Menu

Alerta: Pais podem e devem ter acesso ao celular dos filhos

O caso de um professor de 52 anos flagrado pela mãe de uma aluna de 12 anos pedindo nudes e falando barbaridades para a menina, ocorrido na Escola Estadual Gabriel Hernandes, em Ariranha, no interior de São Paulo, só comprova o óbvio: os pais podem e devem ter acesso ao celular dos filhos e controlar o conteúdo a que estão expostos.

Foto Ilustrativa/Reprodução InternetFoto Ilustrativa/Reprodução Internet

Não se trata de uma discussão sobre privacidade. Os pais são responsáveis pela integridade física e moral dos filhos. A segurança deles é competência nossa, não importa se na vida real ou virtual. No mundo ideal, criança não deveria nem ter celular. A desculpinha de que precisam de "diversão" ou "conexão com os amigos" não passa de balela. Até a adolescência, pelo menos, seria ótimo se ficassem longe das mazelas virtuais.

Até a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que crianças menores de 2 anos não deveriam ter nenhum contato com smartphones, tablets e outras telas de eletrônicos. Os equipamentos só deveriam ser introduzidos a partir dos 3 anos, sendo que o tempo máximo de uso deveria ser de 1 hora diária até completar 5 anos de vida.

Mas, infelizmente, não é o que tem pra hoje.

A molecada tem acesso cada vez mais cedo aos equipamentos eletrônicos e mergulha fundo nas ondas virtuais. O mínimo que pais e mães devem fazer é controlar o que os filhos fazem com um celular na mão.

Em entrevista ao R7, a psicopedagoga Regina Lima garantiu que o ideal é acompanhar o acesso dos filhos até os 15 anos. A especialista considera seguro até os pais terem as senhas de acessos dos perfis nas redes sociais.

Isso é fundamental. Não existe essa história de "é a minha vida, você não tem esse direito". Como pais, temos não só direito como o dever de zelar pela segurança dos filhos. Criança precisa de cuidado e atenção. Se não fosse a mãe a monitorar o celular da filha, no caso do professor abusador, quem sabe o fim que essa história teria?

Não tenha medo de aguentar a birra, as reclamações, as malcriações que virão. Quem se torna pai tem de estar preparado para receber essas cargas de "ódio" dos filhos, principalmente quando decide interferir diretamente em algo que eles consideram tão privado. Não é privado e nem deve ser. Celular de criança precisa de monitoramento e cabe aos responsáveis realizar esse controle.

Pior é saber que um pedido de nudes feito por um homem de 52 anos a uma menina de 12 não pode ser enquadrado em nenhum crime. Se ela tivesse 11 anos, seria considerada vulnerável e a coisa mudaria de figura. Pode não ser um ato "criminoso", mas é asqueroso e ultrapassa todos os limites do bom senso.

Com R7 Notícias




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados