Menu

Sete Lagoas > Notícias > Cidades

Prefeito Maroca e presidente do SAAE se reúnem com servidores da autarquia

  • Categoria: Cidades
Pela primeira vez na história da administração municipal os servidores do SAAE se reúnem com o prefeito, presidente da autarquia, secretários municipais, setor jurídico da prefeitura, além de representante do poder legislativo. Na última terça-feira (2), o Prefeito Maroca e o presidente do SAAE se reuniram com os servidores do SAAE e sindicalistas do Sindágua com o objetivo de negociar, com transparência e diálogo, melhorias para as condições de trabalho destes servidores.

Na reunião, além de prefeito e presidente, estiveram presentes os secretários de planejamento e governo,
Flávio de Castro e Nadab Abelin, respectivamente, o procurador Leonardo Braga e o vereador Marcelo da Cooperselta. Representando o Sindágua, estavam Wagner Xavier e Nascimento, de Belo Horizonte, Hugo Lyra, delegado do Sindágua em Sete Lagoas e mais quatro trabalhadores do SAAE. A pauta da reunião girou em torno de negociações entre administração pública e
servidores para um equilíbrio entre o que deseja os trabalhadores e o que a prefeitura pode oferecer, dentro do contexto econômico em que vive.

“Estamos do mesmo lado porque temos um mesmo objetivo: melhorar osserviços do SAAE, eu nunca sinto que estamos em lados opostos da mesa. Todos acreditamos nessa autarquia, por isso devemos conversar com prudência, com tranqüilidade e, juntos, chegarmos num acordo”, afirma o prefeito Maroca. Outro ponto abordado pelo prefeito foi em relação à segurança dos servidores, a importância de trabalharem com equipamentos seguros. “Isso me preocupa e toda a condição deve ser
dada aos servidores, para que trabalhem com tranquilidade”, complementa o prefeito.

De acordo com o presidente do SAAE, o que os servidores da autarquia estão reivindicando vai muito além do que a administração pode pagar. “As reivindicações do Sindágua remontam em adicional de custo com a folha de pagamentos da Autarquia em cerca de R$ 300 mil ao mês”, explica Ronaldo Andrade.

Diante disso, o SAAE se comprometeu em analisar a proposta e propor um novo acordo, coerente com a sua realidade econômica e administrativa.
Ao final da reunião Sindicato, SAAE e prefeitura marcaram para a próxima semana uma nova reunião, quando as questões voltarão a ser discutidas com clareza pela prefeitura municipal.

SECOM / Sete Lagoas
Foto: Quim Drummond

Novo galpão do Grupo Sada em Sete Lagoas vai atender a região de São Paulo

  • Categoria: Cidades
Novos investimentos na cidade podem chegar a R$30 milhões

O Grupo Sada está presente hoje em diversas partes do País, atuando nos setores de Transporte/Logística; Indústria e Comércio, Concessionários; Combustível Renovável, Serviços e Jornal/Serviços Gráficos. As atividades do grupo em Sete Lagoas começaram 1988 com a antiga Formim, Sada Forjas.  Hoje estão instaladas na cidade as empresas OMR, Streparava e Matran.

O empresário Alberto Mediolli, Diretor do Grupo Sada/OMR comemorou o momento para o setor automobilístico desde janeiro deste ano, e confirmou os novos investimentos do grupo para 2010.

Um dos projetos, é a construção de um novo galpão para a produção de componentes automotivos para a região de São Paulo, dentro do processo de diversificação das atividades do grupo. Segundo Mediolli, outro investimento do grupo para este ano é na área de imprensa com a aquisição de um novo equipamento (rotativa) para ampliação do parque gráfico, além da instalação de uma Usina de Açúcar na Jaíba-MG para produção de álcool. “Pelas nossas previsões será um ano muito bom e promissor”, disse empresário. Questionado se o novo investimento do grupo na cidade conta a participação do Poder Público, Mediolli informou que até o momento os recursos são da empresa, mas que já solicitou a Prefeitura Municipal à conclusão da rede de esgoto na região onde a empresa funciona. “a situação compromete a estrutura da empresa por causa da água que é jogada na rua, precisando desta obra por parte do município”, explicou. Em termos de geração de emprego, somente em Sete Lagoas a empresa nos últimos três anos gerou 600, sendo que nos últimos dois anos se registrou um aumento de 150 funcionários. Outro setor que vem registrado crescimento do grupo Sada é de Bio energia com a produção de três mil mudas de eucalipto também em Sete Lagoas.

Robotização

Há muito se fala que com o avanço tecnológico o homem seria substituído pelas máquinas e isso causaria demissões. O empresário Alberto Mediolli considera este tema de sua importância, porque não foi o que aconteceu com o Grupo Sada. “Quando instalamos os primeiros robôs, fui procurado por várias entidades alegando que a medida aumentaria os custos e que a mão de obra é barata, e com isso estava tirando postos de trabalho”, comentou.  Segundo ele, quando adquiriu o primeiro robô a OMR tinha 50 funcionários e hoje tem 600 funcionários. “Investir em automações é investir em tecnologia que atrai mais trabalho. Nunca devemos nos assustar quando uma empresa investe em robotização, pelo contrário, entende-se que essa empresa terá muito futuro”, ressalta Mediolli

Violência e Corrupção

Como empresário nascido na Europa, mas que escolheu o Brasil para viver, Alberto Mediolli manifestou também sua preocupação pela falta de investimentos no setor de segurança. “Estamos vendo todos os dias na imprensa, políticos sem nenhuma moral ocupando diversos cargos, tornando-se referências para os jovens, uma coisa muito perigosa. “O Brasil precisa de moralização”, disse, Mediolli que lembrou ainda, a fala de um grande filósofo “Onde não existe moralização, não existe democracia”. Como empresário e chefe de família, Mediolli acrescentou que está preocupando com os rumos que o País vem tomando. “Tenho filhos pequenos e entendo que o futuro é dos jovens que hoje estão tendo exemplos muito negativos e que esta conta será paga por todos nós. A honestidade é fundamental, e acho que quanto mais o tempo passa, menos vejo a sensibilização da classe política. Tudo isso preocupa empresários, trabalhadores que se espelham nesse lado negativo, é uma reflexão a ser feita”, concluiu Alberto Mediolli.


Linda Martins

Links patrocinados