;
Menu

Sete Lagoas > Notícias > Esportes

Cruzeiro tentará encerrar no domingo mais de quatro anos de jejum contra o São Paulo

  • Categoria: Esportes
O Cruzeiro de Adilson Batista terá um tabu para quebrar, domingo, no Morumbi, contra o São Paulo. O time celeste não vence os paulistas desde 23 de maio de 2004. Na ocasião, a equipe comandada pelo então treinador Emerson Leão venceu por 2 x 1,no Mineirão, com gols de Jardel e Dudu. Gabriel descontou para o adversário.

De lá para cá, foram disputadas oito partidas, sendo quatro empates e quatro derrotas celestes. No último encontro, as equipes empataram por 1 x 1, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. Guilherme marcou pelo Cruzeiro e Borges empatou para os paulistas.

A quebra de tabus tem sido quase uma especialidade dos comandados de Adilson Batista. Em 2008, o time deu fim a marcas expressivas contra adversários tradicionais, como o caso do Fluminense. A vitória por 3 x 1 no Maracanã quebrou um jejum de 18 anos sem um triunfo sobre o clube no Rio de Janeiro.

O time voltou também a derrotar o Flamengo no Maracanã após oito anos; o Atlético-PR no Mineirão após cinco e o Vitória-BA em Salvador mais de oito anos depois. Para completar, emplacou a maior goleada celeste da história do clássico com o Atlético-MG, com os 5 x 0 na final do Campeonato Mineiro.  

Este será o confronto de número 38 entre as equipes pelo Campeonato Brasileiro. São sete triunfos celestes, 12 empates e 18 vitórias do São Paulo. O Cruzeiro marcou 34 gols e sofreu 54.

Apesar do retrospecto desfavorável, o Cruzeiro leva vantagem nas três decisões de título entre os dois times. Em 1993, o São Paulo venceu, nos pênaltis, Recopa Sul-Americana. O troco veio em 1995, com o Cruzeiro sagrando-se campeão da Copa Ouro, também nas cobranças de penalidades.

Em 2000, foi a vez do time estrelado vencer a Copa do Brasil. Os times empataram em 0 x 0 na primeira partida, disputada no Morumbi. O São Paulo saiu na frente no jogo de volta, no Mineirão. Fábio Júnior aos 35 do segundo tempo e Geovanni de falta, aos 46 min, garantiram o tricampeonato celeste.
 
Site Oficial do Cruzeiro