Menu

Sete Lagoas > Notícias > Política

Vereador é agredido em reunião plenária na ante-sala por um suplente

Se na semana passada, o chefe de gabinete do secretário municipal de Saúde foi agredido por um médico na sede da Secretaria, o local de ataque agora foi a Câmara Municipal. Durante a última reunião ordinária da Casa, o vereador líder do prefeito, Renato Gomes (PV), foi agredido pelo suplente de vereador do PMN, Otávio Flexa, na ante-sala do plenário Deputado Wilson Tanure. Boletim de ocorrência foi registrado, mas o agressor conseguiu sair do prédio e não foi detido para averiguação.

A agressão aconteceu na última terça-feira (13/10). Otávio Flexa, que na semana passada já havia se envolvido em um episódio com o concessionário do Restaurante da Câmara, acompanhava a reunião junto ao público. “Ele se virou para o Renato Gomes e disse que ia dar um tapa na cara dele, mas o vereador, inocente e não entendendo o que o Otávio estava falando, veio a seu encontro. Foi quando ele ameaçou novamente e deu um tapa com as duas mãos no rosto do Renato”, revelou uma testemunha à reportagem.

Renato Gomes, sem ação, retornou ao seu lugar e não fez nada. O vereador Dr. Caio Dutra, líder do PMDB, pediu a palavra e repudiou a agressão. Como médico legista da Polícia Civil, Dr. Caio teria cogitado dar voz de prisão ao agressor, que se esquivou do ataque e, logo em seguida, foi embora. O cerimonial do Legislativo agiu rápido e acionou a Polícia Militar. Cerca de oito PM’s estiveram na Casa e ouviram o vereador, na sala da Procuradoria. Otávio Flexa deve responder a processo por agressão.

RENATO GOMES TEM PENA – A reportagem ouviu, ontem, o vereador Renato Gomes em seu gabinete. Perguntado sobre os motivos que levaram Otávio Flexa a agredi-lo, ele disse desconhece-los. “Desconheço qualquer motivo para esta ação. Imaginava ele como uma pessoa do bem, normal. Foi candidato a vereador e diante de sua votação teve certo reconhecimento da população. Não sei porque ele fez isso”, disse o líder do prefeito.

A reação do vereador foi de atender ao chamamento. “Foi muito infeliz a ação dele. A minha reação foi de tentar atende-lo porque parecia estar me chamando. Quando cheguei perto ele proferiu palavras de baixo calão, que não entendi direito, e ele teve a reação que teve. Vi que ele não estava normal, tive pena”, revelou Renato Gomes. Questionado sobre a segurança do Plenário, o vereador informou que já conversou com o presidente da Casa, Duílio de Castro, sobre a possibilidade de a Guarda Municipal manter agentes durante as reuniões.

O processo deve ter seguimento normal, na visão de Gomes. “O próprio policial militar que registrou a ocorrência disse que o processo terá andamento normal. O caso será apurado pelas autoridades competentes”, encerrou.
 
 
NOTA DE REPÚDIO


    Quem esteve presente na Reunião Ordinária da Câmara Municipal realizada na tarde da última terça-feira, 13 de outubro de 2009, presenciou uma cena fatídica. Durante aquela Sessão Plenária, ocasião em que nós vereadores discutíamos as matérias contidas na Ordem do Dia, o cidadão Otávio Flexa se fazia presente no Plenário. Entendi que o mesmo se dirigia à minha pessoa com gestos e palavras que eu não compreendia. Ao me aproximar do referido cidadão, para averiguar o que poderia estar ocorrendo, fui surpreendido com dois tapas no rosto, fato que chocou todos os que assistiam àquela cena, inclusive os demais vereadores que estavam no Plenário.
    Ao se dar conta da sua atitude, em seguida o senhor Otávio Flexa deixou a Casa. Como jamais faria justiça com as próprias mãos, sendo este um dever das autoridades competentes, imediatamente um assessor parlamentar da Câmara Municipal acionou a Polícia Militar, que lavrou o Boletim de Ocorrência nº 38857 – Agressão-Suspeita. Fiquei extremamente surpreso com a atitude do cidadão, pois não o conhecia e jamais tive contato algum com ele, nem mesmo político. Surpreso ainda fiquei ao saber que o senhor Otávio Flexa foi candidato a uma cadeira no Legislativo Sete-lagoano no último pleito eleitoral. Ora, esta postura agressiva tomada por ele é contrária aos princípios éticos e morais de um homem, principalmente sendo político, ou de qualquer pessoa que queira se tornar um representante legítimo do povo de Sete Lagoas.
    Solicitei a Presidência da Câmara que medidas sejam tomadas para resguardar, a partir de agora, a segurança dos vereadores e munícipes que se fizerem presentes durante as Sessões Plenárias da Casa. Com relação ao cidadão Otávio Flexa, espero que as autoridades competentes tomem as providências cabíveis no sentido de que apurarem o fato, garantindo assim que acontecimentos como este não se repitam novamente, uma vez que o mencionado cidadão já havia agredido verbalmente na semana passada, o proprietário da lanchonete localizada no estacionamento da Câmara Municipal. Enquanto vereador, continuarei atuando na defesa dos direitos dos cidadãos sete-lagoanos e desenvolvimento do nosso Município.


 
 
Renato Gomes
Vereador pelo Partido Verde (PV)
Líder de Governo na Câmara Municipal



OBS: A cópia original assinada pelo vereador encontra-se na Secretaria Especial de Comunicação

Links patrocinados