Menu

Cruzeirense é preso por criar raposas que resgatou para 'dar sorte ao time'

Até onde pode ir um torcedor fanático para ajudar seu time na luta contra o rebaixamento? Bom, um cruzeirense bastante supersticioso, morador de um pequeno povoado rural em Mamonas, na região Norte de Minas Gerais, resgatou três filhotes de raposa, presos em um buraco, e cuidou dos animais em uma espécie de galinheiro – mas sem galos ou galinhas, mascote do Atlético. Isto, pois, ele jurou aos militares que o carinho com o mascote do seu time do coração poderia 'dar sorte' ao Cruzeiro e, quem sabe, até livrá-lo de uma possível queda para a Série B. Apesar da boa intenção, o homem de 30 anos acabou sendo detido pela Polícia Militar, nessa terça-feira (03), por cometer crime ambiental: sem licença, ele não poderia manter os animais silvestres em cativeiro.

Raposas estavam presas em uma espécie de galinheiro no quintal da casa do torcedor./ Foto: Polícia Militar/DivulgaçãoRaposas estavam presas em uma espécie de galinheiro no quintal da casa do torcedor./ Foto: Polícia Militar/Divulgação

"Aqui na região é muito comum apreensão de pássaros. Mas, raposa, é muito inédito para nós. Raposa... dentro de um galinheiro ainda... Na verdade, é mais um poleiro. São filhotinhos que, segundo ele, foram recém-capturados. Ele pegou para criar", conta o sargento Anselmo Farley Antunes Balieiro, à frente da ocorrência. Ainda segundo o militar, o homem teria resgatado os animais para ajudar o time. "Ele contou que apanhou os três filhotes e levou para casa. Questionamos. Por quê? Ele respondeu que era cruzeirense e que os animais poderiam dar sorte. Apesar da intenção ser boa, isso configura crime", explica.

Os militares chegaram à residência do homem, no povoado Paus Pretos – parte de Mamonas, cidade que, segundo último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tem pouco mais de 6.000 habitantes –, através de denúncias. Ao perceber a aproximação dos policiais, familiares do criador de raposas correram para casa como que para tentar esconder algo antes da entrada dos agentes.

"Nós chegamos na casa e lá encontramos o pessoal já um pouco ansioso. Algumas pessoas da família correram para os fundos da casa, nós vimos que eles tentaram esconder alguns pássaros. Quando perguntamos sobre a denúncia – que era a respeito de manter raposas presas –, ele confirmou e mostrou onde os animais estavam guardados", comenta o cabo Renato Cardoso Souto, que também acompanhou a ocorrência. Além dos três filhotinhos de raposa, os militares também levaram embora sete pássaros, mantidos em gaiolas. No entanto, este segundo crime não foi cometido pelo dono das raposas, mas sim pelo irmão dele, um homem de 31 anos.

Após serem detidos, os irmãos receberam as multas devidas pelos crimes cometidos. O cruzeirense acabou com uma multa no valor aproximado de R$ 4.500 por capturas e manter os filhotes presos. Já o dono dos pássaros, irmão dele, terá que pagar cerca de R$ 9.800 ao Estado por manter os animais em cativeiro. Após serem apreendidos, os bichinhos todos seguiram para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) em Montes Claros, também na região Norte de Minas. Nenhum deles estava ferido. Apesar da tentativa, não serão esses mascotinhos que poderão ajudar o Cruzeiro.

O clube celeste retorna aos gramados nesta quinta-feira (05) para uma partida – que pode ser o último respiro do time – contra o Grêmio, em Porto Alegre. O jogo acontece um dia após o duelo entre Ceará e Corinthians, previsto para esta quarta-feira (04), às 19h30, em Fortaleza. Além de depender dos próprios jogadores, o Cruzeiro também conta com um tropeço do Ceará para manter-se na Série A.

Com O Tempo




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados