Menu

Diretor do HNSG abre situação financeira do hospital para os vereadores, na Câmara Municipal

Na direção geral do Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG) há pouco mais de cinco meses, Cléber Amorim, explicou, durante a Reunião Ordinária dessa terça-feira (10), a situação de salários atrasados na entidade. O gestor lamentou que, entre os problemas, uma queda de 40% do faturamento dos convênios da saúde suplementar contribui para o déficit mensal de R$ 1 milhão. 

Foto: TV Câmara Foto: TV Câmara

O gestor afirma que a direção optou por não “suprimir cargos de trabalho nem demitir em massa”. Ainda de acordo com Cléber, foi feita uma racionalização de cargos com união de setores e corte de cargos de administração com redução da área de apoio do hospital. “Em dezembro de 2016 o hospital tinha 797 funcionários ativos e uma folha de R$ 1,7 milhão. Em agosto de 2017 são 800 funcionários para uma folha de R$ 1,2 milhão”, ilustrou.

No momento atual a gestão trabalha para equilibrar as contas e aumentar a receita. Uma das medidas apresentadas foi uma parceria para que o tomógrafo volte a funcionar. O HNSG gasta até R$ 7 mil para fazer tomografia fora do hospital. Com o equipamento em operação esse custo cai em 20% para o dobro de exames realizados.

O vereador Milton Martins (PSC) foi quem requereu a presença do gestor. O parlamentar pediu que “fosse enviado para esta Casa se existe dívida pendente da gestão municipal anterior e atual e do Estado. Porque com posse desses dados essa Casa pode se manifestar”. Martins solicitou também “uma planilha de gastos da unidade para uma discussão mais profunda”.

Ismael Soares (PP) acredita em uma saída e lamentou atrasos em pagamentos não só para equipamentos de saúde e sim em vários setores que prestam serviços para a comunidade. Gonzaga (PSL) endossou as palavras de Milton questionou se o município está em dívida para o que Amorim respondeu que o contrato está em dia.

Na pauta de votações dois textos não foram votados. O Anteprojeto de Lei (APL) 221/2017 “cria o programa de gerenciamento de entulhos e resíduos da construção civil para o município de Sete Lagoas e dá outras providências”. O projeto é de Milton Martins e existe uma lei semelhante. Já o APL 294/2017 de Fabrício Nascimento (PRB) saiu da pauta pela ausência do autor. A matéria “autoriza doação de imóvel para a empresa Empreendimentos Rodrigues- ME”.

APL
O APL 244/2017 de Zé do União (PSL) foi aprovado e “institui o projeto capoeira na escola e dá outras providências”.

PLO
Na pasta de Projetos de Lei Ordinária (PLO) foi votado o 135/2017 de Renato Gomes (PV) que “denomina logradouro público - rotatória Sagarana”. O PLO 157/2017 de Pr. Alcides (PP) “institui no município de Sete Lagoas a semana de conscientização e prevenção acerca do benzenismo e dos males causados ao meio ambiente pela emissão do benzeno”.

Do Executivo foi apreciado o PLO 229/2017 que “estabelece a obrigatoriedade dos hospitais públicos de Sete Lagoas, prontos socorros, unidade de saúde, ambulatórios e pronto atendimento (UPA), localizados no município, de fixar em lugar visível, a lista dos médicos plantonistas e do responsável pelo plantão”.

RFPL RFAPL
Encerrando os trabalhos foram apreciadas a Redação Final do Projeto de Lei (REPL) 184/2017 e as Redações Finais dos Anteprojetos de lei (REAPL) 216/2017 e 255/2017.


Com Ascom TV Câmara




Publicidade
Publicidade

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar