Menu

Democrata vence o Ipatinga, entra no G4 e diminui diferença para o líder Pouso Alegre / Coluna / Álvaro Vilaça / Tempo Esportivo

Desde que Jorge Sampaoli chegou ao Atlético, o clube gastou mais de R$ 100 milhões na aquisição de jogadores para reforçar o elenco. Cumpre uma das exigências do técnico argentino. Elas, entretanto, não estão totalmente concluídas. É o que declarou Alexandre Mattos. O diretor de futebol indicou que o Galo irá atrás de reforços, novamente, com aporte dos investidores. Inclusive, a partir de agora, o Galo já pode inscrever atletas que estejam atuando no exterior, uma vez que, a janela internacional de transferências foi reaberta esta semana.

Foto: ReproduçãoFoto: Reprodução

Alexandre Mattos voltou a citar as dificuldades financeiras do Galo, que não consegue, por exemplo, arcar com as obrigações do dia a dia sem a ajuda dos apoiadores, nas figuras de Ricardo Guimarães, Rafael Menin, Rubens Menin e Renato Salvador. O quarteto de conselheiros é que faz empréstimos e ajuda a diretoria no trabalho extra-campo.

Não é segredo para ninguém que o Atlético vive um momento delicado do ponto de vista financeiro. Imaginar que não tenha receita corrente para fazer o seu dia a dia, como folha de pagamento e demais despesas administrativas é muito preocupante. Na verdade, neste momento, o Atlético recorre muito ao amor do Rubens e Rafael ao clube. Cada atleticano tem que agradecer muito. O presidente Sérgio Sette Câmara, quer queira, quer não, teve a credibilidade de colocar para essas pessoas que o dinheiro colocado seria 100% para ajudar o time, em função de um clube em excelência, para que o futuro seja diferente do agora, cuja situação financeira é delicadíssima. Se os resultados seguirem positivos dentro de campo, a possibilidade de alcance do equilíbrio financeiro poderá ser mais real e rápida.

2º Tempo

O momento é dramático! A cada lampejo de reação, o Cruzeiro é atropelado em seguida por uma dura realidade. E não se trata apenas da indesejada Série B. Há uma nova zona de rebaixamento atormentando o clube: a da Série C, que se arrasta por longas e intermináveis rodadas.

Um time entregue em campo, que não tem conseguido se impor nem mesmo frente ao lanterna Oeste. Um clube com contas devastadas, estrangulado financeiramente, proibido pela Fifa de fazer novas contratações. Um planejamento que sofre mudanças a cada tropeço: mudanças de comando técnico frequentes, jogadores que ora estão fora dos planos, ora são reintegrados, além de apostas no departamento de futebol, que se tornaram um dos principais questionamentos do torcedor celeste.

O resultado de tudo isso: Uma campanha cheia de decepções na Série B. A realidade, passadas 15 rodadas da competição, é a zona de rebaixamento. Embora, certamente, esta posição de Z4 na Série B seja transitória, quanto mais tempo o time demorar em encaixar uma sequência de vitórias, mais próxima da perfeição terá que ser a campanha na segunda metade do campeonato, algo difícil de ser concretizado, mesmo levando-se em consideração a fragilidade da maioria dos participantes.

A matemática da esperança para subir deu lugar aos sufocantes cálculos para se afastar de uma nova queda de divisão. A briga, hoje, é para permanecer na Série B. Tudo isso a poucos meses do centenário do clube.

De acordo com alguns matemáticos, as chances para o Cruzeiro voltar a figurar na elite do Brasileirão são de apenas 1,1%. A possibilidade de rebaixamento é de 53,4%. De toda forma, esses números podem mudar rapidamente, desde que o time comece a vencer.

A sensação é de que há algo interno, não revelado, que está interferindo na produtividade da equipe. Mesmo com um elenco limitado e, neste momento, sem poder contratar, o Cruzeiro tem time para figurar nas primeiras posições. Como dizem alguns filósofos: “Determinadas coisas acontecem por razões que a própria razão desconhece”!

Democrata vence o Ipatinga, entra no G4 e diminui diferença para o líder Pouso Alegre

Após sete meses de paralisação, o Democrata reestreou no Campeonato Mineiro do Módulo II com o pé direito. Tendo que superar o calor e um gramado ruim, o Jacaré conquistou o triunfo e entrou no G4 da tabela de classificação. Com gol de Guilherminho, na etapa final, o time de Sete Lagoas pulou do 5º para o 3º lugar,

Com novidades em relação ao time que entrou em campo pela última , em março, o técnico Paulinho Guará, promoveu a estreia de 3 reforços na formação titular, além de uma mudança no posicionamento tático do meia Diego Esch. Meia ofensivo de origem, o carioca de 22 anos foi deslocado para jogar recuado ao lado do volante Rafinha, ganhando a posição de Gazu.

"O Diego é um jogador com grande qualidade no seu passe, que tem a capacidade de quebrar linhas. Ganhamos muito com ele na saída de bola, além dele ter voltado muito bem fisicamente, voltou mais leve". Esclareceu Paulinho Guará.

Com amplo domínio da partida desde o primeiro minuto de jogo, apesar de jogar fora de casa, quem tomou a iniciativa foi o Jacaré. Buscando a todo o momento o gol, o Democrata fez um primeiro tempo sólido na defesa reforçada pelo zagueiro Carciano, emprestado pelo Coimbra. Com um ataque incisivo, que teve como destaque o meia atacante Isaac e maior posse de bola, o time de Guará trabalhava as jogadas pelos flancos, e tinha em Isaac um elemento surpresa vindo de trás.

Já o Ipatinga demonstrou pouca criatividade e tinha como arma ofensiva o experiente atacante Paulo Rangel. Ligações diretas eram tentadas a todo momento, buscando o centroavante, entretanto a defesa bem postada do Jacaré conseguia neutralizar os lances do Tigre.

No segundo tempo, devido ao forte calor no Vale do Aço e também em função da falta de ritmo de jogo, a intensidade do Jacaré diminuiu, foi quando o Ipatinga se lançou mais ao ataque. O Democrata passou a ter o contra-ataque a seu favor. João Sala teve duas oportunidades claras de gol, a primeira aos 8 minutos do segundo tempo e logo em seguida aos 11 minutos.

Aos 37 minutos da segunda etapa, o capitão Rafinha ganhou uma bola no meio de campo e fez um lançamento longo em direção a Guilherminho, que bateu a defesa do Tigre, driblou o goleiro Paulo Victor e marcou o gol da vitória do Jacaré.

"Antes do jogo falei para o grupo de jogadores que quem iria decidir seria o banco de reservas. Sabia que o Ipatinga era um time mais pesado, que iria cansar, e aqueles que entrassem no jogo iriam fazer a diferença. A nossa grande vantagem é essa, temos um banco muito qualificado", Destacou Paulinho Guará.

Com a vitória o Democrata subiu para a 3º colocação com 12 pontos. O próximo compromisso do Jacaré será contra o líder Pouso Alegre, que apenas empatou na rodada diante do Mamoré. O time de Sete Lagoas vai jogar em casa, neste sábado (17), às 16 horas, em busca da manutenção do G4.

"Estamos preparados, vamos trabalhar forte durante a semana para procurar surpreender o Pouso Alegre, sabemos da qualidade deles, são os líderes, mas vamos procurar a vitória em casa também". Relatou Paulinho Guará.

Seguem os outros resultados da 7ª rodada:

Betim 1 x 0 Nacional de Muriaé
CAP de Uberlândia 1 x 2 Athletic de São João Del Rey
Serranense 3 x 0 Guarani de Divinópolis
Tupi 0 x 1 Democrata de Governador Valadares
Pouso Alegre 0 x 0 Mamoré

Veja a classificação atualizada:

Posição Equipe PG J V E D GP GC SG %

1º POUSO ALEGRE 17 7 5 2 0 9 4 5 81
2º ATHLETIC CLUB 13 7 4 1 2 11 6 5 62
3º DEMOCRATA SL 12 7 3 3 1 11 6 5 57
4º NAC MURIAÉ 11 7 3 2 2 7 5 2 52
5º DEMOCRATA GV 11 7 3 2 2 4 3 1 52
6º BETIM FUTEBOL 10 7 3 1 3 8 8 0 48
7º GUARANI 10 7 3 1 3 5 10 -5 48
8º IPATINGA 08 7 2 2 3 7 6 1 38
9º SERRANENSE 08 7 2 2 3 5 7 -2 38
10º TUPI 06 7 1 3 3 6 9 -3 29
11º CAP UBERLÂNDIA 04 7 1 1 5 5 8 -3 19
12º MAMORÉ 04 7 0 4 3 0 6 -6 19
PG: Pontos Ganhos | J: Jogos | V: Vitórias | E: Empates | D: Derrotas | GP: Gols Pró | GC: Gols Sofridos | SG: Saldo de Gols | %: Aproveitamento

Hamilton se aproxima do apogeu no automobilismo mundial

A Fórmula 1 é a mais importante categoria existente no automobilismo e viveu, no último domingo, na Alemanha, um dia histórico: O momento em que Lewis Hamilton alcançou Michael Schumacher como o maior vencedor da categoria.

Agora, o mundo aguarda o momento em que Hamilton vai se sagrar heptacampeão — algo que pode acontecer entre as provas da Turquia e a primeira no Bahrein pelo andar da carruagem da Fórmula 1. A 12ª etapa do Mundial está confirmada para o dia 25 de outubro, em Portugal. Por enquanto, esta é a ordem dos maiores campeões da categoria:

1º Michael Schumacher: O alemão começou sua carreira em 1991 e correu até a temporada de 2012, acumulando incríveis 91 vitórias ao longo deste tempo. Schumacher, que infelizmente sofreu um grave acidente de esqui em 2013, tem incríveis 7 títulos mundiais, 2 vice-campeonatos e 3 terceiras colocações.
2º Lewis Hamilton: O maior nome do automobilismo contemporâneo, Hamilton tem apenas 35 anos e falta pouco para atingir o topo da Fórmula 1. Hamilton tem 6 títulos mundiais e 2 vice-campeonatos.
3º Juan Manuel Fangio: Só não pode se gabar de ter sido o primeiro campeão da Fórmula 1, mas ao menos foi o segundo. Gostou tanto da ideia que foi campeão 5 vezes seguidas, obviamente o primeiro pentacampeão da Fórmula 1. O argentino tem 5 títulos mundiais e 2 vice-campeonatos, e parou de competir em 1958, oito anos após a sua estreia.
4º Alain Prost: Um dos maiores pilotos franceses da história da categoria, Alain Prost foi o grande nome da McLaren na década de 90 e foi quem levou o nome da Williams à glória no início dos anos 90.
Prost tem 4 títulos e 4 vice-campeonatos.
5º Sebastian Vettel: O alemão chegou com pinta de que seria o homem a bater o ídolo Michael Schumacher. Foi o piloto mais jovem a conquistar um campeonato mundial com apenas 23 anos, e ganhou mais 3 edições em seguida depois disso. Vettel acumula até hoje 4 títulos mundiais, 3 vice-campeonatos e 1 terceira colocação.
6º Ayrton Senna: Um dos mais talentosos de todos os tempos e certamente o maior ídolo do automobilismo mundial, o brasileiro Ayrton Senna chega na sexta colocação, mas muitos creem que mais títulos viriam não fosse o trágico acidente no GP de San Marino de 1994.

Também foram tricampeões mundiais: Jackie Stewart (Inglaterra), Nelson Piquet (Brasil), Niki Lauda (Áustria) e Jack Brabham (Austrália).

Álvaro Vilaça é formado em Comunicação Social e Marketing, apresentador de TV, ex-narrador e ex-repórter esportivo da Rádio Inconfidência de Belo Horizonte, Diretor de Programação e Coordenador de Esportes da Rádio Eldorado e do Jornal Hoje Cidade. Também é o responsável pela coluna de Esportes do Jornal Notícia e é professor de Negociação, Compras e Marketing das Faculdades Promove de Sete Lagoas. Pós-Graduado em Administração e Marketing.





Publicidade

Links patrocinados