Menu

Três suspeitos de envolvimento na morte do jogador Daniel são presos pela Polícia

A Polícia Civil do Paraná prendeu mais três suspeitos de participação na morte do jogador de futebol Daniel Corrêa, ex-atleta do São Paulo. São eles Igor King, 19, David Willian Villeroy da Silva, 18, e Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, 19.

Foto: Marcello Zambrana/Agif/ Meia Daniel quando atuava pelo São Paulo

As prisões preventivas foram decretadas na quarta-feira (7), e Eduardo foi preso no mesmo dia. Já os outros dois estavam foragidos até a manhã desta quinta (8), quando se apresentaram juntos à delegacia de São José dos Pinhais.

Daniel foi morto após uma festa na casa de Edison Brittes Júnior, conhecido como Juninho, que assumiu a autoria do crime e também está preso.

Igor e David são amigos de escola de Allana Brittes, filha de Juninho, e suspeitos de participação nas agressões ao ex-jogador durante a festa. Já Eduardo é namorado de uma prima de Cristiana Brittes, esposa de Edison.

Os três suspeitos estariam no carro de Juninho e são apontados por testemunhas como participantes do espancamento sofrido por Daniel.

Um dos advogados de Igor e David, Allan Smanioto, negou à RPC (afiliada da Rede Globo no Paraná) que os clientes estejam envolvidos no crime: “Eles não participaram da morte do jogador. Eles estavam no carro, mas da morte não participaram. Eles ficaram amedrontados.”

Ainda segundo Allan, eles não tinham a intenção de matar Daniel quando entraram no veículo. “Muitas pessoas bateram em Daniel, nossos clientes pediram que parassem”. 

Outras três pessoas já foram presas preventivamente: Juninho, que confessou ter cometido o crime, sua esposa, Cristina, e sua filha Allana.

Entenda o caso

Daniel Corrêa foi encontrado morto no último dia 27, em um matagal, após ter ido à festa de aniversário de Allana Brittes e a uma outra festa, na casa de Edison Brittes.

Brittes assumiu a autoria do crime e, em depoimento, disse que Daniel havia tentado estuprar sua mulher, Cristiana Brittes –a tese do estupro, no entanto, foi rechaçada pelos laudos da Polícia Civil do Paraná.

O jogador teria sido vítima de "armas brancas", segundo o laudo oficial, e foi encontrado com ferimentos graves no pescoço. As três novas testemunhas no caso devem ser ouvidos ainda nesta quinta.

Revelado pelo Coritiba, Daniel Corrêa tinha 24 anos e teve passagens por Botafogo e São Paulo, time que o havia emprestado ao São Bento, que disputa a Série B do Campeonato Brasileiro.

 

Com Folha de São Paulo




Publicidade
Publicidade

Links patrocinados