Menu

Obras da arena do Atlético-MG devem ser concluídas em 30 meses / Coluna / Álvaro Vilaça / Tempo Esportivo

1º Tempo

A nova casa do Galo, enfim, saiu do papel e as obras iniciais já estão em curso há mais de um mês. O projeto do estádio próprio do Atlético passou pelas mãos de três presidentes do clube. Surgiu no fim de 2013, quando Alexandre Kalil ainda era o mandatário, e teve o início das obras na atual gestão, de Sérgio Sette Câmara. Entre os dois, porém, o clube foi comandado por Daniel Nepomuceno que, na opinião de Alexandre Kalil (hoje prefeito de BH), é "o pai desse estádio".

Imagem: ReproduçãoImagem: Reprodução

Foi na gestão de Daniel que o projeto ganhou forma e deixou de ser uma utopia para começar a sair do papel. O ex-presidente colocou em votação no conselho deliberativo o plano de vender 50,1% do Shopping Diamond Mall para viabilizar a construção da Arena MRV. A aprovação foi tranquila, mas as semanas anteriores a ela, segundo revelou Daniel Nepomuceno, foram de muito trabalho no convencimento de conselheiros indecisos.

Alexandre Kalil foi o responsável por um dos votos positivos à venda do shopping para construção do estádio, mas ele nem sempre foi favorável à ideia e no início, não sabia se era o momento certo para o Galo construir sua própria casa.

O Atlético não se endividou pra fazer estádio. Vendeu metade do shopping center da rede Multiplan, entregou 50,1% do shopping e está pagando com dinheiro próprio. O Atlético viabilizou o naming rights com a MRV, que é quem está construindo o estádio do Atlético. É o Atlético, com dinheiro do Atlético. E isso é importante, porque não vai ficar devendo depois que a obra for concluída.

O reconhecimento de Daniel Nepomuceno como presidente mais decisivo para tirar o sonho do papel também foi de Sérgio Sette Câmara. O presidente, em uma live da TV Galo, destacou que o ex-mandatário foi o grande responsável pelo projeto na diretoria executiva do clube.

A obra teve início no último mês de abril e tem previsão de 30 meses de duração. Num cenário mais otimista, calcula-se que o Atlético poderá ter um lucro anual acima de R$ 100 milhões quando a arena estiver em condições de uso. Pode ser um salto de patamar do clube, tão assoberbado com os infindáveis problemas financeiros e déficits orçamentários sofridos, ano após ano!

2º Tempo

Presidente novo, vida nova! É assim que o torcedor do Cruzeiro pretende acompanhar a realidade do clube a partir de agora. O novo presidente do clube, Sérgio Rodrigues, começa a identificar o atual cenário do clube. Equacionar dívidas, renegociar passivos trabalhistas, buscar novos parceiros comerciais são prioridades, mas fortalecer o departamento de futebol é uma necessidade real e imediata. Uma das frentes da Raposa é a busca por reforços. O clube já mapeou, há algum tempo, as posições que deseja e já tem engatilhadas situações para as duas laterais e um atacante de ponta. Mesmo assim mantém outros nomes no radar. Um deles é Henrique Dourado.

Uma negociação com o jogador seria improvável, tanto por ele estar atuando no Henan Jianye, da China, em um mercado valorizado, como pelo fato de o Cruzeiro estar sem recurso neste momento e impossibilitado de fazer grandes contratações. Dourado já passou pela Toca. Foi em 2015, realizando 11 jogos e um gol no primeiro semestre.
Nem mesmo as que o clube precisa realmente foram finalizadas. É que o Cruzeiro não planeja fechar contratações, enquanto não tiver uma segurança de quando os jogos vão recomeçar. Contratar um jogador oneraria a folha salarial do clube, que sofre com a queda de receitas e atraso de salários.

O Cruzeiro deixou apenas engatilhado a contratação de um lateral direito, um esquerdo e um atacante de ponta. Isso tudo foi negociado com o gestor do futebol, Carlos Ferreira, e o diretor de futebol, Ricardo Drubscky. Este último que continuará na gestão de Sérgio Santos Rodrigues.

Nesta pandemia, o Cruzeiro fez uma negociação de acaso, já que tinha tudo certo com o meia Régis, que chegou por empréstimo do Bahia. Na visão do departamento de futebol, quando tiver esses outros três reforços acertados, o técnico Enderson Moreira estará bem servido para a disputa da Série B.

 

Contagem regressiva: Democrata quer “lotar” Arena do Jacaré em promoção inédita, com vários brindes, e que vai beneficiar HNSG

O maior jogo do Democrata de todos os tempos está para acontecer e começa agora com sua contribuição, torcedor. Vamos lotar a Arena do Jacaré de boas energias para a partida entre Democrata de Todos os Tempos x Democrata Atual. O jogo virtual vai acontecer no dia do aniversário de 106 anos do Clube, 14/06. Todos aqueles que adquirirem os ingressos concorrerão a prêmios. São 200 itens que serão sorteados à medida em que metas forem batidas.

O clube fez uma convocação especial para os democratenses e a sociedade sete-lagoana em geral: “Torcedor, está chegando o maior e mais difícil jogo da história de 106 anos do Democrata Futebol Clube. Este é o jogo da vida, não só do Democrata, mas de toda a população mundial, que luta contra um inimigo invisível e cruel. E nós não poderíamos deixar de fazer a nossa parte. O ingresso virtual custa apenas R$ 5 e, adquirindo quantos quiser, vamos lotar a Arena de solidariedade e ajudar o Jacaré a seguir seu caminho nesta temporada e a disputar este campeonato virtual com outros clubes do País, como Sport e Santa Cruz. Você compra quantos ingressos quiser. O Clube mais solidário, vendendo mais ingressos, vence a batalha contra a Covid-19”.

AJUDA AO HNSG - De todos os ingressos vendidos, 30% do valor arrecadado será repassado ao Hospital Nossa Senhora das Graças, que é referência no atendimento para 34 municípios da região e faz um trabalho digno de aplausos no tratamento de infectados pelo novo coronavírus.

200 PRÊMIOS - E tem mais!! Todos aqueles que adquirirem os ingressos concorrerão a prêmios! São 200 itens que serão sorteados à medida em que metas forem batidas. Sete Lagoas nunca viu nada igual! Seja solidário e concorra!
MINHA FOTO NA ARENA - E, ainda, aqueles que comprarem 10 ou mais ingressos, terão afixados um totem com sua foto na Arena do Jacaré. Tudo será divulgado nas redes sociais do Democrata.

Acesse estadiolotado.com.br/arenadojacare, saiba mais e contribua com o Democrata e com o Hospital Nossa Senhora das Graças. É muito simples e tudo sem sair de casa!

*Da Redação com Ascom Democrata

 

Futebol pode voltar em um mês no Brasil

O futebol brasileiro começou a ensaiar uma retomada que, dependendo da curva de casos de coronavírus, poderia ocorrer no fim de junho, conforme declaração do secretário-geral da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Walter Feldman, concedida à Agência Reuters.

Feldman destacou que o Campeonato Brasileiro pode ter todos os jogos com portões fechados e ser concluído apenas no começo do 2021. Segundo ele, a volta da liga da Alemanha deu uma esperança ao futebol mundial e mostrou uma perspectiva animadora.

"Parar foi necessário e voltar é possível. Esse é o grande aprendizado com o retorno do alemão... a Alemanha é uma ótima sinalização", disse.

O Campeonato Alemão foi o primeiro das grandes ligas do mundo a retomar suas atividades, mas com uma série de protocolos e restrições, como jogos com portões fechados, medidas de distanciamento social e testes de atletas e profissionais envolvidos.

O protocolo final de saúde da CBF, que será recomendado aos clubes, está em fase de conclusão, mas incluirá, segundo Feldman, medidas como testes permanentes para a Covid-19, distanciamento social, medidas de higiene, transporte em veículos particulares dos atletas e jogos com portões fechados.

"Podemos ter sim só jogos com portões fechados... em países a epidemia vai e volta, tem novas ondas. Aglomerações mesmo só com vacina e controle absoluto", afirmou Feldman.

O Campeonato Brasileiro deveria ter começado este mês não fosse a pandemia. Agora, a perspectiva é que o futebol nacional seja retomado entre o fim de junho e o início de julho. "Maio é o período mais dramático da doença e vamos ver as portas que vão se abrir em junho... o aprofundamento da crise, agora, significa que logo em seguida deve vir o abrandamento", disse.

O futebol brasileiro está parado desde março, quando campeonatos locais e nacionais (como a Copa do Brasil) foram interrompidos devido às medidas de restrição provocadas pela pandemia.

Grandes clubes do Brasil já iniciaram atividades nos últimos dias, depois de um período de treinos remotos. "O ensaio da perspectiva de treinamento é um ensaio para a volta (do futebol)", disse Feldman.

"Dependendo da curva da doença aqui no país... mais um mês ou um mês e meio após o pico. Maio abre portas, junho abre outras adicionais e não duvido quem em junho, com a volta dos treinos, protocolo sustentado e possibilidade de flexibilização das autoridades de saúde, o futebol possa voltar com restrições", afirmou.

Normalmente, o Campeonato Brasileiro termina no começo de dezembro, mas, diante do atraso provocado pela pandemia, a competição usará datas perto do Natal e Ano Novo e pode até só ser concluído em 2021, afirmou. "É possível que tenhamos Natal e ano novo com futebol nas datas próximas".

Álvaro Vilaça é formado em Comunicação Social e Marketing, apresentador de TV, ex-narrador e ex-repórter esportivo da Rádio Inconfidência de Belo Horizonte, Diretor de Programação e Coordenador de Esportes da Rádio Eldorado e do Jornal Hoje Cidade. Também é o responsável pela coluna de Esportes do Jornal Notícia e é professor de Negociação, Compras e Marketing das Faculdades Promove de Sete Lagoas. Pós-Graduado em Administração e Marketing.




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados