímpico disputado na Colômbia oferece duas vagas nos Jogos de Tóquio. O torneio tem dois grupos com cinco seleções e prevê que as duas melhores de cada chave disputem o quadrangular final. O outro grupo tem Chile, Argentina, a anfitriã Colômbia, Equador e Venezuela. O Brasil, ganhador no Rio de Janeiro 2016, luta para defender o título no Japão.

Álvaro Vilaça é formado em Comunicação Social e Marketing, apresentador de TV, ex-narrador e ex-repórter esportivo da Rádio Inconfidência de Belo Horizonte, Diretor de Programação e Coordenador de Esportes da Rádio Eldorado e do Jornal Hoje Cidade. Também é o responsável pela coluna de Esportes do Jornal Notícia e é professor de Negociação, Compras e Marketing das Faculdades Promove de Sete Lagoas. Pós-Graduado em Administração e Marketing.

Links patrocinados