Menu

Sete Lagoas > Notícias > Cidades

Arquibancada de circo Di Napoli desaba em Sete Lagoas

  • Categoria: Cidades

Quase acaba em tragédia uma apresentação circense na manhã de domingo, 7, no Circo Di Napoli, instalado na Avenida Norte Sul, em Sete Lagoas. Durante o espetáculo, por volta de 11h45, parte da arquibancada desabou e feriu algumas pessoas da platéia. Uma criança sofreu um corte na orelha e uma gestante passou mal após a queda. O Corpo de Bombeiros e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) compareceram ao local para socorrer as vítimas. Apesar de ter licença para operação, parte da arquibancada foi interditada.

A empresária Cláudia Marilac, 37 anos, que estava acompanhada dos filhos, foi testemunha ocular do acidente. Segundo ela, após o desabamento, o descaso foi total com as pessoas que se machucaram. “Em vez da equipe do circo se preocupar com as vítimas, eles começaram o espetáculo para abafarem o tumulto, sem ao menos pedirem desculpas ou ver se tinha alguma vítima. Uma criança sofreu escoriações atrás da orelha, uma grávida que estava na parte de cima da estrutura também se sentiu mal, e um homem, que aparentemente tinha quebrado uma costela, teve que ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros, que só chegou 40 minutos depois do acidente”, afirmou.

Segundo ela, o espetáculo continuou normalmente, enquanto ajudantes retiravam rapidamente os destroços que sobraram da precária estrutura.  “A cidade precisa sim de diversão, mas com segurança. Poderia ter ocorrido uma tragédia, visto que o circo estava lotado”, contou. De acordo com Cláudia Marilac, a estrutura de arquibancadas é constituída por ferro e madeiras onde cadeiras de plástico ficam em cima. 

A reportagem procurou o Corpo de Bombeiros. O sargento Alex Dourado, da assessoria de imprensa, informou que o circo foi vistoriado e tinha alvará autorizando seu funcionamento. No entanto, após o acidente, parte da estrutura foi interditada. “Havia irregularidades, as condições do material eram precárias”, afirmou. O responsável pelo circo, identificado como Paulinho, foi procurado para se pronunciar a respeito do ocorrido, mas não foi localizado.

Celso Martinelli

Foto: Cláudia Marilac

Servidores do SAAE param e reivindicam melhoria salarial

  • Categoria: Cidades

A direção do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Sete Lagoas foi surpreendida na manhã de segunda-feira, 8. Cerca de 500 funcionários cruzaram os braços, principalmente do setor operacional, e não trabalharam. Os servidores exigiam reajuste salarial e melhores condições de trabalho. De acordo com representantes da classe, o prefeito Mário Márcio Campolina Paiva, o Maroca (PSDB), não cumpriu o que havia prometido na semana passada - e conforme foi aprovado pela Câmara Municipal - de reajustar o vencimento em 7% e fixar o salário mínimo em R$ 500,00. Conforme consta no contracheque dos funcionários, o aumento concedido teria sido de apenas cinco centavos.

Com a paralisação dos servidores, diversos serviços ficaram comprometidos em Sete Lagoas. Não foi realizada a manutenção na rede de esgoto em diversos bairros, novas ligações de água, medição de hidrômetros e atendimento ao público no setor operacional da autarquia. Um dos representantes dos funcionários do Saae, o bombeiro Abenar Neri, afirmou que os servidores só voltariam ao trabalho após reunião com o prefeito ou o presidente do Saae, Ronaldo de Andrade, para explicar a questão do salário, que não foi fixado em R$ 500 conforme prometido.

Segundo ele, os servidores foram tapeados. “Ao recebermos, notamos que na folha de pagamento constava apenas R$ 0,05 de reajuste sobre o mínimo de R$ 465,00, sendo que o aumento anunciado foi de 7%. É um desrespeito muito grande”, considera Abenar Neri, que é funcionário efetivo. “Também exigimos isonomia na autarquia. Os contratados, que muitas vezes tem a mesma função do servidor concursado, não recebem os benefícios e abonos que são concedidos aos efetivos. O prefeito fez propaganda enganosa”, acusa.

Além do salário, foram exigidas melhores condições de trabalho. “Há funcionários até hoje sem uniforme, os veículos estão sucateados, faltam ferramentas e, quem trabalha com serviço insalubre, com produtos químicos, não têm qualquer gratificação. Queremos uma assembléia para esclarecer e dar uma solução ao problema. Caso contrário, a paralisação continua”, finaliza Abenar.

Em nota, a do SAAE convocou todos os servidores envolvidos na paralisação deflagrada a retornarem imediatamente às suas atividades normais, a fim de evitar solução de continuidade na prestação dos serviços essenciais que a autarquia presta à comunidade. Também advertiu que os manifestantes serão responsabilizados pelos prejuízos causados à autarquia e à comunidade em geral, em caso de continuarem paralisados, o que ensejará a tomada das medidas legais cabíveis. “Esclarece-os, na oportunidade, que a direção encontra-se aberta para discutir as reivindicações da categoria, desde que através dos sindicatos da categoria”, consta na nota assinada pelo presidente da autarquia, Ronaldo de Andrade.

No dia seguinte, terça-feira, os servidores voltaram ao trabalho. Foi realizada reunião entre o Sindiagua, a Prefeitura Municipal e representantes do SAAE, que apresentaram propostas ao Executivo que ficou de analisar. Nova reunião foi marcada para o dia 25 de junho.


Para prefeito reajuste não é ideal,
mas o possível para atual conjuntura


Via assessoria de imprensa, o prefeito Maroca informou que os servidores receberam um abono salarial referente a fevereiro, março e abril, com o objetivo de igualar o salário dos servidores municipais ao salário mínimo legal, já que este sofreu o reajuste antes da data base dos servidores deste município que ocorre em 1º de maio. O abono estava previsto apenas para os meses citados, pois após o mês de maio, data base do servidor, com o reajuste de 7%, o salário de todo o funcionalismo público superou o valor do salário mínimo legal e a decisão foi também aprovada pela Câmara Legislativa. “Após este período, na data base do servidor, a Prefeitura concedeu os 7% de aumento, percentual este que possibilitou a necessária recomposição e ainda um aumento salarial de todos os servidores municipais, exceto do Prefeito, Vice-Prefeito e dos Secretários, de forma, novamente, a minimizar as perdas, com referência aos índices de correção do país”, explica Maroca..

A assessoria informou ainda que a Prefeitura estabeleceu que no funcionalismo ninguém terá uma remuneração inferior a R$ 500,00. “Importante ressaltar que remuneração significa a composição do salário-base mais as vantagens pessoais. Por exemplo, se uma funcionária recebe, mesmo com os 7%, uma remuneração inferior a R$ 500 reais, a Prefeitura concederá a esta funcionária, um abono salarial que atinja o mínimo estabelecido pelo Executivo. Tendo sempre como objetivo o digno reajuste do poder aquisitivo dos servidores municipais”, completa o prefeito.

Por fim, Maroca conta afirma que o aumento concedido não é o que idealizaram para o funcionalismo. “Mas foi o possível dentro da realidade que o município vive, nesse contexto de perda na arrecadação. Nosso objetivo é continuar construindo a cidade que todos os sete-lagoanos querem, com projetos para a população, valorizando os servidores. A administração municipal também tem como uma de suas principais metas contribuir para o avanço na discussão do Plano de Carreira e Vencimento de todo o funcionalismo municipal”, finaliza.

Por Celso Martinelli

 

Links patrocinados