Menu

Democrata segura o líder e segue no G4 / Coluna / Álvaro Vilaça / Tempo Esportivo

A menos de três meses de completar 100 anos de fundação, o Cruzeiro vive seu momento mais delicado na história. Os títulos, os craques e até mesmo a estrutura de seu centro de treinamentos ficaram para trás. O momento é de uma crise sem igual e de um futuro recheado de incertezas. Os desafios são enormes e os problemas se sucedem a cada dia.

Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação

Há pouco mais de dois anos, em 17 de outubro de 2018, o Cruzeiro erguia a taça da Copa do Brasil. A sexta em sua história e a segunda consecutiva, feitos inéditos na competição. O ano acabou, veio 2019, e muitos investimentos foram feitos. O time respondia em campo. Venceu o Mineiro, passava por cima dos adversários na Libertadores e era apontado como o melhor time do Brasil. De repente, tudo mudou.

Mergulhado em dívidas, na Série B e com uma realidade mais próxima da Série C do que da elite, a grande questão é: há possibilidade de o Cruzeiro fechar as portas? O presidente Sérgio Santos Rodrigues tem rechaçada essa situação, afirmando que o clube tem que buscar a solução adequada para o tamanho da dívida. Para ele, essa história de fechar e abrir em outro CNPJ, falência, é questão de quem não está no dia a dia e não entende o funcionamento de um clube de futebol, até pela sua natureza jurídica.

Um alento para o torcedor do Cruzeiro, nos últimos dias, foi a contratação de Luiz Felipe Scolari. Depois de receber recusas de vários técnicos da Série B, a diretoria conseguiu acertar com um treinador que está entre os maiores vencedores da história do futebol brasileiro. Mas o que foi feito para convencer um campeão mundial, da Libertadores, da Copa do Brasil e do Brasileiro a pegar um time que está na vice lanterna da Série B? Sérgio Rodrigues explicou: “Acho que foi o que falamos: não vem com aquela história de vem, se jogar mal, vai ser mandado embora. Então, quando fomos colocar a multa rescisória, eu disse: pode pôr o que você colocar porque com você vindo, a gente tem um projeto maior. Você representa muita coisa para nós. A gente faz essa discussão hoje, como por exemplo clube-empresa, e você ter uma pessoa como o Felipão atrai coisas.”

O certo é que, para voltar ao patamar que ocupou até dois anos atrás, o Cruzeiro vai precisar de muitos anos. É um processo longo, muito longo, especialmente estando na Série B. Criatividade e credibilidade podem ser as senhas para o “reinício” do clube!

Na história da Série B por pontos corridos (com 20 clubes), desde 2006, nenhum grande passou por tal situação nessa altura do campeonato. Para se ter uma ideia, os piores (entre os grandes) na 15ª foram Atlético (2007) e Internacional (2014), que tinham 21 pontos e estavam na 7ª colocação. O desafio de Felipão será imenso, algo sem precedentes na história recente de um grande clube no futebol brasileiro. Mas, de tão difícil e dramática, a situação pode servir como algo que propicie superação e até uma futura redenção para o treinador e o clube, num momento em que ambos gozam de pouco prestígio perante os torcedores, imprensa e o público em geral. É aguardar as cenas dos próximos capítulos e viver um dia de cada vez!

Democrata segura o líder e segue no G4

O Democrata entrou em campo no último sábado em partida válida pela 8ª rodada do Campeonato Mineiro do Módulo II. O time voltou a disputar uma partida na Arena do Jacaré depois de 7 meses de suspensão do campeonato em função da pandemia do Covid-19. A última partida em Sete Lagoas havia sido em 7 de março, pela 5ª rodada do Módulo II e o adversário na ocasião foi o Nacional de Muriaé. A partida terminou empatada em 1 a 1.

No sábado (17), pela 8ª rodada do Módulo II, o Jacaré não saiu do 0 a 0 contra a boa equipe do Pouso Alegre. O time do Sul de Minas mantém uma base de jogadores que jogam juntos há dois anos. Chamou a atenção o fato de que o Pouso Alegre está invicto desde 2018 ou 25 partidas. A última derrota foi em 19 de setembro de 2018, por 2 x 1, em confronto diante do Coimbra.

O Democrata foi recepcionado pela torcida na entrada do estádio com muita festa, fogos de artifício e fumaça vermelha, demonstrando a confiança que o torcedor sete-lagoano vem depositando no time que briga pelo acesso para a Primeira Divisão de 2021.

Paulinho Guará fez duas mexidas no time em relação à formação que havia vencido o Ipatinga na rodada anterior: Bruno Silva entrou na lateral direita, substituindo Eudes, que sentiu um desconforto na coxa direita horas antes do jogo. A outra mudança já era esperada: Guilherminho voltou ao time titular, com isso quem perdeu a vaga nos 11 iniciais foi Emerson Silva.

O jogo começou equilibrado e as duas equipes partiram para o ataque em busca do resultado. O Pouso Alegre concentrava suas ações ofensivas pelo lado direito da defesa do Democrata, que contra golpeava com velocidade. "O pensamento era conseguir os três pontos, infelizmente não conseguimos, sabíamos que iria ser um jogo truncado, não estou satisfeito com o resultado, poderíamos ter um desempenho um pouco melhor". Relatou Paulinho Guará.

Na segunda etapa o Pouso Alegre criou mais oportunidades, o treinador Ito Roque foi feliz nas alterações e já nos acréscimos finais o Dragão do Sul de Minas perdeu duas chances seguidas aos 45 e 47 minutos, ambas com Matheus Souza, que acabou esbarrando em grandes defesas do goleiro Alexsander.

O resultado manteve o Democrata em terceiro lugar da tabela com 13 pontos, 5 a menos que o líder Pouso Alegre e um a menos que o vice-líder, Atlhetic, que tem 14.

O próximo confronto da equipe alvirrubra é fora de casa, nesta quarta-feira (21), quando o Jacaré encara o seu xará de Governador Valadares às 15:30 horas no Estádio Mamudão.

Ainda restam mais três jogos para o encerramento da fase de classificação e o Democrata só depende dele para se classificar. Depois de jogar com a Pantera, no Vale do Rio Doce, o Jacaré seguirá direto para Patos de Minas onde enfrenta Mamoré no final de semana. Após estes dois jogos fora de casa, o Jacaré fecha a primeira fase do Módulo II em casa no sábado (31), contra o Serranense. O quadrangular decisivo será disputado nos dias 07, 11, 14, 18, 21 e 28 de novembro. O campeão e o vice terão vaga assegurada na divisão de elite do futebol estadual.

Conforme já destacado, o Democrata tem compromisso marcado para esta quarta-feira, às 15:30hs, em Governador Valadares. Veja a rodada completa:

Quarta-feira 21 de outubro de 2020:

15:00 – Guarani x Athletic – Divinópolis
15:00 – Betim x Tupi – Betim
15:30 – Ipatinga x Pouso Alegre – Ipatinga
15:30 – Nacional x Mamoré – Muriaé
15:30 – Democrata-GV x Democrata-SL
19:00 – Serranense x CAP de Uberlândia – Nova Serrana

Posição Equipe PG J V E D GP GC SG %

1º POUSO ALEGRE 18 8 5 3 0 9 4 5 75
2º ATHLETIC CLUB 14 8 4 2 2 11 6 5 58
3º DEMOCRATA SL 13 8 3 4 1 11 6 5 54
4º NAC MURIAÉ 12 8 3 3 2 8 6 2 50
5º DEMOCRATA GV 12 8 3 3 2 5 4 1 50
6º BETIM FUTEBOL 11 8 3 2 3 8 8 0 46
7º GUARANI 10 8 3 1 4 5 12 -7 42
8º TUPI 9 8 2 3 3 9 11 -2 38
9º SERRANENSE 9 8 2 3 3 6 8 -2 38
10º CAP UBERLÂNDIA 7 8 2 1 5 7 8 -1 29
12º MAMORÉ 5 8 0 5 3 1 7 -6 21
PG: Pontos Ganhos | J: Jogos | V: Vitórias | E: Empates | D: Derrotas | GP: Gols Pró | GC: Gols Sofridos | SG: Saldo de Gols | %: Aproveitamento

É possível acompanhar a transmissão de todos os jogos do Democrata através da Rádio Eldorado, pelo AM 1.300 KHZ, através do site www.eldorado1300.com.br, ou ainda pelo aplicativo da emissora, que pode ser baixado dentro do próprio site da Eldorado.

Torcida abraça o projeto da Arena MRV

Uma das principais fontes de receita para o Atlético seguir construindo a Arena MRV é a venda de cadeiras cativas e de camarotes. Em relação ao segundo, o empreendimento já avançou na comercialização de 66 espaços de 81 disponíveis, o que representa apenas 18,5% dos camarotes ainda à disposição dos interessados. O Galo, se vender 100% dos camarotes, terá uma receita de R$ 81.590.000,00.

Empresas já demonstraram interesse na aquisição dos espaços Vip's que comportam até 17 torcedores e têm contrato de utilização por um período de 15 anos. Os camarotes possuem 14 diferentes precificações, dependendo da localização e visão de campo. Os mais caros - localizados no centro do gramado na área oeste, custam R$ 1.950.000,00 (com 30 lugares cada). Os mais baratos estão nas periferias da zona sul do estádio (atrás de um dos gols), ao custo de R$ 807.500,00.

A ideia da Arena MRV é gerar cerca de R$ 200 milhões na comercialização desses espaços mais nobres. As cadeiras cativas já começaram a ser vendidas no último sábado, com prioridade aos sócios-torcedores do Galo na Veia. O custo total da obra, atualizado, está em R$ 560 milhões.

 

Álvaro Vilaça é formado em Comunicação Social e Marketing, apresentador de TV, ex-narrador e ex-repórter esportivo da Rádio Inconfidência de Belo Horizonte, Diretor de Programação e Coordenador de Esportes da Rádio Eldorado e do Jornal Hoje Cidade. Também é o responsável pela coluna de Esportes do Jornal Notícia e é professor de Negociação, Compras e Marketing das Faculdades Promove de Sete Lagoas. Pós-Graduado em Administração e Marketing.




Publicidade

Links patrocinados