Menu

Câmara debate grotão do Alvorada e Executivo promete providências

“A solução do problema é complexa”. Essa foi a afirmativa do secretário municipal de Obras Públicas, Vítor Dias, para o grotão do bairro Alvorada que foi tema de Audiência Pública realizada na Câmara Municipal, nessa quarta-feira (02). Resignada, mas confiante em uma saída, a presidente da sessão, vereadora Gislene Inocência (PSD), montou uma comissão de vereadores que vai acompanhar os trabalhos e buscar amenizar as queixas dos moradores que sofrem a aproximadamente 30 anos.

Foto: Câmara Municipal de Sete Lagoas Foto: Câmara Municipal de Sete Lagoas

O secretário municipal de Meio Ambiente, Nadab Abelin, esteve presente e reforçou que “é impossível uma solução a curto prazo diante de tantos crimes ambientais”. Há anos o local se transformou em uma espécie de bota fora para todo tipo de resíduo. Por esse motivo Gislene pediu, por mais de uma vez, durante a sessão, que “vocês tenham mais consciência e parem de jogar lixo no espaço. É o primeiro passo”.

O grotão debatido na Audiência está entre a Avenida Governador Bias Fortes e ruas Diógenes e Júlio César no bairro Alvorada. O secretário de Obras disse também que percorreu o local para conhecer a realidade e afirmou ainda que o problema “é maior que estrutural. A água não tem escoamento. Uma das primeiras ações é desobstruir a galeria de água pluvial”, definiu. 

O encontro serviu para que os moradores, que encheram o plenário, conhecessem a realidade do local e confirmassem que o poder público está ciente e trabalhando para resolver as questões. “Vamos trabalhar em conjunto”, determinou Gislene se referindo à Câmara Municipal e o Executivo.

O secretário Nadab revelou que o local já foi limpo duas vezes este ano e prometeu uma nova manutenção em breve. Ele mostrou a intenção de “fazer um estudo aprofundado sobre a área que, a princípio, é uma Área de Preservação Permanente (APP)”. O departamento de Regularização Fundiária também esteve representado e prometeu um levantamento topográfico para definir as áreas de cada morador”. O estudo vai possibilitar uma possível entrega dos títulos de propriedade que alguns proprietários não possuem.

Os moradores foram representados por Tadeu de Oliveira que falou sobre o problema e pediu ajuda ao poder público. Edimeia Maria está há 20 anos na região e disse que “os moradores estão penando, é muito lixo”. Já Ana Flávia Moreira pediu “uma providência, estamos jogados fora”, desabafou.  

Participação da Câmara 
Depois que todos os lados foram colocados os vereadores se manifestaram e sugeriram ações que podem abrandar as reclamações. Ismael Sores (PP) que assinou o Requerimento para a realização da sessão pediu a criação de um ponto de coleta nos moldes ao instalado na Avenida Suíça. Outro coautor da Audiência, João Evangelista (PSDB), foi enfático na cobrança ao dizer que “o povo não veio aqui para ser empurrado com a barriga, mais uma vez”.

O presidente da Câmara, Claudio Caramelo (PRB), sugeriu que a prefeitura “liberasse de pagar o IPTU até resolver. As pessoas compram lote, pagam impostos e não tem a prestação do serviço. Tem que olhar isso a fundo depois dessa Audiência”. Milton Martins (PSC) lamentou promessas não cumpridas pela última gestão e elogiou a “clareza sobre o que pode e o que não pode fazer”. O vereador Fabrício Nascimento (PRB) se colocou à disposição para contribuir no que for possível.

Comissão
Com várias situações a serem detalhadas e esclarecidas antes de efetivas soluções, Gislene Inocência, como encaminhamento da sessão, nomeou a comissão que vai acompanhar de perto os trabalhos que serão desenvolvidos pelo Executivo. Além da presidente da sessão, os vereadores João Evangelista, Ismael Soares, Milton Martins e Caramelo formam a frente de trabalho.


Da Redação com Câmara Municipal



Publicidade
Publicidade

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar