Menu

Advogados de Sete Lagoas se manifestam a favor do pagamento de depósitos judiciais

De iniciativa da OAB/SL, alinhada com a OAB/MG e com inúmeras Subseções do Estado, advogados de Sete Lagoas se mobilizaram nesta quarta-feira (19), no Fórum Desembargador Felix Generoso, a favor do pagamento dos atos judiciais, aos quais tem sido negado o pagamento, por estarem retidos pelo governo do Estado.

A lei estadual 21.720, aprovada em 2015, passou a autorizar o governo do Estado a se apropriar dos depósitos recursais de todos os processos que tramitam no Tribunal de Justiça de Minas Gerais. A promessa era de reservar 25% a 30% do fundo que seria para pagamento dos alvarás que fossem expedidos pela justiça.

Os atos judiciais de julho a outubro de 2015 estão retidos em todo o Estado / Foto: Tatiane GuimarãesOs atos judiciais de julho a outubro de 2015 estão retidos em todo o Estado / Foto: Tatiane Guimarães

Em outubro de 2015, o falecido ministro Teori Zavascki deferiu uma liminar suspendendo os efeitos da lei. Essa medida foi tomada após a OAB, através do Conselho Federal, entrar com uma ação direta alegando a inconstitucionalidade da lei, por ADI nº 5.353.

De acordo com o presidente da OAB/MG, Benjamin Oliveira Júnior, desde o final de 2016, o Banco do Brasil negou o pagamento de inúmeros alvarás relativos a depósitos judiciais que estavam sob vigência da lei 21.720, alegando que o fundo de reserva já tinha se esgotado. O governo de Minas relata que o banco não está contabilizando corretamente os valores.



Hoje (19), a diretoria da OAB/MG se reúne no Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília, com o ministro Alexandre Morais, para tratar da ação direta de inconstitucionalidade da lei.

Benjamin Oliveira Júnior representa a classe na cidade e espera que a mobilização traga resultados. “Esperamos com essa mobilização aqui e em todo o Estado de Minas Gerais que consigamos sensibilizar o ministro, o STF, sobre a importância de uma medida urgente. Porque temos notícias de inúmeros alvarás, até de questões alimentícias, que são negados os pagamentos rotineiramente”, manifesta.



Por Tatiane Guimarães



Publicidade
Publicidade

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar